Blog do Júlio Gomes

Arquivo : Atlético de Madrid

Time de Champions, Atlético de Madrid cumpre papel na Liga Europa
Comentários Comente

Julio Gomes

O Atlético de Madrid, na era Simeone, se transformou em um clube top da Europa – tanto que chegou a duas finais de Liga dos Campeões, depois de já ter vencido duas Ligas Europa. Não era esperada a eliminação ainda na fase de grupos da Champions 17/18.

O Atlético estava em um grupo duro, com Chelsea, Roma e Qarabag, do Azerbaijão. Foram dois tropeços contra o patinho feio da chave que atrapalharam a vida do Atlético, que teve uma primeira metade de temporada esquisita, alternando bons e péssimos jogos. Acabaram passando Chelsea e Roma – esta, chegou à semifinal.

O fato é que o Atlético acabou “caindo” para a Liga Europa, onde foi imediatamente considerado principal favorito ao título pelas casas de apostas. E confirmou o favoritismo. Tudo bem que estavam lá Arsenal, Borussia Dortmund, algumas outras camisas importantes do continente.

Mas o fato é que, na era Simeone, o Atlético ganhou novo status. Era quase obrigação ganhar o torneio, após a primeira fase da Champions decepcionante. Eu não gosto muito do termo “obrigação”, porque o que jogador tem a obrigação de fazer é atuar com vontade e dedicação. Mas, digamos, o Atlético cumpriu seu papel de favorito – como fizera o Manchester United no ano passado.

O Olympique de Marselha até teve uma chance clara com 0 a 0 (Germain perdeu cara a cara), antes de entregar de presente o gol para Griezmann fazer o primeiro. No segundo tempo, já depois do segundo gol de Griezmann, o Olympique acertou a trave – botaria fogo no jogo. No fim, Gabi fez o 3 a 0.

Foi um time bravo, o Olympique, como brava é sua torcida. O choro sentido dos jogadores ainda no campo mostra como o título seria importante para a região de Marselha, cheia de imigrantes, pessoas que estão sentindo na pele o ambiente de segregação que se espalha como um câncer na Europa.

Mas não tem jeito. O Atlético é simplesmente muito mais time. É time de Champions. Mesmo sem Griezmann (que deve ir ao Barcelona), a permanência de Simeone nos garante: na próxima temporada, eles voltarão a incomodar.

Em 2010, ainda antes de Simeone, quando o Atlético ganhou sua primeira Europa League, aquilo parecia o teto para o clube. Aquele título foi comemora em êxtase absoluto. Mas aí chegou o argentino. Vieram finais de Champions, título da Liga doméstica, da Copa do Rei, mais duas, com essa, Europa Leagues, Supercopas da Europa e da Espanha. Os tempos mudaram nestes quase sete anos.

O Atlético de hoje é grande como nunca.


Na “final” espanhola, faltou coragem e sobrou Messi
Comentários Comente

Julio Gomes

Diego Simeone mudou a história do Atlético de Madrid, e isso é inegável. Mas lá se vão 13 partidas contra o Barcelona na Liga espanhola e são zero vitórias do treinador argentino (nove do Barça, quatro empates).

Faltou coragem ao Atlético no Camp Nou. Faltou também ao Barcelona, mas o time já vencia quando recuou. E o resultado final do jogo acabou sendo definido por Messi. Um golaço de falta, mais uma genialidade do argentino, que chega a 600 gols como profissional.

Se nos anos iniciais de Simeone o Atlético era um time de futebol reativo, isso foi se transformando ao longo dos anos. O Atlético passou a ser um time de boa defesa, sim, mas também de muita qualidade com a bola. Só que parece que nos grandes clássicos, nos grandes jogos, o time dá um passo atrás. Falta aquele centímetro de coragem, já que concentração e dedicação sempre sobram.

Foi assim nas duas finais de Champions contra o Real Madrid. E é assim quase sempre nos jogos grandes contra o Barcelona pelo Espanhol.

Agora, o Barça volta a ter oito pontos de vantagem na tabela, o que praticamente determina o campeão.

O Barça foi muito melhor no primeiro tempo, contra um Atlético que só pensava em marcar e abdicou de jogar. Não foram tantas chances criadas, mas o domínio era claro. E, numa falta besta feita por Thomas em Messi, o gênio não perdoou.

Com a saída de Iniesta por lesão muscular, Ernesto Valverde (que venceu Simeone pela primeira vez) também mostrou pouca coragem. Colocou em campo André Gomes, pensando em fechar o meio de campo. É um jogador de nível muito abaixo do restante. A entrada de Paulinho teria sido mais natural.

No segundo tempo, o Atlético fez um jogo mais sólido, com outra atitude. Diante de um Barcelona recuado e desinteressado, o time de Madri foi ganhando metros. E, aí sim, apareceu a coragem de Simeone, colocando dois atacantes e partindo para cima.

A impressão é que o Atlético chegaria ao empate. Até fez o gol, mas o bandeirinha encontrou impedimento milimétrico de Diego Costa no lance. Se tivesse jogado com a mesma atitude desde o início, fatalmente o resultado teria sido diferente. Por que não agredir desde o primeiro minuto?

Ao Atlético, agora, resta centrar forças na Europa League, onde é o principal favorito ao título. O Barcelona possivelmente terá de enfrentar o Chelsea, pela Champions, sem Iniesta. A Liga espanhola já está na regressiva.


No Espanhol, Barcelona é a maior pedra no sapato de Simeone
Comentários Comente

Julio Gomes

Na Champions, um leão. Na Liga espanhola, um gatinho. Este tem sido o Atlético de Madrid quando enfrenta o Barcelona, nos seis anos e pouquinho desde a chegada de Diego Simeone ao clube.

Neste domingo, os clubes duelam no Camp Nou. Com a vantagem do Barça atualmente em cinco pontos, o jogo é tratado como uma “final”. Se o Atlético for campeão, terá sido a maior “remontada” da história da Liga espanhola. E ser campeão passa por vencer fora domingo, coisa que os colchoneros não fazem desde 2006.

Se na “era Simeone”, que começou em dezembro de 2011, o Atlético fez o Real Madrid virar freguês em jogos pelo Campeonato Espanhol, o mesmo não se pode dizer dos duelos contra o Barça. Foram 12 jogos desde a chegada do treinador argentino, com 8 vitórias do Barcelona e 4 empates.

Se colocarmos todas as competições na balança, foram 12 vitórias do Barça, 6 empates e 2 vitórias do Atlético – ambas em jogos de Liga dos Campeões, em 2014 e 2016, anos em que Simeone eliminou o Barça e só caiu na final europeia, justamente diante do Real.

Entre estes empates, houve um no Camp Nou, em 2014, que significou o título espanhol para o Atlético. Uma boa lembrança, sem dúvida. Mas outro empate no domingo deixaria a diferença em cinco pontos, ou seja, manteria o Barça com o controle do campeonato.

Por isso e por outras razões, é possível imaginar que o Atlético irá agredir o Barcelona, o que pode resultar em um grandíssimo jogo de futebol.

Depois da decepcionante eliminação na fase de grupos da Champions, Simeone recebeu Diego Costa em janeiro. Na Liga, desde então, foram oito vitórias e um empate em nove jogos, com 20 gols marcados e 3 sofridos. A presença de Diego Costa fez com que Griezmann jogasse mais solto – o francês fez sete gols nos últimos dois jogos.

Diego Costa e Griezmann dão ao Atlético uma mistura ofensiva muito curiosa. Lembra os primeiros anos de Simeone, com um time mais duro, mais pesado, mais catimbeiro – Diego Costa personalizava tudo isso em campo. Mas lembra também o Atleti recente, dos últimos anos, um time mais leve, capaz de propor jogo e envolver adversários, com um atacante, Griezmann, de características muito distintas.

Tudo isso, como sempre, com um sólido sistema defensivo por trás e muita concentração.

Uma concentração para lá de fundamental, pois o Barcelona terá espaços, e Messi e Suárez estão voando. Aliás, Messi já fez 27 gols no Atlético, uma de suas vítimas prediletas, e está a um de chegar a 600 gols como profissional.

Apesar de ainda invicto no campeonato, o Barcelona tropeçou três vezes em fevereiro – empates contra Espanyol, Getafe e Las Palmas – e fez um jogo ruim contra o Chelsea, pela Champions (deu sorte de sair com o empate de Londres). É o pior momento do time na temporada, mas talvez falte justamente um jogo como esse para o caminho ser retomado.

 


Ingleses dominam mercado de inverno na Europa. Quem se deu melhor?
Comentários Comente

Julio Gomes

O mercado de inverno europeu deu sequência à gastança que vimos no verão. Grandes negócios foram fechados, com volumes monstruosos de dinheiro, mesmo entre clubes médios e pequenos. O mercado foi especialmente interessante na Inglaterra.

Quem se deu bem? Quem se deu mal?

Espanha

O Real Madrid, apesar da crise, ficou quieto no mercado, não achou que fosse necessário se reforçar. É claro que o silêncio de Zidane no mercado será lembrado se o Real for eliminado pelo PSG e a temporada “acabar”.

O Barcelona, humilhado no verão, fez a maior contratação do inverno ao trazer Philippe Coutinho. Como o futebol é dinâmico! Chegou também Mina. Saíram Mascherano, Rafinha (Inter) e os pouco usados Arda Turan e Deulofeu.

O Atlético de Madri ganhou os já conhecidos reforços de Diego Costa e Vitolo, que já estavam contratados, mas só poderiam jogar a partir de janeiro. O clube só não esperava estar fora da Champions, da Copa do Rei e com chances remotas na Liga a essas alturas. O Valencia, que vive grande temporada, trouxe Vietto e Coquelin e deve se manter no G4 para voltar à Champions. O Sevilla levou Guilherme Arana.

Inglaterra

O Manchester United e o Arsenal parecem ser os grandes vencedores do mercado de inverno. A troca “seca” Alexis Sánchez-Mkhitaryan fez com que o United ganhasse um jogador diferenciado sem gastar, e além de tudo, o chileno pode jogar a Champions. O Arsenal não ficou de mãos abanando.

Saíram Giroud e Walcott, mas Wenger conseguiu renovar o contrato de Ozil e ainda trouxe Aubameyang, do Borussia Dortmund. Se o treinador conseguir encaixar no time Lacazette, Aubameyang, Ozil e Mkhitaryan, pode dar samba.

Liverpool e Manchester City investiram em zagueiros (Van Dijk e Laporte), um porque não parava de levar gols, o outro porque Guardiola percebeu que não pode contar com Mangala, Stones e Kompany. Como a defesa fica constantemente exposta, Pep foi buscar um zagueiro que é muito bom na leitura de jogadas e antecipações.

Mas nenhum dos dois conseguiu tirar Mahrez do Leicester. O Liverpool, que perdeu Coutinho, foi o derrotado do mercado, logicamente. O Chelsea mandou Batschuayi emprestado para o Dortmund e trouxe o lateral brasileiro Emerson, além de Giroud e Barkley – o que não deve mudar a formação titular de meio/ataque. O Tottenham trouxe Lucas Moura, um bom reforço para completar elenco.

Outros países

O PSG perdeu apenas Lucas e trouxe Lass Diarra (lembra dele?) para compor elenco em uma posição em que o titular, Thiago Motta, vive machucado.

O Borussia Dortmund conseguiu uma boa venda com Aubameyang, trouxe Batschuayi e investiu no zagueiro Akanji, do Basel. O Bayern de Munique foi outro gigante quieto no mercado, trouxe apenas o veterano Sandro Wagner para o ataque.

A Juventus, assim como o Real Madrid, não trouxe nem perdeu ninguém. A disputa com o Napoli pelo título italiano será travada com os mesmos protagonistas da atualidade.


Diego Costa, o “malvado favorito”, está de volta e revoluciona o Atlético
Comentários Comente

Julio Gomes

A primeira metade da temporada do Atlético de Madri foi, talvez, a pior desde a chegada de Diego Simeone, em dezembro de 2011. Mais do que a eliminação na primeira fase da Liga dos Campeões da Europa (o grupo não era moleza, tinha Chelsea e Roma), o que chamaram a atenção foram as atuações ruins e apáticas no Espanhol.

Depois de duas temporadas melhorando seu jogo, deixando para trás o DNA de time defensivo e raçudo e passando a gostar de jogar com a bola, com jogadores de meio e de frente de mais toque e qualidade, o Atlético parece que retrocedeu.

Cansou, talvez? O time talvez tenha se esgotado psicologicamente após tantos anos de exigência máxima. Afinal, para concorrer com Barcelona, Real Madrid e os outros gigantes da Europa na Champions, o Atlético sempre teve de jogar cada partida, cada minuto, como se fosse a última.

Curiosamente, o suspiro que faz o futuro parecer mais promissor vem do passado. Diego Costa.

Diego foi contratado por 65 milhões de euros no início da temporada, mas só pôde estrear agora em janeiro, por uma punição recebida pelo Atlético. Ficou três meses entrando em forma e treinando, perdeu quilos, queria voltar tendo impacto imediato. E foi o que aconteceu.

Já na reestreia, quarta, pela Copa do Rei, fez um gol na vitória por 4 a 0 sobre o Lleida. E neste sábado, em sua volta à Liga Espanhola, na primeira partida no novíssimo estádio Wanda Metropolitano, a primeira como titular, fez um gol nos 2 a 0 sobre o Getafe. Mais do que isso: cumpriu o script completo.

Taticamente, mudou o jogo do Atlético, que passa a ter um Griezmann mais móvel (como ele gosta e rende mais). Passa a ter uma presença de área muito mais forte do que com o velho Torres ou Gameiro. Passa a ter um jogador que incomoda, distrai, inferniza a vida dos defensores adversários.

Animicamente, passa a ser um Atlético mais parecido com o velho time de Simeone. Raçudo, inflamado, malvado.

O árbitro de Atlético x Getafe teve uma atuação patética. Encheu o Atlético de cartões e perdoou o Getafe. O efeito Diego Costa tem disso também, os árbitros não gostam dele, ninguém gosta dele. É o jogador que recebe uma falta e levanta rapidinho para espinafrar o juiz. É o jogador que sai para o túnel no intervalo batendo boca e trocando empurrões com algum adversário. Xinga até a sombra.

É o jogador que deixa o braço para proteger a bola. Alguns não teriam nem a falta marcada. Outros, levariam vermelho direto. No caso de Diego, saiu um amarelo. Seguido, claro, de encarada, empurra empurra, tensão.

Tensão.

Esta é a palavra. Este é o principal efeito Diego Costa. O jogo fica tenso, o adversário fica tenso, os companheiros ficam tensos, a torcida, os árbitros, todo mundo. Os jogos ganham uma atmosfera diferente. Tensão pode ser ruim, claro que pode. Mas não é possível ganhar no futebol sem tensão. E era isso que esse Atlético não mostrava na temporada 17/18.

E veio o gol. Contra ataque, bom posicionamento na área, finalização de primeira, no contrapé do goleiro, tudo certinho.

Mas Diego Costa é Diego Costa. E ele subiu a escadinha que dá acesso à arquibancada para ganhar um banho de massas. Debaixo de chuva em Madri, foi abraçado, beijado, amassado, esmagado. Foi para a galera.

Na volta, adivinhem? Amarelo. E vermelho.

Empurra empurra, nome gritado, bate boca, cotovelo, amarelo, gol, celebração irracional, banho de massas na chuva, vermelho, aplausos, suspensão. O Atlético x Getafe deste sábado foi 100% Diego Costa.

Não dá para não pensar em como teria sido aquela final de Champions em 2014, entre Atlético e Real Madrid. Diego Costa saiu machucado logo no início, o Atlético chegou a abrir o placar, mas levou o empate nos acréscimos e perdeu o título na prorrogação.

O torcedor ama Diego Costa. É o típico jogador odiado por quem está contra, amado por quem está do mesmo lado (menos Antonio Conte).

O Atlético está fora da Champions, mas já é, nas casas de apostas, o principal favorito a ficar com o título da Europa League (à frente de Arsenal, Dortmund, Napoli, Milan…).

No Espanhol, está seis pontos atrás do Barcelona, que amanhã deve voltar a abrir nove, pois recebe o Levante. O jogo entre eles no segundo turno será no Camp Nou. O título do Barcelona está praticamente garantido.

Mas, no mínimo no mínimo, teremos a partir de agora fortes emoções nos jogos do Atlético. O homem de Sergipe está de volta.

 


Barcelona só perde título espanhol se sofrer virada recorde
Comentários Comente

Julio Gomes

Com os 3 a 0 sobre o Real Madrid, sábado, em pleno Santiago Bernabéu, e as derrotas de Atlético de Madri, Valencia e Sevilla, o Barcelona teve a rodada dos sonhos antes de o Campeonato Espanhol fazer a pausa para as festas de fim de ano.

O Barça é líder com 45 pontos em 51 possíveis, não perdeu um jogo sequer na Liga doméstica. A vantagem é de 9 pontos para o Atlético, 11 para o Valencia, 14 para o Real Madrid (que tem um jogo a menos) e 16 para o Sevilla.

Na história do Espanhol, a maior “remontada” de pontos aconteceu na temporada 98/99. Exatos 19 anos atrás, o Mallorca liderava o campeonato após 14 rodadas e tinha 9 pontos de vantagem para o Barcelona, que acabaria sendo campeão no ano de seu Centenário. O Mallorca terminaria em terceiro lugar.

Se o Atlético de Madri for campeão da atual temporada, terá igualado este recorde histórico. Se o Barça perder o título para outro time, como o Real Madrid, por exemplo, terá sido a maior remontada já vista no campeonato.

E tem um detalhe: no segundo turno, o Barcelona jogará contra Atlético, Real e Valencia em seu estádio, o Camp Nou. Não está fácil para a concorrência.

Leia também no blog:
Zidane inventa, erra feio, e Barça “mata” o Real na Liga

O dado histórico, somado à consistência deste Barcelona de Valverde e a inconsistência dos rivais, faz com que muitos considerem a Liga já definida, mesmo faltando duas rodadas para ser concluído o primeiro turno.

Seria o nono título do espanhol do Barça em 14 temporadas, um domínio só comparável ao histórico Real Madrid de Si Stefano, dos anos 50 e 60. São justamente as 14 temporadas com Messi no time principal desde a estreia, em 2004 – o argentino é o recordista de gols em clássicos no Bernabéu (agora são 15) e o jogador que mais gols fez contra o Real Madrid na história.

Com a vitória no clássico , o Barcelona conseguiu vencer em Madri em três Ligas seguidas pela primeira vez na história (só o Atlético de Simeone, recentemente, havia conseguido tal feito). É também a primeira vez que o Real sofre pelo menos três gols em casa, do mesmo adversário, três vezes seguidas.

Os últimos dez dérbis pela Liga no Bernabéu tiveram sete vitórias do Barça, com 28 gols marcados – quase três por visita. Dá para chamar de freguesia.

Manchester City, com a campanha surreal que faz na Inglaterra, Bayern de Munique, na Alemanha, e PSG, com todo o investimento que fez na França, também já são virtuais campeões nacionais. Sobram as disputas intensas na Itália e Portugal e, claro, a Liga dos Campeões, onde todos esses aí vão se enfrentar.

De todos esses, o Barcelona é quem faz a temporada mais surpreendente. É importante lembrar que este era um clube em depressão quatro meses atrás, humilhado pela saída de Neymar, sem conseguir quem queria no mercado, sem a renovação de Messi assinada, sem o Iniesta de outros tempos, com diretores renunciando, com um ex-presidente atrás das grades e o atual enrolado com a Justiça.

Tanto que Piqué dizia, após a derrota para o Real Madrid na Supercopa espanhola, que abria a temporada, que pela primeira vez se sentia inferior ao maior rival.

O mundo girou, Ernesto Valverde faz um enorme trabalho, Paulinho encaixou como uma luva e hoje, quem quiser tirar o título do Barça, terá de bater recorde.

Leia também no blog:
Quem precisa de Neymar? Paulinho virou o substituto perfeito

As três maiores viradas da história da Liga espanhola foram: a já citada do Barça para cima do Mallorca (9 pontos, em 98/99); outra do Barça, do Dream Team de Cruyff, mas sobre o Real Madrid, quando a vitória ainda valia 2 pontos (8 pontos de desvantagem após 14 rodadas, em 91/92); e a do Valencia de Rafa Benítez sobre o Real Madrid dos galácticos (8 pontos faltando apenas 12 rodadas, em 2003/2004).

Neste mesmo campeonato, o primeiro de Ronaldinho na Espanha, o Barcelona chegou a tirar 18 pontos de desvantagem para o Real Madrid para acabar em segundo lugar – os galácticos acabariam em quarto. Era o terreno sendo pavimentado para o bicampeonato em 2005 e 2006, o início da “era Messi”.


Derrota do PSG não é nem trágica e nem insignificante
Comentários Comente

Julio Gomes

Depois de perder um jogo pelo Francês, no último fim de semana, o Paris Saint-Germain perdeu também a invencibilidade na Liga dos Campeões da Europa, ao cair por 3 a 1 em Munique, diante do Bayern.

A derrota está longe de ser trágica. A famosa frase “perdeu quando podia perder” se encaixa bem. Como havia vencido o jogo entre eles por 3 a 0, em Paris, o PSG ficou em primeiro lugar no grupo e tem mais chances de fugir de um duelo duro. O Bayern de Munique, como esperado, ficou em segundo. Esse sim, possivelmente pegará uma pedreira nas oitavas – ou um time inglês ou o Barcelona. Sorte seria pegar Roma ou Besiktas.

Se não é trágica e não mostra que o PSG “não é tudo isso” nem nada do tipo, tampouco podemos considerar o resultado insignificante. De alguma forma, traz o time de volta à Terra. Não chegará ao mata-mata com aura de invencível.

O Bayern, mesmo sem muitos jogadores que possivelmente serão titulares na hora H da temporada, criou sérios problemas ao PSG, principalmente no primeiro tempo. Sem Thiago Motta, Unai Emery, o técnico do Paris, está usando muitas vezes uma formação com Draxler no meio de campo. O time, claro, fica ainda mais ofensivo. Mas, talvez, vulnerável.

São testes válidos. Emery precisa entender o verdadeiro nível do time, as alternativas, e são raros os momentos de competitividade extrema para fazer essas observações.

Nesta primeira metade da temporada, os únicos jogos complicados para o PSG seriam contra o Bayern e contra o Monaco. Fora de casa, o time atropelou o Monaco e tem nove folgados pontos de vantagem na tabela do Francês – um campeonato que se mostra pouco competitivo. No primeiro jogo contra o Bayern, passou o carro, mas o time de Munique vivia crise que não vive mais desde a saída de Carlo Ancelotti. Agora, a história seria diferente. E foi.

“Ah, como perdeu do Bayern, o PSG foi colocado em seu devido lugar. Não tem camisa. Não é um dos favoritos ao título”. Alguns dirão algo assim. Não concordo. O PSG é, sim, muito forte. Muito mesmo. A meu ver, está na prateleira de cima entre os favoritos. Junto com um certo Bayern, que precisava de um resultado como esse para se colocar de novo entre as principais forças.

Quem quiser ver o copo meio vazio, dirá que o PSG é tão favorito quanto qualquer outro, e isso ficou provado hoje. Quem quiser ver o copo meio cheio, dirá que o time e Neymar precisavam de uma chacoalhada como essa para cair na real e amadurecer rumo à metade final da temporada.

Outros jogos

O resto da rodada não teve novidades. O Manchester United garantiu a primeira colocação do grupo A ao fazer 2 a 1 no CSKA Moscou, de virada. O Basel ficou em segundo, impondo a sexta derrota em seis jogos para o Benfica (uma vergonha, diga-se). Já era esperado, pelos duelos, que o time suíço passasse.

No grupo C, o Atlético de Madri chegou a estar à frente contra o Chelsea. Mas neste momento a Roma já vencia o Qarabag, resultado que se confirmou. O Chelsea ainda conseguiu o 1 a 1, mas foi um mau resultado para todos em Londres. Porque a Roma acabou sendo primeira de um grupo muito difícil, o Chelsea ficou em segundo e o Atlético foi eliminado.

Como não pode pegar um inglês nem a Roma, por ser do mesmo grupo, o Chelsea enfrentará nas oitavas de final Barcelona, PSG ou Besiktas. Alguma preferência? Será?

Já a Roma não enfrenta nem Chelsea nem Juventus. De muito forte, sobrariam o Real Madrid e o Bayern. Os outros possíveis duelos de oitavas são ganháveis para os romanos, que vivem uma temporada melhor do que o esperado.

No grupo D, o Barcelona, mesmo com time reserva, fez 2 a 0 no Sporting. E a Juventus fez sua parte, vencendo o Olympiacos por 2 a 0, na Grécia. A Juve sofreu nos dois jogos contra o Sporting, mas se livrou de uma eliminação precoce, engatou a terceira marcha na Itália e está se acertando na temporada.


Champions League chega à rodada final com pouco suspense
Comentários Comente

Julio Gomes

A Liga dos Campeões da Europa chega à última rodada da fase de grupos nesta semana com pouco em jogo e quase nenhum suspense.

São oito times já classificados e quatro virtualmente garantidos nas oitavas de final (os confrontos de mata-mata serão sorteados na sexta-feira e só começam em fevereiro). Restam quatro vagas abertas, mas só uma delas será definida em um duelo direto, em um jogo em que o Liverpool é franco favorito.

O grande confronto desta terça-feira, entre Bayern de Munique e Paris Saint-Germain, acaba tendo muito menos apelo do que poderia. Afinal, o Bayern só pode tomar a primeira posição do grupo B se vencer por quatro gols de diferença, algo difícil de imaginar.

O único “candidato” ameaçado de eliminação é o Atlético de Madri, que está em situação tão difícil que nem muito suspense desperta. E, convenhamos, por melhores que tenham sido as campanhas do Atlético nos últimos quatro anos, não é das camisas mais badaladas do continente.

Na quarta-feira, ainda haverá alguma expectativa para saber se o Liverpool confirmará sua vaga e se o Napoli terá a ajudinha de Guardiola e do City para chegar às oitavas. De novo, nada que gere muita palpitação.

Barcelona, Manchester City, Tottenham e Besiktas já garantiram a primeira colocação de seus grupos. O único segundo colocado já certo é o Real Madrid. Outros três times estão classificados, a falta de sabermos em qual colocação: PSG, Bayern de Munique e Chelsea.

Manchester United, Roma, Juventus e Sevilla têm suas situações muito encaminhadas, só ficam de fora com uma tragédia. As quatro vagas reais em jogo estão entre Basel/CSKA, Liverpool/Spartak (único duelo direto), Shakhtar/Napoli e Porto/Leipzig.

JOGOS DE TERÇA (17h45 de Brasília)

Grupo A- Manchester United 12 pontos, Basel e CSKA Moscou com 9. O Manchester United recebe o CSKA na última rodada e precisa do empate para ser primeiro. Na verdade, pode até perder por três gols, quem sabe mais, para ser primeiro. O Basel, que vai a Lisboa pegar o eliminado Benfica, pode ficar empatado com o CSKA, portanto é o favorito a ficar com a segunda vaga. Pode haver um tríplice empate na ponta, é por isso que o United não está garantido ainda. Mas, para que o time de Mourinho seja eliminado, precisará perder por sete gols de diferença.

Grupo B- PSG 15 pontos, Bayern 12. O Bayern só toma a primeira colocação se vencer o jogo entre eles, em Munique, por quatro ou mais gols de diferença. O jogo entre Celtic e Anderlecht serve apenas pra decidir quem vai pra Liga Europa, com grande vantagem para os escoceses.

Grupo C- Chelsea 10, Roma 8, Atlético de Madri 6. Jogam Chelsea-Atlético e Roma-Qarabag. Considerando que a Roma deve ganhar em casa o último jogo contra o time mais fraco, a vaga está na mão. Se isso acontecer, o Chelsea terá de vencer o Atlético para ser primeiro do grupo. O Atlético só passa para as oitavas se vencer em Londres e a Roma não vencer seu jogo. Difícil. Depois de anos de alta competitividade e duas finais, o Atlético está virtualmente eliminado.

Grupo D- Barcelona 11, Juventus 8, Sporting 7. O Barça já é primeiro. O Sporting só toma a segunda posição se vencer em Barcelona e a Juventus não ganhar do Olympiacos, já eliminado, na Grécia. Que a Juve não vença até é uma possibilidade, duro para o Sporting é ter de vencer no Camp Nou.

JOGOS DE QUARTA (17h45 de Brasília)

Grupo E- Liverpool 9, Sevilla 8, Spartak Moscou 6. O Liverpool recebe o Spartak e basta vencer para ser primeiro ou empatar para se classificar. Se perder, deve ser eliminado, pois dependeria de uma derrota do Sevilla para o fraco Maribor, na Eslovênia – o que não tem muita chance de acontecer. O Sevilla será necessariamente o segundo se empatar, mas pode ser primeiro se vencer (e o Liverpool não). O Spartak se classifica se vencer por qualquer placar em Liverpool.

Grupo F- Manchester City 15, Shakhtar 9, Napoli 6. O City já é o primeiro. O Napoli só se classifica se vencer o eliminado Feyenoord, na Holanda, e o Shakhtar perder na Ucrânia para o time de Guardiola.

Grupo G- Besiktas 11, Porto 7, RB Leipzig 7. O Besiktas já é o primeiro. O Porto tem o desempate sobre o Leipzig, portanto basta vencer o eliminado Monaco, em Portugal, na última rodada. O Leipzig, que recebe o Besiktas, só vai às oitavas se fizer um resultado melhor que o do Porto. O Monaco já está fora até da Liga Europa, foi uma grande decepção da fase de grupos.

Grupo H- Tottenham 13, Real Madrid 10. Tudo definido, as duas primeiras posições não estão mais em jogo. O Borussia Dortmund se despede em Madrid, tentando pelo menos ficar à frente do APOEL, que joga em Londres com o Tottenham. Ao time alemão, basta não ter resultado pior que o do cipriota.


Só em fevereiro saberemos qual é o nível real desse PSG
Comentários Comente

Julio Gomes

O Paris Saint-Germain e o Manchester City são as sensações deste primeiro terço de temporada europeia, sem dúvida alguma. Os dois “novos ricos”, que há anos estão na mesma frase, porque já triunfaram domesticamente, mas ainda não na Europa, estão atropelando a concorrência.

O passo adiante do Manchester City foi trazer Pep Guardiola. O primeiro ano foi mais ou menos, as contratações e dispensas do mercado foram certeiras e hoje o time parece imbatível. Cinco vitórias em cinco jogos na Liga dos Campeões, duas delas contra o Napoli, líder da Série A italiana e ótimo time de futebol. Na Inglaterra, a liga mais forte do mundo, incríveis 11 vitórias em 12 jogos e já oito pontos de vantagem para o segundo colocado.

O passo adiante do PSG foi trazer Neymar, na maior contratação da história. Se o time foi dominante na França desde a chegada de grandes jogadores, a temporada passada foi marcante por dois fracassos retumbantes. Perder a liga local para um Monaco cheio de moleques e ser eliminado pelo Barcelona levando 6 a 1, depois de ter vencido por 4 a 0 na ida.

O time já era obviamente muito bom. Com Neymar, no entanto, ele parece estar pronto para o objetivo principal, que é conquistar o continente.

Eu não tenho dúvidas de que o PSG é um dos candidatos e pode ganhar a Champions. Mas o fato é que só saberemos o nível real deste time em fevereiro do ano que vem, quando vier o mata-mata, a fase aguda da temporada. Melhor dizendo. O nível é obviamente alto. Mas ele não será colocado à prova até fevereiro.

Já dá para notar certa preguiça nos jogos aos sábados e domingos, em que falta competitividade. E no único jogo “tenso” da temporada, o clássico contra o Marselha, Neymar foi expulso de campo.

Por enquanto, o PSG tem enfrentado nenhuma concorrência na França. Zero. Já tem seis pontos de vantagem para o Monaco e o clássico entre eles, domingo que vem, dificilmente terá a mesma disputa da temporada passada. O Monaco já está eliminado da Champions e é lanterna do seu grupo com uma rodada de antecipação. Só está em segundo na França porque o campeonato é realmente muito fraco e desnivelado. O time do Principado caiu muito.

Na Champions, o PSG, assim como o City, ganhou cinco de cinco. Mas quatro desses jogos foram contra os fraquíssimos Celtic e Anderlecht e a vitória sobre o Bayern de Munique precisa ser relativizada, pois era um time rompido com o técnico – Carlo Ancelotti sairia dias depois da derrota.

O jogo de Munique, que fechará a fase de grupos, não significa muito. O Bayern só será primeiro colocado se vencer por quatro gols de diferença, o que todos sabem que não é realista.

Daqui até o mata-mata, em fevereiro, portanto, o PSG tem jogos em Monaco e em Munique que não têm o mesmo peso que poderiam ter.

O time de Neymar está voando, é verdade. Mas ainda tem muito o que mostrar. O Manchester City, por outro lado, passa mais confiança porque tem adversários muito mais fortes semanalmente.

O que já sabemos na Champions?

Barcelona, que hoje empatou com a Juventus, City, Tottenham e Besiktas garantiram a primeira colocação de seus grupos. O único segundo colocado já certo é o Real Madrid. Times já classificados, a falta de sabermos em que colocação: PSG, Bayern de Munique e Chelsea. Portanto, metade dos participantes das oitavas de final estão definidos.

Manchester United, Roma, Juventus e Sevilla têm suas situações muito encaminhadas. Só ficam de fora com uma tragédia. As quatro vagas reais em jogo estão entre Basel/CSKA, Liverpool/Spartak, Shakhtar/Napoli e Porto/Leipzig.

Vamos grupo a grupo:

A- United 12 pontos, Basel e CSKA com 9. O Manchester United recebe o CSKA na última rodada e precisa do empate para ser primeiro. Na verdade, pode até perder por três gols, que sabe mais, para ser primeiro. O Basel, que vai a Lisboa pegar o eliminado Benfica, pode ficar empatado com o CSKA, portanto é o favorito a ficar com a segunda vaga. Pode haver um tríplice empate na ponta, é por isso que o United não está garantido ainda. Mas, para que o time de Mourinho seja eliminado, precisará perder por sete gols de diferença.

B- PSG 15 pontos, Bayern 12. O Bayern só toma a primeira colocação se vencer o jogo entre eles, em Munique, por quatro ou mais gols de diferença.

C- Chelsea 10, Roma 8, Atlético de Madri 6. Jogam Chelsea-Atlético e Roma-Qarabag. Considerando que a Roma deve ganhar em casa o último jogo, a vaga está na mão. Se isso acontecer, o Chelsea terá de vencer o Atlético para ser primeiro do grupo. O Atlético só passa para as oitavas se vencer em Londres e a Roma não vencer seu jogo. Difícil. Depois de anos de alta competitividade e duas finais, o Atlético está virtualmente eliminado.

D- Barcelona 11, Juventus 8, Sporting 7. O Barça já é primeiro. O Sporting só toma a segunda posição se vencer em Barcelona na última rodada e a Juventus não vencer o Olympiacos, já eliminado, na Grécia.

E- Liverpool 9, Sevilla 8, Spartak Moscou 6. O Liverpool recebe o Spartak na última rodada e basta vencer para ser primeiro ou empatar para se classificar. Se perder, deve ser eliminado, pois dependeria de uma derrota do Sevilla para o fraco Maribor, na Eslovênia. O Sevilla será necessariamente o segundo se empatar, mas pode ser primeiro se vencer (e o Liverpool não). O Spartak se classifica se vencer por qualquer placar em Liverpool.

F- Man City 15, Shakhtar 9, Napoli 6. O City já é o primeiro. O Napoli só se classifica se vencer o eliminado Feyenoord, na Holanda, e o Shakhtar perder na Ucrânia para o time de Guardiola.

G- Besiktas 11, Porto 7, RB Leipzig 7. O Besiktas já é o primeiro. O Porto tem o desempate sobre o Leipzig, portanto basta vencer o eliminado Monaco, em Portugal, na última rodada. O Leipzig, que recebe o Besiktas, só vai às oitavas se fizer um resultado melhor que o do Porto.

H- Tottenham 13, Real Madrid 10. Tudo definido, as duas primeiras posições não estão mais em jogo.

 

 


Sábado perfeito para Barcelona, PSG e outros líderes das ligas europeias
Comentários Comente

Julio Gomes

A rodada da Liga dos Campeões da Europa, semana que vem, gerou um super sábado no retorno dos campeonatos europeus, com praticamente todas as grandes forças do continente em ação.

O dia começou com um dérbi londrino, teve um romano durante a tarde e acabou com um dérbi madrilenho. Nenhuma zebra apareceu, o que é raro após as paradas para jogos de seleções (que geram perda de ritmo, lesionados, etc). Manchester City, Barcelona, Bayern de Munique, PSG e Napoli tiveram vitórias importantes e estão mais do que consolidados na liderança das cinco principais ligas.

City e Barcelona ganharam 11 de 12 jogos, enquanto PSG e Napoli ganharam 11 de 13. Estão invictos.

Espanha

O Barça, sem muitos problemas, passou pelo fraco Leganés, com dois gols de Suárez, quebrando uma seca incômoda, e um de Paulinho, que havia entrado no segundo tempo. A impressão é que o titular da seleção faz gol em todos os jogos do Barça! Já são quatro na Liga.

O Barcelona é, na visão deste blog e de acordo com as previsões feitas antes do início da temporada, a grande surpresa. São 11 vitórias e 1 empate em 12 jogos, uma campanha impressionante que nem os melhores Barças de anos atrás conseguiram.

Com 34 pontos, o Barça tem como perseguidor mais próximo o surpreendente Valencia, que tem 27 pontos e pode chegar a 30 se vencer o Espanyol, neste domingo. No fim de semana que vem tem Valencia x Barcelona, e Piqué desfalcará o time catalão.

Real Madrid e Atlético de Madri fizeram um dérbi muito intenso, bem jogado, mas não saíram do 0 a 0 no lindo estádio Wanda Metropolitano, que recebeu o primeiro clássico da cidade. Os dois já estão dez pontos atrás do líder.

Desde a inauguração do estádio, o Atlético ganhou as duas primeiras e depois colecionou uma derrota e, agora, quatro empates seguidos. Os resultados na nova casa estão sendo tão ruins que o time já está virtualmente eliminado na Champions League e ficou para trás no Espanhol. Está invicto na Liga, mas são seis vitórias e sete (muitos) empates.

O Real Madrid, bicampeão europeu, é inegavelmente uma das decepções da temporada. O time não demonstra a mesma fome e muito menos a mesma bola, fala-se em uma crise de relacionamento entre Sergio Ramos e Cristiano Ronaldo e parece claro que o elenco está mais fraco – o que permite menos alternativas a Zidane.

O Real teve algumas chances contra o Atlético, até poderia ter vencido pelo segundo tempo que fez. Mas não foi um time com a urgência da vitória, como se esperava. Como tirar dez pontos de desvantagem para o Barcelona, em uma liga desequilibrada como a espanhola?

Itália

O Napoli parece decidido a ganhar seu primeiro título desde 1990, quando era o time de Maradona. No clássico que fechou o sábado, fez 2 a 0 em cima do Milan.

Ao contrário do Barcelona, do City, do PSG e do Bayern, no entanto, ainda não tem grande vantagem, pois a Série A está muito equilibrada. São 35 pontos, contra 31 da Juventus e 30 de Roma e Inter, todos estes com um jogo a menos. Juve e Inter entram em campo no domingo.

Já a Roma venceu bem o dérbi da capital contra a Lazio, 2 a 1. Fez um grande primeiro tempo, abriu 2 a 0 no segundo e depois sofreu, mas garantiu a vitória. A Roma, de técnico novo, é uma das surpresas da temporada, mantendo altíssimo nível dos tempos de Spalletti – hoje técnico da Inter.

Inglaterra

Na Premier League, o Manchester City deu mais uma demonstração de força ao fazer 2 a 0 no Leicester, fora de casa. O time voltou a jogar bem, dominar completamente as ações. O City é um “vendaval” para cima dos adversários. Ataca por todos os lados, de todos os jeitos, com muita gente chegando de trás e muita qualidade.

Guardiola gerou interrogações em algumas cabeças incrédulas depois de um primeiro ano meia boca no City e de três anos sem chegar à final europeia com o Bayern. Parece que muitas das dúvidas estarão dissipadas antes mesmo no Natal.

O City faz uma campanha histórica, com 11 vitórias em 12 jogos, 40 gols marcados. Um escândalo. São 8 pontos de vantagem para o United, 9 para o Chelsea, 11 para o Tottenham, 12 para Arsenal e Liverpool.

Na rodada inglesa, Manchester United, Chelsea e Liverpool ganharam bem, e o Arsenal fez uma grandíssima partida contra o rival Tottenham, vencendo por 2 a 0. O Tottenham, naturalmente, foi o grande derrotado do super sábado. É verdade que o primeiro gol do Arsenal saiu de uma jogada que deveria ter sido invalidada, mas tal foi o domínio que parece uma bobagem falar de arbitragem.

Gabriel Jesus fez o primeiro do City, Philippe Coutinho fez o terceiro dos 3 a 0 do Liverpool sobre o Southampton, e, no jogo do United, duas grandes notícias. Pogba voltou ao time e fez a jogada do empate, quando o time perdia para o Newcastle, e ainda marcou o terceiro gol, que praticamente matou o jogo – seria 4 a 1. A outra grande notícia foi a volta de Ibrahimovic, após mais de seis meses longe dos gramados.

Bundesliga e Ligue 1

Na Alemanha, o Bayern chegou à sétima vitória em oito jogos desde o retorno de Jupp Heynckes ao banco de reservas. O reencontro é sucesso absoluto, e o Bayern volta a ganhar corpo como uma das forças da Europa.

Com a derrota – mais uma – do Borussia Dortmund, sexta, e o empate do RB Leipzig em Leverkusen, neste sábado, o Bayern já abre seis pontos para o Leipzig na liderança. O caminho para o inédito hexacampeonato já está bem pavimentado.

Na França, Neymar fez um jogo sem muita graça. Ficou apagado na goleada de 4 a 1 do PSG sobre o Nantes, um adversário perigoso e bem treinador por Claudio Ranieri.

Cavani abriu o placar aos 37min, quando o PSG nada tinha feito em campo. Os outro gols saíram todas de lambanças bizarras do adversário, o que mostra o desnível entre a liga francesa e outras mais potentes. Com mais um tropeço do Monaco, na sexta-feira, agora a distância entre eles é de seis pontos.

No domingo que vem, haverá o aguardado duelo entre Monaco e PSG. Além de estar jogando mal, o Monaco enfrentará um time que ganhou 11 e empatou 2 até agora, campanha inferior somente à do City na Inglaterra.