Blog do Júlio Gomes

Arquivo : Futebol europeu

Uma falta que talvez explique o futuro de Neymar
Comentários Comente

juliogomes

Primeiro jogo de pré-temporada. Valendo pouco, quase nada. O Barcelona já vencia a Juventus por 2 a 0, em uma noite de Neymar. Dois belos gols, o segundo passando por meio time da Juve dentro da área – uma pintura.

E eis que surge uma falta para o Barcelona, cometida sobre Neymar, aos 37min de jogo. Falta na cabeça da área, de frente para o gol. Nem um pouquinho para a esquerda nem para a direita. De frente. Boa para canhotos. Boa para destros. Boa para quem mete gol de falta.

Messi se posiciona. Neymar se posiciona. Messi bate.

Mesmo em um amistoso de pré-temporada. Mesmo em uma noite inspirada de Neymar, claramente a fim de jogo. Mesmo tendo Neymar provado inúmeras vezes que é capaz de guardar aquela falta. Quem bate é Messi. Hierarquia.

A saída de Neymar do Barcelona para o PSG tem pinta de que vá mesmo ocorrer. O PSG quer pagar a multa e só precisa fazê-lo sem ferir o fair play financeiro. Neymar já avisou a galera brasileira do clube francês que está a fim de ir. O pai já negociou o salário astronômico. E até mesmo os catalães já se cansaram da ganância exagerada e, pelo que mostram algumas enquetes (sem valor científico), o torcedor quer mais é que ele se mande. Com o dinheiro, daria para trazer Dybala, por exemplo.

Por que Neymar vai trocar uma camisa como a do Barcelona por outra?

Só há três razões plausíveis.

1- Dinheiro. 2- Sair da sombra de Messi para ter um time “para ele” na busca do trono de melhor do mundo. 3- Fazer história em um clube que ainda tem muitos troféus a serem conquistados.

Esportivamente, não faz sentido. Jogar em uma liga pior, que apresenta menos desafios profissionais e deixar de jogar lado a lado com um dos maiores da história.

Cidade? Bom, quem ousar colocar “morar em Paris” como uma vantagem sobre “morar em Barcelona” logicamente nunca morou nem em uma nem em outra. No máximo, visitou.

Mau relacionamento no vestiário? Nunca houve qualquer sinal disso.

As três razões acima precisam ser respeitadas. Cada um é dono do seu destino, das suas vontades. Não é falta alguma de respeito, no entanto, discordar delas. Se for por dinheiro ou se for para ser o melhor do mundo, acho uma tristeza.

Se for pelo desafio de desbravar o mundo e levar o PSG a feitos inéditos, já acho uma razão muito bacana e elogiável. E certamente será a versão oficial da possível transferência, porque é mais honrosa. Daí a acreditar nela…

A carreira de Neymar sempre foi marcada pela busca do dinheiro. Não me refiro especificamente a ele, mas a quem toma as decisões nesse sentido (seu pai no topo do processo decisório). Nos tempos de Santos, era debate sobre renovação ou venda quase todos os meses. Aí vimos uma das transações mais picaretas que o futebol já teve notícia. E, já no Barcelona, todo verão é a mesma coisa. Notícias e mais notícias sobre interessados. O clube X quer Neymar, o clube Y oferece o mundo a Neymar, o clube Z vai pagar a multa.

Os que estamos nesse meio sabemos muito bem como essas coisas funcionam. Notícias plantadas para “valorizar o passe” e conseguir algum benefício financeiro na mesa de negociações.

Isso gera desgaste e, claro, cria uma imagem. E a tal imagem faz ficar difícil acreditar que “fazer história no PSG” seja mais relevante do que o dinheiro na tomada de decisão.

Sair da sombra de Messi?

Se for para sair da sombra para ser o melhor do mundo, podemos criticar à vontade. Este é um jogo coletivo, é um equívoco buscar obsessivamente premiação individual. É uma mentalidade distorcida. E tem mais. Se ele se considera o melhor do mundo, ou se é convencido disso pelo pai e outras pessoas do staff, vá a campo e seja o melhor do mundo.

Ele não joga fora de posição no Barcelona. Aliás, já vimos pela própria seleção que ele rende muito melhor pela esquerda com liberdade do que como um 10.

Mas se for para sair da sombra de Messi para bater aquela falta que ele não pôde bater ontem. Bem, nesse caso… vá com fé, Neymar.


Ederson estreia com o pé esquerdo no Manchester City
Comentários Comente

juliogomes

Foi apenas o primeiro jogo. Mas não foi um jogo qualquer. O goleiro brasileiro Ederson, comprado por 40 milhões de euros (segundo mais caro da história), começou com o pé esquerdo no Manchester City.

Uma saída tresloucada do gol permitiu que Lukaku ganhasse pelo alto e fizesse o primeiro gol do Manchester United no dérbi de pré-temporada, disputado em Houston. O belga é, pelo menos por enquanto, o jogador mais caro da janela de transferências europeia – o United pagou 85 milhões de euros para tirar o goleador do Everton.

Ainda no primeiro tempo, Rashford fez 2 a 0, e o placar se manteve assim até o fim.

Ederson é uma aposta de Pep Guardiola. Já provou seu valor no Benfica e tem o tal jogo com os pés que agrada o treinador. Não é porque falhou no dérbi de pré-temporada que seja um fiasco, um fracasso, um erro.

Foi apenas um início infeliz.

E Ederson precisa saber, logicamente, que a lupa estará sobre ele o tempo todo. Nem tanto por causa dele. Mas por causa de Guardiola. Um treinador genial, um eterno revolucionário, mas que parece evoluir pouco em sua relação com o mercado.

Mourinho, por exemplo, é um gastão que acerta mais do que erra quando convence os proprietários de seus times a torrar uma grana por alguém.

Já Guardiola está ganhando cada vez mais a fama de gastar muito e mal. Por exemplo: foi anunciada a compra de Danilo, lateral-direito do Real Madrid, por 30 milhões de euros. Um valor surreal. Quem assistiu aos jogos de Danilo no Real entenderá. Não é que ele foi simplesmente relegado ao banco pelo ótimo Carvajal. É que ele foi mal quase sempre mesmo, nunca conquistou a confiança de Zidane. Difícil imaginar que o Real não vendesse Danilo por um valor bem inferior.

Então jogadores como Ederson acabarão pagando o pato sempre que falharem. Nada pessoal. A questão é avaliar o que faz Guardiola no mercado.

O amistoso para quase 70 mil pessoas em Houston teve um ritmo frenético no primeiro tempo, parecia jogo já de Premier League. Um grande jogo de futebol entre um United com cara de time titular e um City com muitas caras novas – como o ótimo Phil Foden, de apenas 17 anos (isso ninguém tira de Guardiola, o cara tem olhos de lince para pescar jogadores jovens).

O United tem um time pronto e ganhou Lukaku para matar bolas ali na frente. Olho muito aberto para o time de Mourinho nesta temporada.

 


Alemanha, o país do futebol, chega a mais uma decisão
Comentários Comente

juliogomes

Eu tenho alguns arrependimentos na vida. O maior deles, não ter escrito um livro com o amigo Sérgio Patrick e que estava prontinho para ser escrito. Pesquisas e entrevistas feitas. Faltou disciplina, talvez coragem. A ideia de título para o livro, em 2013, era: “O Brasil não é o país do futebol”. Conforme as pesquisas avançaram, identificamos que havia um claríssimo país do futebol: a Alemanha. O livro se chamaria: “Por que a Alemanha (e não o Brasil) é o país do futebol”. Faltava um ano para o 7 a 1.

Não escreverei o livro-que-não-escrevi aqui. Mas, simplificando, a Alemanha é o país do futebol por várias razões. Povo apaixonado e praticante do esporte, futebol inserido na sociedade, usado como forma de aproximação, integração e inserção social, campeonatos locais fortíssimos, ingressos acessíveis, estádios lotados, clubes financeiramente saudáveis, futebol de base tratado com o cuidado do de cima, busca do conhecimento teórico em todas as esferas dos esporte, formação de profissionais, seleção multicampeã em todas as categorias, inclusive futebol feminino.

O futebol alemão não tem brechas. Você não encontrará NENHUM outro futebol do mundo que atenda com glória todos os pontos acima, entre outros.

E, nesta quinta, com um time super renovado, cheio de caras novas, pensando muito mais na Copa do Mundo de 2022 do que na de 2018, a Alemanha passou por cima do México. 4 a 1. Vai disputar a final da Copa das Confederações contra o Chile.

E aí, será que “vamos” celebrar mais uma “talentosa geração da Alemanha”?

Mais uma? Que sorte eles têm, hein. É geração talentosa atrás de geração talentosa! Os que analisam assim são os mesmos, possivelmente, que diziam que “o problema da seleção brasileira é que a atual geração é ruim”. Incrível, ficou boa com Tite.

Não tem sorte e azar não, amigas e amigos. Tem trabalho. Planejamento. Responsabilidade. Tudo o que nós não temos em nosso combalido país quando se trata de futebol (a seleção é a exceção que, infelizmente, nubla o resto).

A Alemanha fabrica jogadores de futebol desde que revolucionou seu modo de ver a base, lá no ano 2000, após o fracasso naquela Euro. A consagração veio na Copa de 2014, a dos 7 a 1. O placar não refletia a diferença técnica entre Alemanha e Brasil. Mas refletia perfeitamente a diferença entre o futebol de lá e o daqui, como um todo. E segue refletindo.

Enquanto aqui no nosso Brasileirão vemos técnicos degolados, maratona de jogos, clubes quebrados, dirigentes atuando com a mesma racionalidade de torcedores em redes sociais, na Copa das Confederações vemos a Alemanha mandar um time B. Vemos a Alemanha pensando dois passos adiante. Descansando jogadores experientes e dando bagagem aos mais novos.

A Alemanha pode até perder a final de domingo para o Chile. Acho até que perderá. O Chile vive o melhor momento de sua história, tem uma geração campeã, de jogadores acima da média e que compreendem a importância desse título. O torcedor chileno (mais de 12 mil foram à Rússia) percebe o momento histórico, os jogadores também.

Mas o que importa?

Será que o futebol não é mais do que ganhar ou perder? Ninguém joga para perder, isso é básico, mas será que só importa mesmo vencer? Será que o que vale é vencer, não importam os meios? Não é mais bacana vencer sem a influência do acaso?

Nada do que acontece com o futebol da Alemanha é por acaso. Nem mesmo uma final com um time de vinte e poucos anos de média. Aliás, bom notar que a seleção sub-21 está na final europeia contra a Espanha. A Alemanha agregou talento, conhecimento, paixão a sua já conhecida mentalidade competitiva.

Sabem qual a imagem mais bacana da goleada sobre o México? Não, não são os gols de Goretzka, as boas defesas de Ter Stegen ou os dribles de Draxler. A imagem é o pênalti que Werner sofre ao ser empurrado por trás. Mas ele se recusa a cair, tenta fazer o gol e depois xinga o árbitro. A mentalidade é se dar bem por méritos próprios, não depender dos outros.

O futebol é muito dinâmico. Copas do Mundo são torneios curtíssimos, qualquer um pode ganhar ano que vem (meu favorito é o Brasil). Em pouco tempo, muitos países podem alcançar a Alemanha. Mas, hoje, eles estão dando um banho na concorrência, inclusive europeia.

A Alemanha segue dando aulas. Só não aprende quem não quer.


Eliminatórias da Copa: CR7 brilha e uma seleção vence após 13 anos
Comentários Comente

juliogomes

José Mourinho disse recentemente em entrevista ao repórter João Castelo Branco, da ESPN Brasil, que gosta de “futebol sério” e, portanto, adora as eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo e não perde tempo vendo as europeias. “A qualificação europeia é uma brincadeira, toda gente se qualifica. Há um abismo entre as seleções”.

Mas dizem também que não tem mais bobo no futebol. E, para surpresa de Mourinho e de quem mais tenha prestado a atenção, o bobo da sexta-feira foi a Hungria.

Um dia tradicional no futebol, finalista da Copa de 54, a Hungria talvez tenha encontrado um novo fundo do poço. Perdeu para Andorra, um Principado de menos de 100 mil habitantes encravado entre França e Espanha, nos Pirineus. Uma seleção formada por amadores.

Menos de um ano atrás, a Hungria empatava por 3 a 3 com Portugal pela Euro-2016, depois de estar três vezes na frente. Se perdesse, Portugal seria eliminado. Acabaria sendo campeão europeu.

A classificação para a Copa do Mundo da Rússia era mais complicada do que para a Euro, e a missão húngara não era fácil em um grupo B com Portugal e Suíça. Mas daí a perder para Andorra…

Para se ter uma ideia do feito, Andorra só havia vencido um jogo oficial em sua história, em 13 de outubro de 2004, quando fez 1 a 0 na Macedônia pelas eliminatórias da Copa-2006. Desde então, eram 3 empates e 63 derrotas em jogos oficiais.

Se contarmos amistosos, no entanto, estaremos nos deparando com a melhor Andorra de todos os tempos! :-) :-)

Afinal, em fevereiro deste ano ganhou um amistoso por 2 a 0 contra San Marino (sua primeira vitória desde o tal jogo de 2004). Em março, empatou sem gols com Ilhas Faroe pelas eliminatórias. E agora chega ao terceiro jogo de invencibilidade, amigos! O herói contra a Hungria foi Marc Rebes, o autor do gol da vitória no primeiro tempo.

Agora, nos últimos 13 anos, Andorra soma 2 vitórias, 7 empates e 80 derrotas. Parabéns, Hungria.

No mesmo grupo B, Portugal contou com dois gols de Cristiano Ronaldo e fez 3 a 0 na Letônia. Mas a Suíça ganhou por 2 a 0 nas Ilhas Faroe e segue líder. Os suíços têm 18 pontos, os lusos têm 15. A vaga direta para a Copa-2018 ficará mesmo para o duelo direto entre eles, em Portugal, em outubro.

Outros grupos

No grupo A, a França pressionou durante todo o segundo tempo, mas, em uma bobeada incrível do goleiro Lloris, aos 47min do segundo tempo, levou um gol de Toivonen de trás da linha do meio do campo. Vitória de virada da Suécia por 2 a 1.

Gol que deixa em situação delicadíssima a Holanda, apesar da goleada por 5 a 0 sobre Luxemburgo.

Suécia e França lideram com 13 pontos, enquanto a Holanda tem 10 e a Bulgária tem 9, após perder por 2 a 1 para os bielorrussos. Na próxima rodada, em agosto, a Bulgária recebe a Suécia, e a Holanda jogará a vida em solo francês. Se a Holanda não vencer na França e os suecos ganharem dos búlgaros (provável), a Oranje, que já ficou fora da última Euro, possivelmente perderá também a Copa-18.

Pelo grupo H, a Bélgica jogou para o gasto e fez 2 a 0 na Estônia, fora de casa. Com 16 pontos, os belgas têm folga na ponta, já que Bósnia-Herzegovina e Grécia ficaram no 0 a 0. Os gregos foram a 12 pontos, os bósnios a 11.

No outro jogo do grupo, a recém federada seleção de Gibraltar perdeu por 2 a 1 para o Chipre, levando gol aos 42min do segundo tempo. Teria sido o primeiro ponto de Gibraltar em um jogo oficial. Não foi, então agora são 18 derrotas em 18 partidas.

portu


Real Madrid é primeiro bicampeão da era Champions. Veja mais curiosidades
Comentários Comente

juliogomes

O Real Madrid conquistou a terceira Liga dos Campeões da Europa em quatro anos. Um domínio que não era visto desde os tricampeonatos de Ajax e Bayern de Munique, na década de 70 – quando o torneio tinha mesmo só campeões, não vários times fortes dos principais países.

Os 4 a 1 sobre a Juventus – que, antes desse jogo, havia tomado apenas três gols em 12 partidas no torneio – significaram a 12a conquista europeia do Real Madrid. Aqui vão alguns dados e curiosidades da Champions.

– O Real Madrid é o primeiro clube a ganhar dois títulos seguidos desde que a Champions League foi criada (substituindo a Copa dos Campeões), em 1992;

– O último bicampeão havia sido o Milan, em 89 e 90. Assim, Zidane torna-se o primeiro técnico a ganhar dois europeus seguidos desde o lendário Arrigo Sacchi;

– É a primeira vez desde 1958 que o Real Madrid consegue ser campeão europeu e espanhol na mesma temporada;

– O Real ganhou 12 das 15 finais que disputou, um incrível aproveitamento de 80%. Já são seis finais consecutivas vencendo;

– A Juventus, por outro lado, tem aproveitamento pífio em finais, com duas vitórias e sete derrotas – já são cinco seguidas depois do último título, em 1996;

– Campeã de tudo na Itália, a Juve perdeu a chance de conquistar uma tríplice coroa inédita. Entre italianos, só a Inter conseguiu, em 2010;

– O Real Madrid fez pelo menos um gol em todos os 60 jogos oficiais que disputou na temporada. A série histórica vem desde a temporada passada e já está em 65 partidas;

– Cristiano Ronaldo chegou a 600 gols na carreira (em 855 jogos) – 105 deles na Champions League, liderando a lista de artilheiros na história da competição;

– Com 12 gols, o português foi o artilheiro da Champions League pela quinta vez seguida e pela sexta vez em sua carreira – superando Messi, máximo goleador de cinco edições. Dos 12 gols, 10 saíram das quartas de final para frente;

– Cristiano Ronaldo torna-se o segundo homem (primeiro desde a criação da Champions) a fazer gols em três finais diferentes. Ele marcou também em 2008, pelo Manchester United, e em 2014. Alfredo di Stefano, outra lenda do Real Madrid, fez gols em cinco finais, consecutivamente entre 1956 e 60;

– Casemiro tornou-se o décimo brasileiro a marcar um gol em final de Champions League. O último havia sido Neymar, pelo Barcelona, em 2015, também contra a Juventus;

– Em apenas um ano e meio no cargo, Zidane já tem um currículo melhor como técnico do que como jogador do Real Madrid. Como técnico, ganhou cinco títulos: duas Champions, um Espanhol, um Mundial e uma Supercopa da Europa. Como jogador, também conquistou um Espanhol, um Mundial e uma Supercopa, mas apenas uma Champions.

 


O melhor da Europa? Aquele que tem Cristiano Ronaldo
Comentários Comente

juliogomes

Fazia muito tempo que uma final de Champions League não mostrava quem era o melhor da Europa. A deste sábado mostrou. O melhor time é sempre o time de Cristiano Ronaldo.

Dois gols na final, gols em três finais, quatro títulos europeus. O melhor do mundo.

A Juventus foi agressiva no início, como tinha que ser. Teve chances. Mas cedeu um contra ataque, Cristiano Ronaldo deu um passe perfeito para Carvajal, que devolveu também com perfeição. E aí veio aquela finalização de bilhar. 1 a 0.

Mas a Juve, brava, não desistiu. Foi para cima, empatou em um gol que poderia ter marcado o futuro de Navas no Real Madrid. Mandzukic tocou por cobertura e correu para o abraço. Fez o mais difícil. Achar um empate rápido.

No segundo tempo, no entanto, não teve jogo. Ou melhor. Teve jogo de um time só.

A Juventus não quis rifar a bola, tentava sair jogando, mas a marcação avançada do Real Madrid não só impedia essa estratégia como roubava rapidamente e criava situações de perigo.

O gol parecia questão de tempo. E foi. Saiu em chute de muito longe de Casemiro, que desviou em Khedira e matou Buffon, entrando no único buraquinho possível entre a mão dele e a trave.

A Juve sentiu o gol. Não sabia o que fazer. Seguiu tentando sair para o jogo desde a defesa. E, em um passe errado de Alex Sandro, Modric criou o cruzamento finalizado por (quem mais?) Cristiano Ronaldo.

Com 3 a 1, a final morreu. Ainda teve um quase gol de Alex Sandro. E a ridícula expulsão de Cuadrado, em um teatro de Sergio Ramos que foi a única coisa a se lamentar na atuação do Real Madrid. Depois, veio a jogadaça de Marcelo e os 4 a 1, dos pés do superpromissor Asensio.

A Juventus havia levado três gols em 12 jogos na Champions. Levou quatro do time que fez gols em TODOS os 60 jogos oficiais que fez na temporada.

O campeão dos campeões, o time que não perde finais, ganha a sexta seguida. A duodécima. terceira em quatro anos. O primeiro bicampeão da história moderna da Champions League. Contra uma Juventus que perde a quinta final seguida e vira, de vez, o oposto do Real. O time que não vence finais.

Ganhou o melhor da Europa. Ganhou o time de Cristiano Ronaldo.


Juventus x Real Madrid: Cinco chaves da final da Champions League
Comentários Comente

juliogomes

Há quem se apegue a curiosidades e tabus para “determinar” um favorito em uma final de campeonato. Freguesias, cor de camisa, datas.

Por exemplo. Você sabia que desde que a Copa dos Campeões virou a Champions League um clube italiano é campeão a cada sete anos? Em 96, foi a Juventus. Em 2003, o Milan. Em 2010, a Inter. Portanto, em 2017 só pode dar Juve, certo?

Por outro lado, você sabia que nas únicas duas vezes que o Real Madrid enfrentou a Juventus em campo neutro ele ganhou? E que, enquanto o Madrid é o clube de melhor aproveitamento em finais europeias, a Juve é o pior? Isso considerando quem jogou várias finais, claro, não só uma ou duas.

Esse tipo de informação é legal. Mas só se torna relevante mesmo se pesar coletivamente, se transformar em um fardo que, de fato, faça os jogadores atuarem abaixo do que podem devido à pressão. Que um tabu, uma “necessidade” de vitória entre na cabeça dos caras e afete o jogo. Não parece ser o caso neste Juventus x Real Madrid de jogadores tão experientes. Então vamos às chaves táticas da grande decisão deste sábado.

1- Brasileiro x brasileiros

Daniel Alves x Marcelo. Não é novidade para ninguém, certo? Um duelo que já ocorreu muitas vezes nos confrontos entre Barcelona e Real Madrid. Pelo Barça, Daniel enfrentou o Real 27 vezes, com 14 vitórias e 7 derrotas. Se somarmos os anos de Sevilla, foram 22 vitórias em 42 jogos. Ou seja, teve mais sucessos do que fracassos. Daniel Alves é uma das chaves da partida, seu espírito é contagiante e a experiência é muito importante. Quem vai pará-lo? Se Marcelo tiver essa atribuição, ficará comprometida uma importante saída de jogo do Real Madrid com ele pela esquerda. Possivelmente o trabalho sobre muitas vezes para Casemiro, um jogador que flertou com expulsões em vários momentos da temporada. Casemiro e Marcelo precisam parar Daniel Alves para o Real Madrid aumentar suas chances.

2- Agressividade

O Real Madrid faz gols consecutivamente há 64 jogos – todos os 59 da temporada atual e 5 ainda da temporada passada. Se tem algo que ficou claro nos últimos anos é que times que esperaram o Real Madrid pagaram o preço (como o Atlético de Madri). Uma das chaves para a Juventus é tomar as rédeas do jogo e mostrar a mesma agressividade que mostrou nos jogos de ida contra Barcelona e Monaco, outros times de ataque muito poderoso. Construir jogo, tentar aproveitar as falhas defensivas do Real, buscar o gol e não ficar apenas esperando uma boa chance de contra ataque.

 

3- Batalha no meio de campo

Tudo indica que Isco será mesmo titular e Bale começará o jogo no banco de reservas. Boa notícia para o Real Madrid, que foi um time muito mais equilibrado na temporada com o losango no meio – Casemiro no vértice de baixo, Modric pela direita, Kroos pela esquerda, Isco no topo. O desenho deu mais consistência defensiva, com os volantes ajudando na cobertura sem abrir buracos no meio. A Juventus não tem um volante do tipo Casemiro. Como Pjanic e Khedira conseguirão cortar essas linhas de passe? Como Dybala será municiado? Como sempre, no futebol de alto nível, quem ganhar a batalha do meio de campo terá grandes chances de ganhar o jogo.

4- Duelos individuais

Jogos muito equilibrados costumam ser desequilibrados de duas maneiras: arbitragens ou vitórias nos duelos individuais. Literalmente, um jogador superando o outro. Subindo mais para o cabeceio, dando um drible, se antecipando, aproveitando um erro alheio, enfim. Cristiano Ronaldo e Benzema destruíram o Atlético de Madri na semifinal ganhando os duelos individuais. Conseguirão também contra Chiellini, Bonucci e Barzagli? O mesmo vale para o outro lado. Higuaín e Mandzukic contra Sergio Ramos e Varane.

5- Primeiro gol

Viradas são muito raras em finais. Tão raras que basta puxar na memória para nos lembrarmos delas. Aqueles 2 a 1 do Barcelona sobre o Arsenal em 2006, com gol de Belletti no finalzinho. Ou os dois gols nos acréscimos do Manchester United sobre o Bayern de Munique, em 99. O Real Madrid ganhou do Atlético de virada, em 2014, mas na prorrogação e em circunstâncias especiais (empate aos 48min do segundo tempo, esgotamento físico e emocional do adversário). Há um certo consenso de que quem marcar primeiro terá muito mais do que meio caminho andado, daí a importância de entrar em campo a 110 por hora.

 

Com esse post, concluímos uma semana cheia de informações sobre Juventus e Real Madrid aqui no blog. Abaixo, encontre links para ler mais. Agora é esperar por um jogo sem erros importantes de arbitragem e que nos mostre, afinal, quem é o melhor da Europa.

Três razões para acreditar na Juventus. E três para crer no bi do Real Madrid

Buffon e Zidane: dois momentos históricos em que os caminhos se cruzaram

“Zidane virou um grande na Juventus, só faltou a Champions”

Como a final de 98 mudou os destinos de Real Madrid e Juventus

Real e Juventus campeões nacionais. Agora só falta saber quem é melhor

 


Três razões para acreditar na Juventus. E três para crer no bi do Real
Comentários Comente

juliogomes

A final da Liga dos Campeões, sábado, será a primeira em muitos anos que realmente apontará quem é o melhor time da Europa. Um tira-teima entre os dois melhores da temporada. A Juventus, campeã italiana e da Coppa Itália, tenta a tríplice coroa inédita. O Real Madrid tenta ser campeão espanhol e europeu pela primeira vez desde 1958.

Os dois gigantes têm motivos de sobra para acreditar que podem levantar a “orelhuda” em Cardiff, no País de Gales. Aqui, o blog aponta os três principais.

TRÊS RAZÕES PARA ACREDITAR NA JUVENTUS

1- Melhor defesa do mundo

Dizem que ataques ganham jogos, defesas ganham campeonatos. O sistema defensivo da Juventus começa pelos atacantes e a pressão que exercem lá na frente, o que já virou praxe no futebol mundial. E acaba em uma verdadeira muralha. Buffon, melhor goleiro das últimas duas décadas, talvez da história, e a seguríssima linha de zaga formada por Chiellini e Bonucci, talvez com Barzagli acompanhando pela direita. Na atual campanha na Champions, a Juve sofreu três gols em 12 jogos – o único sofrido no mata-mata foi na semifinal contra o Monaco, com a eliminatória já decidida.

2- O fator Daniel Alves (e a fome)

Ele quase foi para a China. Mas resolveu ficar no futebol de alto nível e chegou a Turim dizendo que queria ajudar a Juventus a ganhar uma Champions League. Foi o principal nome da semifinal contra o Monaco, atuando em uma posição mais avançada pela direita – que deve se repetir no sábado. Se for campeão da Champions (seria a quarta), Daniel Alves chegará a 36 títulos na carreira, se igualando ao galês Ryan Giggs, multicampeão no Manchester United.

Aliás, depois de lerem o resto desse post, voltem, cliquem aqui e leiam um texto para a história publicado nesta semana por Daniel Alves. Quem não chorar é porque tem coração de pedra. Com esse texto maravilhoso, Daniel nos mostra como a fome de vencer impulsiona jogadores profissionais. Assim como ele, a Juventus tem muitos jogadores no elenco querendo provar algo para o mundo.

3- Histórico recente contra o Real

É verdade que o histórico aponta oito vitórias para cada lado e na única vez que se enfrentaram em uma final europeia, em 1998, deu Real Madrid. Mas, de lá para cá, a Juventus vem dominando os duelos contra o rival espanhol. Saiu vencedora de confrontos eliminatórios em 2003 (semi), 2005 (oitavas) e 2015 (semi). Este último, dois anos atrás, tinha muitos jogadores que estarão em campo no sábado do lado do Real Madrid. Oito titulares que atuaram na volta (empate no Bernabéu) jogarão a final de Cardiff, ou seja, é essencialmente o mesmo time. Por parte da Juve, somente o eixo defensivo repetirá.

TRÊS RAZÕES PARA ACREDITAR NO REAL MADRID

1- O ataque que não falha

O Real Madrid fez pelo menos um gol em todos (isso mesmo, você leu direito, TO-DOS) os jogos que disputou nessa temporada. Foram 169 gols em 59 partidas. Considerando a temporada passada, a sequência histórica já está em 64 jogos. O Real não passa em branco desde abril do ano passado. Quando um time já entra em campo com a certeza de meter pelo menos uma para dentro, quem coça a cabeça é o adversário.

2- O Real não perde finais

Todos sabem que o Real Madrid é o maior campeão europeu de todos os tempos, já são 11 troféus de Copa dos Campeões e Champions League. Uma das razões para isso é o incrível aproveitamento de 78% nas decisões. É aquela história: “deixou chegar…”. Ninguém tem percentual tão alto – exceto alguns clubes que ganharam todas as finais que jogaram, mas nunca disputando mais do que duas. O Real é o recordista de decisões, chegou a 14. A última derrota veio em 1981, para o Liverpool. De lá para cá, cinco decisões, cinco canecos. Já a Juventus, pelo contrário, ganhou duas de oito. O aproveitamento de 25% em decisões europeias é o pior entre todos os que já ganharam o título alguma vez.

3- O equilíbrio encontrado com Isco

Foi necessária a série de lesões e recaídas de Bale para Zidane encontrar o time ideal. E que aparentemente será mantido para a decisão, consideradas as declarações do próprio Bale durante a semana. Apesar de Zidane ter batido o pé ao longo da temporada (“no trio de ataque não se mexe”), o fato é que o time ficou mais equilibrado com Isco no topo do losango do meio de campo. Cristiano Ronaldo e Benzema passaram a atuar mais próximos e receber mais bolas limpas. A presença de Isco desafogou de Kroos e Modric a responsabilidade única de municiar o ataque e criou inúmeras linhas de passe a mais. Com essa formatação, o Real passou a se impor nos jogos e depender menos de bolas paradas, chuveirinhos e vitórias arrancadas nos minutos finais, que vinham sendo regra na temporada.

 


Buffon e Zidane: dois momentos históricos em que os caminhos se cruzaram
Comentários Comente

juliogomes

Gianluigi Buffon e Zinedine Zidane. Dois nomes históricos do futebol europeu se reencontrarão neste sábado, na final da Liga dos Campeões da Europa.

Buffon tem a chance, talvez derradeira, de conquistar o título interclubes mais importante, aquele que falta em sua brilhante carreira. Zidane, completando sua primeira temporada completa como treinador de futebol, pode ser o primeiro homem em quase 30 anos a ganhar o título europeu duas vezes seguidas.

Não será a primeira vez que se cruzarão os caminhos das duas lendas. Houve outros dois momentos históricos. E outros de menos peso, mas ainda assim dignos de recordação.

Um talvez seja mais fácil de lembrar. Final da Copa do Mundo de 2006, em Berlim. O último jogo da carreira de Zidane como jogador de futebol, aos 34 anos de idade. França e Itália empataram por 1 a 1, e a Itália levou a melhor nos pênaltis, conquistando o tetracampeonato mundial.

A última imagem de Zidane como jogador foi a cabeçada em Materazzi, expulso em seu último jogo como profissional e logo na final da Copa. Antes disso, porém, ele havia superado Buffon em uma cobrança de pênalti com cavadinha. Mas Buffon deu o troco na prorrogação, fazendo uma defesaça e evitando um gol de Zidane que poderia ter sido o do título francês.

O outro momento histórico em que a vida dos gênios esteve interligada é menos lembrado – mas não menos importante.

Foi justamente a venda de Zidane da Juventus para o Real Madrid em 2001, então a mais cara da história, por 77 milhões de euros, que permitiu ao clube italiano contratar Buffon. A Juve pagou 53 milhões de euros ao Parma, no que é até hoje o maior valor desembolsado por um goleiro na história.

Aliás, com o dinheiro recebido por Zidane a Juventus não só tirou Buffon, mas também o lateral francês Thuram do Parma. E tirou Pavel Nedved da Lazio (ambos por aproximadamente 40 milhões de euros cada). Essas três eram as três contratações mais caras da história da Juventus, até os 90 milhões de euros pagos por Higuaín no ano passado.

Com Buffon, Thuram e Nedved, a Juventus recompôs com glória a perda de Zidane. Chegou novamente à final da Champions (perdeu para o Milan nos pênaltis, em 2003) e Nedved ganhou a Bola de Ouro naquele mesmo ano. Jogou no clube até se aposentar, em 2009, e hoje é membro da diretoria da Juve, ou seja, transformou-se em um nome histórico da Velha Senhora.

No caminho até a final de 2003, a Juventus, de Buffon, derrotou o Real Madrid, de Zidane, na semifinal. Dois anos depois, em 2005, a Juve voltaria a eliminar o Real na Champions, desta vez nas oitavas de final. Portanto, o Zidane jogador de futebol era freguês de carteirinha de Buffon.

Mas, sábado, em Cardiff, Zidane estará no banco de reservas. E Buffon, como nos últimos 16 anos, defendendo o gol da Juventus.


“Zidane virou um grande na Juventus, só faltou a Champions”
Comentários Comente

juliogomes

Poucos jogadores podem presumir de estar na lista dos maiores de dois dos clubes mais poderosos do mundo. Zinedine Yazid Zidane é um deles.

Um dos maiores jogadores da Juventus. Um dos maiores jogadores do Real Madrid. Dois clubes que fazem neste sábado a final da Liga dos Campeões da Europa, em Cardiff.

Hoje, Zidane é técnico do Real Madrid e tenta se tornar o primeiro homem desde Arrigo Sacchi (Milan 89-90) a se tornar campeão europeu por dois anos seguidos. Aliás, o Real Madrid tenta também ser o primeiro clube a ser rei da Europa por dois anos seguidos desde a criação da Champions League moderna, em 1992.

O francês é o nome próprio da final antes de a bola rolar. Se for campeão novamente com o Real, irá tirar da Juventus o título que ele mesmo não conseguiu dar.

A Juve era campeã europeia quando, no meio de 1996, foi buscar Zidane, então com 24 anos, no Bordeaux. O clube chegou a mais duas finais europeias, em 97 e 98, já com Zizou no time, mas perdeu ambas.

“Zidane chega depois da Euro 96 e logo demonstra um grande valor, vira um ponto de referência para o time. Ele virou um grande com a camisa da Juventus”, contou ao blog o jornalista Alberto Cerruti.

Cerruti escreve para a “Gazzetta dello Sport” há mais de 40 anos, é um dos jornalistas mais respeitados da Itália, uma referência, e acompanhou de perto a saga europeia daquela Juventus.

“Na Juve, ele cresce do ponto de vista tático. Passou a jogar para o time, fazer sacrifícios, pela primeira vez entende que podia virar um líder. Depois vieram os sucessos com a seleção francesa, Mundial de 98 e Euro 2000, virou um grande orgulho para a Juventus ter um campeão em seu elenco”, conta Cerruti.

“Os dois maiores da história da Juventus são Platini e Del Piero. Mas Zidane está no top 5 de qualquer torcedor. Sempre foi uma estrela. Só faltou mesmo ganhar a Champions.”

Na final de 97, a Juve foi derrotada pelo Borussia Dortmund de forma surpreendente. No ano seguinte, perdeu justamente para o Real Madrid, em Amsterdã. Zidane participa de algumas jogadas de bola parada, mas não faz uma de suas melhores partidas com a camisa juventina.

“Foram duas finais estranhas”, lembra Cerruti. “A Juventus era favorita, mas jogou mal as duas finais. Del Piero era a estrela principal, Zidane era um dos pilares do time, mas não o principal nome. Nunca foi indicado como culpado, não ficou com fama de perdedor nem nada do tipo. Em 98, no gol da vitória do Real Madrid, Mijatovic estava em posição de impedimento. E o time não conseguiu buscar, não parecia a Juventus.”

Em 2001, Zidane foi vendido ao Real Madrid por 77 milhões de euros – na época, a maior transferência da história do futebol.

Logo em sua primeira temporada, Zidane conquistou, finalmente, sua única Champions League como jogador. Com direito a um gol antológico na final em que o Real Madrid venceu o Bayer Leverkusen, em 2002.

“Ele tinha mulher espanhola, queria ir para a Espanha e foi uma grande oferta econômica. Ganharam todos com a troca. Ele saiu bem, não saiu como um traidor ou qualquer coisa do tipo. Até hoje é muito ligado à Juventus, tem casa em Turim. Talvez, naquele momento, tenha entendido que com o Real Madrid seria mais fácil, tivesse mais possibilidades de ganhar a Champions League. O futebol espanhol tem até hoje mais espaço, menos defensivismo, ele se encontrou muito bem logo de cara. E fez aquele gol maravilhoso na final de 2002”, lembra Cerruti.

Hoje, Zizou é “professor”. Em um ano e meio no cargo, já conquistou Champions, Mundial e Liga espanhola com o Real Madrid. Ainda é visto com ressalvas por muitos analistas. Não pelo italiano.

“Pensam que é fácil vencer no Real Madrid, mas não é bem assim. Ele mudou o time, colocou Casemiro, deixou James Rodríguez fora, teve coragem, não fez o time que o presidente (Florentino Pérez) queria. Sem Bale, fez Isco jogar, demonstrou ser um grande treinador. Tem muito carisma dentro do vestiário e entendeu a tranquilidade de Carlo Ancelotti, que foi seu técnico da Juventus e com quem trabalhou depois no Real. O treinador Zidane ainda é subvalorizado”, analisa Cerruti.

E quem vai ganhar a final de sábado?

“A Juventus é mais forte, mais completa. Precisa ter determinação e agressividade, deixar de lado esse complexo de perder finais. Se esperar o Real Madrid e não atacar, pode pagar o preço. Essa é uma final que será vencida por quem marcar o primeiro gol. Não vejo a Juventus conseguindo uma virada. Precisa entrar convencida e buscando a vitória desde o primeiro minuto”.

Se conquistar o título europeu, será a primeira vez da Juventus desde 1996. Já são 21 anos de fila. Naquela final perdida para o Real em 98, Zidane utilizava justamente a camisa 21.

O blog agradece à atenção de Alberto Cerruti. Um grande.