Blog do Júlio Gomes

Arquivo : Neymar

Panelinha de brasileiros em clube europeu é uma faca de dois gumes
Comentários Comente

Julio Gomes

Eu trabalhava como correspondente na Europa, bem perto de Real Madrid e Barcelona, acompanhando os dois gigantes quase diariamente. Coincidentemente (ou não), ambos eram recheados de brasileiros.

No Real Madrid, no meio do entra-e-sai, estavam Luxemburgo (e comissão técnica), Roberto Carlos, Ronaldo, Cicinho, Júlio Baptista, Emerson, Robinho, Marcelo. No Barcelona, estavam Ronaldinho, Deco, Edmilson, Belletti, Sylvinho, Thiago Motta.

Tínhamos ali dois exemplos opostos de como ter muitos brasileiros no elenco de um gigante europeu pode dar muito certo ou muito errado.

No Real Madrid, formou-se a panelinha. Só que havia outras panelinhas dentro do clube, essencialmente um núcleo duro de jogadores espanhóis e profissionais do clube (médicos, diretores, etc). O conflito estava desenhado antes mesmo de Luxemburgo colocar os pés na capital.

No Barcelona, não parecia haver uma separação do tipo “brasileiros aqui, catalães para lá”. Eles se mesclaram, se fundiram. Não dava para chamar de panelinha.

Talvez os momentos e personagens explicassem ter dado errado no Real, certo no Barça. O Real vinha de títulos grandes, os jogadores já eram consagrados e parte da história do clube. Então que palhaçada era aquela de chegarem esses brasileiros querendo fazer e acontecer por aqui? Roberto Carlos era o elo entre o passado e o então presente, mas talvez não tenha sido capaz de fazer dar liga entre os grupos.

Foi a era dos Galácticos. Os fracassos não vieram só por causa dos brasileiros, claro que não. Mas o fato de não ter havido química certamente não ajudou.

Quando alguns deles saíram e poucos ficaram, obrigados a “entrar na linha”, o clube foi bicampeão espanhol (2007 e 2008).

Já o Barcelona era um clube em depressão em 2003, em um momento esportivo terrível, e tudo mudou com a chegada de Ronaldinho. Outros brasileiros já haviam feito sucesso no clube, havia e há uma química interessante entre Catalunha e Brasil. Existia boa vontade, uma boa vontade que não havia em Madri. Puxado por Ronaldinho, Barcelona começou a sorrir e a ganhar, então o próprio grupo de jogadores do clube via a turma brasilina com ótimos olhos.

Uma panelinha de brasileiros em clube grande europeu só dá certo se houver química e condescendência por parte dos outros jogadores e do técnico da vez. Até porque a maioria dos brasileiros (estou generalizando, falando de “maioria”, não de totalidade) não faz tanta questão de se misturar e de se adaptar. Gostam de levar o Brasil para a Europa, na forma de “parças”, comida, CDs de música.

Aí, chegamos ao Paris Saint-Germain da atualidade (ler essa notícia do UOL Esporte).

Não parecia haver tanto problema quando estavam lá veteranos como Thiago Motta, Maxwell (que parou), Thiago Silva, um jovem Marquinhos, outro jovem, Lucas.

Mas, quando chegam Neymar e vem um cara como Daniel Alves, um veterano e que foi a Paris apenas e tão somente para acompanhar Neymar e “ganharem tudo juntos”, o cenário muda. Ainda mais porque, com as contratações de Neymar e Mbappé, o resto do elenco todo passou a estar automaticamente à venda. E ninguém fica feliz ao ser oferecido por aí, jogado ao mercado.

Não havia muitas dúvidas de que a turma de brasileiros não estaria no topo da lista de “vendáveis”, exatamente para não incomodar o grupo. E, quando isso aconteceu com Lucas, os outros não gostaram muito.

Para piorar a situação, o resto do elenco tem uma quantidade considerável grande de argentinos e uruguaios, que formam outro tipo de panelinha. E um técnico que não tem o estilo “paizão”.

Foi interessante quando Muricy Ramalho disse, recentemente, em meio à polêmica Neymar-Casagrande, que o fato de o treinador espanhol Unai Emery não ser muito “amigão” dos jogadores estar atrapalhando as coisas.

De fato, Emery e a grande maioria dos treinadores europeus não precisam ser “paizões”. Luiz Felipe Scolari não deu certo no Chelsea, entre outras coisas, porque o estilo “paizão” era visto por outros jogadores com desdém. O jogador de futebol europeu, com bases educacionais e familiares mais sólidas (por serem provenientes de países mais desenvolvidos), não fazem muita questão desse tipo de relacionamento.

Mas os brasileiros, sim. O fato de a relação Emery-brasileiros ter ido para o vinagre fala mais (mal) sobre os brasileiros do que o técnico, no meu ponto de vista. Agora, sabedor do que viria pela frente e do que cairia em seu colo, o técnico também deveria ter tido mais jogo de cintura. Viver em enfrentamento com uma panelinha de jogadores brasileiros bons e caros era e é uma burrice. O lado fraco da corda é ele, o treinador. E, ao barrar Thiago Silva do jogo de quarta, ele declarou guerra.

Jogadores brasileiros são bons. Em regra, acima da média. Não à toa são maioria da Liga dos Campeões.

Mas juntá-los é uma faca de dois gumes. Pode dar muito certo, como já deu em vários lugares. Pode dar muito errado, como parece que vai dando no PSG.

Talvez o ideal seja ter alguns brasileiros, mas com parcimônia. Um ou dois “craques” ou titulares, mais um ou dois jogadores de grupo, para fazer companhia. Um modelo que já deu muito certo em muitos lugares.

Emery parece condenado no PSG. Qual a solução? Certamente não é desfazer a panelinha de brasileiros, agora que já está formada. Muito mais fácil mandar o cara embora, até porque ele não é unanimidade em Paris.

Um Carlo Ancelotti, que está dando sopa no mercado, um Tite. Enfim, alguém que seja capaz de falar a linguagem dos brasileiros, sempre sedentos por um carinho, uma palavra amiga.

 


Neymar pai e filho deveriam ouvir Casagrande, em vez de atacá-lo
Comentários Comente

Julio Gomes

A polêmica da semana, para variar, é com Neymar. Para quem não acompanhou, foram dois movimentos. Depois do jogo entre Real Madrid e PSG, Walter Casagrande Jr criticou a postura do jogador, em sua participação no programa Redação Sportv. Vídeo aqui. Mais tarde, sem citar nomes (nem precisava), o pai de Neymar publicou isso aqui no Instagram.

 

Eu apenas coloquei as duas posições na minha conta do Twitter. Para não dizer que não usei adjetivos, chamei as colocações de Casagrande de “pertinentes”. E a resposta de Neymar pai de “patética”. Choveram comentários e é possível que tenham sido na ordem de meio a meio.

Uma coisa é fato. Neymar desperta amor e ódio. Tem gente que adora o cara, o jogo dele, o jeito e não atura ouvir qualquer crítica. Tem gente que detesta e se nega a elogiar. Quem gosta de Neymar, tem certeza absoluta que a mídia “persegue” o rapaz. Quem não gosta, diz que a mídia “passa a mão na cabeça” dele.

Primeiro, a mídia, assim como torcedores, ex-jogadores, etc, é formada por gente em carne e osso. Cada um tem sua opinião, cada um faz sua análise e chega a conclusões. Na mídia, existe a mesmíssima divisão que há entre as pessoas que acompanham e vivem futebol, mas não estão com microfone em mãos. Tem quem ame, tem quem deteste.

Eu, por exemplo, me considero uma pessoa no meio do caminho. Gosto muito do jogo de Neymar, acredito que ele seja um genuíno craque, que já está na lista de 10 maiores jogadores brasileiros de todos os tempos. Isso mesmo.

No entanto, sou crítico em relação a algumas posturas dele, especialmente dentro de campo, e acho que ele pularia para um degrau mais alto se ele melhorasse em alguns aspectos mentais e tomasse algumas decisões mais inteligentes em jogos grandes. A tomada de decisões é o que diferencia, por exemplo, Messi de Neymar.

Quando digo que sou crítico a algumas posturas, não estou falando de Instagram nem de festança de aniversário. Falo de posturas no jogo mesmo, com algum individualismo, algum desrespeito por rivais, algum desdém, alguma animosidade com toda a mídia, que, a meu ver, sobram. Ele deveria ser maior que isso.

Quando Casagrande fala que Neymar está sendo muito mimado, ele acerta em cheio, a meu ver. Sobre a postura em campo, por exemplo, nas jogadas com Cavani, já não concordo muito.

O que não gosto da polêmica gerada nesta semana é quando os defensores de Neymar passam ao ataque. Desqualificando Casagrande por seus problemas do passado com as drogas. Casagrande merece ser aplaudido pela maneira aberta e transparente como lidou com um problema pessoal, até para servir de exemplo para tantas outras famílias que sofrem do mesmo mal. Chamá-lo de “cheirador” acrescenta zero ao debate sobre Neymar. Zero.

Mostra apenas o nível baixíssimo das pessoas quando têm suas ideais confrontadas. Parece que se sentem ameaçadas. Mas deixemos os comentários sobre a psique humana para quem sabe mais disso do que eu.

E quando o pai de Neymar se manifesta chamando Casagrande de “abutre” me parece extremamente agressivo e desproporcional.

“Em uma “guerra” há os que se alimentam de vitórias e há os que, como os abutres, se alimentam da carniça dos derrotados. Nada fazem, nada produzem, vivem do brilho ou, com mais frequência, de momentos difíceis de suas “presas”. Foi o que escreveu Neymar pai.

Quem é mesmo que “vive do brilho dos outros”? cri, cri, cri….

E tem mais. Que história é essa de guerra?? É isso que está virando o Brasil. Tudo é guerra, tudo é enfrentamento. Se você faz uma crítica, é inimigo e precisa ser combatido. É um binarismo inacreditável, surreal.

Não sou advogado de Casagrande. Mas a crítica dele é analítica. É uma análise do jogo de Neymar e da postura dele como jogador protagonista da seleção brasileira, além de ser o mais caro da história do futebol.

Na análise de Casagrande, Neymar atua em campo com uma mentalidade individualista. E ele não gostaria que isso acontecesse na Copa do Mundo, pelo bem da seleção brasileira.

Esta mentalidade individualista, a meu ver, é parte integrante do futebol brasileiro. Foi, em grande parte, razão do nosso sucesso. Mas, hoje, é razão do fracasso. O jogo mudou. Hoje, ele é mais coletivo do que nunca. E o individualismo precisa estar a serviço do coletivo para, aí sim, marcar diferenças.

O que Casagrande diz é que Neymar joga um jogo em que o coletivo precisa estar a serviço do individualismo (dele). E esta é uma inversão de lógica inaceitável. A soma de atitudes, gestos, falas, etc, de Neymar fazem com que ele chegue a esta conclusão. Me parece uma opinião lícita.

Como lícita foi a opinião de Muricy Ramalho no mesmo Sportv, ex-treinador dele no Santos, dizendo que Neymar não é mimado, é super profissional, dedicado, etc. Tite fala a mesma coisa. Aliás, é nítido que Tite entende como ninguém que sua grande missão é trazer o individualismo do jogador brasileiro para serviço do coletivo. Só assim o hexa será conquistado. E ele parece estar tendo êxito na missão, inclusive pela postura que Neymar mostra quando joga com a seleção, bem diferente da postura que vem mostrando no PSG.

Eu não acho que ser mimado e ser super profissional sejam coisas excludentes. Me parece claro que Neymar não teria atingido o nível estratosférico que atingiu não fosse um jogador profissional, preparado e dedicado. Dedicado até que ponto? Mais ou menos que Cristiano Ronaldo? Mais ou menos que Ronaldinho Gaúcho? É difícil dizer. Podemos deduzir, observar, mas creio que ninguém tenha tal certeza. Nem mesmo os envolvidos, pois não estão na pele do outro.

Agora, só porque é profissional não é mimado?

O que é ser mimado, afinal? Na minha opinião, a pessoa mimada é aquela que tem dificuldades em aceitar um não como resposta, pois sempre tiveram a sua volta pessoas dispostas e disponíveis a cumprir seus desejos.

Eu, caçula e temporão, sou uma pessoa mimada. Não teria por que fazer a auto análise aqui neste post mas… por que não? Já tive e tenho muitas dificuldades na vida por me sentir contrariado. É uma barreira a ser superada. E isso não me impede de ser profissional, dedicado, ético, correto, etc.

Ninguém é 100% perfeito, ninguém é 100% imperfeito.

A impressão que a resposta de Neymar pai passa (corroborada a mim por outras pessoas mais próximas, não citarei nomes) e que as atitudes de Neymar filho, pai e staff passam é que Neymar nunca será contrariado pelas pessoas a sua volta.

É muito difícil imaginar que, depois do jogo contra o Real Madrid, alguém vá chegar perto dele e falar. “Ney, você errou nesse lance, naquele, naquele outro, poderia ter passado aqui, chutado ali, tomado outra decisão”.

Muricy deu a dica no Sportv. “Ele gosta de ser contrariado, confrontado”. Não duvido. Mas será que isso está acontecendo e tem acontecido nos últimos anos? Muricy não convive mais com ele para saber.

Mais, para apimentar o debate. Isso é função do técnico?

Sem dúvida. Mas pense no quão difícil é a posição de um técnico nesta relação com uma estrela como Neymar, rodeada de gente envenenando sua cabeça sobre os outros profissionais a sua volta. Será que “staff” Neymar fala bem ou mal de Emery, Cavani, etc para ele? Será que fazem contrapontos? Ou será que falam o que Neymar quer ouvir?

O que vocês acham?

Eu acho que as pessoas mais próximas a ele, que são as que deveriam ser constantes antagonistas, apenas fazem passar a mão na cabeça e falar o que ele quer ouvir. E a resposta agressiva e desmedida de Neymar pai a Casagrande são praticamente uma comprovação disso.

Foram muitos os jogadores e, principalmente, treinadores, que adotaram essa postura de enfrentamento. Que consideravam que o mundo estava contra eles, que havia uma gigantesca conspiração dos invejosos de plantão. Invariavelmente, essas pessoas fracassaram no próprio mar de ódio que geraram.

Nada na vida é melhor do que um choque de realidade de tempos em tempos. É duro na hora, mas faz um bem danado depois. Se eu fosse Neymar, ouviria e absorveria melhor as críticas. Isso aqui não é guerra. É apenas o jogo. O jogo que ele escolheu jogar muito tempo atrás.

 

 


Asensio deixa o projeto PSG contra a parede
Comentários Comente

Julio Gomes

O PSG fez quase tudo certo durante quase todo o tempo. Mas o Real Madrid é o Real Madrid. E, se de um lado alguns gols foram perdidos, do outro eles foram feitos.

Os 3 a 1 do Real Madrid no Bernabéu não acabam com a eliminatória. É claro que o PSG pode ganhar por 2 a 0 ou mais em Paris. Mas, convenhamos, é o atual bicampeão europeu quem tem o comando da disputa pela vaga nas quartas de final.

O projeto bilionário do PSG está contra a parede. Não é exatamente o plano gastar toda essa grana para conquistar torneios domésticos e ser eliminado nas oitavas de Champions.

Quando o Paris Saint-Germain melhor jogava, quando parecia que o time de Neymar faria o segundo gol, entrou Asensio. 22 anos de idade. Já conhecido por quem acompanha mais de perto o futebol europeu, mas não de tanta gente que fica restrita ao futebol local. O menino simplesmente acabou com o jogo – olho nele, que pode explodir de vez na Copa.

Em pouco mais de 10 minutos em campo, Asensio fez as jogadas dos dois gols que decretaram a virada e a vitória do Real Madrid.

Neymar jogou bem, ainda que tenha tomado um cartão amarelo bobo e perdido algumas chances de gol. Daniel Alves, restrito à defesa no primeiro tempo, foi importantíssimo para o domínio do PSG no segundo. Marquinhos fez uma partida impecável – que Thiago Silva tenha sido deixado no banco é uma notícia e tanto. Quem confia no homem?

O técnico Unai Emery foi bem também – falarei disso mais para frente. Colocando-se no lugar do torcedor do PSG, é difícil entender por onde veio o trem branco que passou por cima e gerou esse resultado.

Mas ele veio na forma de Asensio e os dois gols de Cristiano Ronaldo, apesar de alguns outros perdidos.

A escalação do PSG, sem um volante de origem, foi ousada. Incrível que um elenco milionário como este tenha para jogar de 5 apenas Thiago Motta, um jogador com a carreira marcada por lesões. Foram desenterrar Lass Diarra no mercado de inverno, mas seria bizarro colocá-lo em um jogo como este.

Sobrou para o jovem argentino Giovani Lo Celso, 21 anos apenas. Não foi uma escalação inédita, mas uma coisa é ter Lo Celso por ali em partidas do Francês, em que o PSG domina completamente e o adversário mal passa do meio de campo. Outra coisa é jogar assim no Santiago Bernabéu. Lo Celso acabaria cometendo um erro grave, no gol de empate, típico de quem tinha que fazer o que não sabe.

Zidane optou por Isco no meio de campo. E, como se esperava, o Real Madrid dominou o setor e o jogo nos primeiros 10 minutos.

Mas o PSG conseguiu, pouco a pouco, controlar as ações. Rabiot, que foi o melhor em campo, Verratti e Lo Celso passaram a ditar o ritmo do jogo, sem chutões. E, consistentemente, encontraram Neymar pela esquerda. Ele chegou a ter algumas bolas em 1 contra 1 para cima de Nacho, um lateral que na verdade é um zagueiro.

Se de um lado Neymar teve duas bolas em que recebeu em velocidade, trouxe para o meio e tomou as decisões erradas, do outro lado Cristiano Ronaldo perdeu dois gols que não costuma perder e ainda bateu mal uma falta que seria “meio gol” em outros pés – inclusive os dele.

Até que, quando finalmente trocou de lado e avançou pela direita, o PSG viu uma boa jogada de Mbappé acabar em gol. O cruzamento sobrou para Rabiot, que finalizou livre enquanto Modric só assistia.

O PSG era superior em campo, jogando com personalidade e com muita obediência tática. Não víamos o Neymar anárquico de alguns jogos e, sim, o Neymar jogando como rende melhor. Pela esquerda, com liberdade para flutuar.

O Real Madrid achou o empate no final do primeiro tempo, em uma infantilidade de Lo Celso, que agarrou o pescoço de Kroos na área. Cristiano Ronaldo bateu bem e fez seu gol número 100 pelo Real Madrid em Champions League.

O segundo tempo começou melhor para o Real Madrid. Casemiro, Modric, Kroos e Isco passaram a fazer valer a maioria no meio de campo, e o time da casa tinha o jogo sob controle, ainda que sem grandes chances de gol.

Foi aí que Unai Emery mudou o jogo. Com uma substituição suspeita, no papel, e ótima taticamente, na prática. A entrada do lateral Meunier no lugar de Cavani. O futebol é maravilhoso também por isso. Uma substituição que parecia defensiva, com 1 a 1 no placar, deixou o PSG muito melhor em campo.

Daniel Alves, que estava em campo apenas para impedir os avanços de Marcelo, passou a jogar pela direita na linha ofensiva – como no Barcelona ou na Juventus. Mbappé foi para o comando do ataque, trocando de posição com Neymar constantemente. O time passou a atacar de forma dinâmica e criou várias chances de gol.

Mas… não fez.

A resposta de Zidane demorou alguns minutos. Ele colocou em campo Asensio e Lucas Vázquez – Bale já havia entrado. E tirou Casemiro e Isco, que caíram muito do primeiro para o segundo tempo. Deu certo. Quando o Real Madrid se encontrava pior em campo, duas jogadas de Asensio acabaram nos gols de Cristiano Ronaldo e Marcelo.

Meunier acabou entrando mal em campo. A substituição de Emery foi ótima taticamente, mas na parte individual o trem passou por cima de Meunier.

Eliminatória aberta. Pero no mucho.

 


Neymar comanda PSG às vésperas do que realmente importa
Comentários Comente

Julio Gomes

O Paris Saint-Germain não deveria ter colocado Neymar para jogar hoje. Começando a rodada da Ligue 1 com mais de 10 pontos de vantagem para a concorrência, o PSG já sabe que reconquistará a coroa francesa. Ganhar ou perder do Toulouse, um time a um ponto da zona de rebaixamento, não faria diferença alguma.

Cavani e Thiago Silva foram poupados. Neymar, não. E, não fosse ele, o PSG, de fato, talvez tivesse tropeçado em Toulouse. Além de ter feito o único gol do jogo, Neymar chamou para si a responsabilidade de ganhar a partida.

Chamou da maneira correta. Jogando, encarando quando tem que encarar, distribuindo o jogo, desmontando a defesa rival. Sem chiliques, sem humilhações, sem esfomear. Foi um jogo trivial para um craque, como ele é. Este é o Neymar que eu, particularmente, gosto de ver.

OK, o PSG ganhou mais uma na França. Mas todos sabem o que realmente importa. É a Liga dos Campeões, é o confronto contra o atual bicampeão da Europa e maior vencedor da competição. Quarta-feira tem Real Madrid x PSG, partida de ida das oitavas de final.

O duelo entre quem é e quem quer ser.

É ano de Copa de Mundo. Haverá muitos “jogos do ano” até 31 de dezembro. Este é o primeiro deles. É o jogo do ano, é o jogo que o mundo vai parar para ver.

No ano passado, ainda sem Neymar e Mbappé, o PSG enfiou 4 a 0 no Barcelona nesta mesma fase. Para depois levar 6 a 1 na volta, obra da maior atuação de Neymar com a camisa do Barça e, claro, obra também do árbitro, que foi decisivo para a goleada histórica.

Portanto, qualquer que seja o resultado de Madri, ele não será definitivo. Ainda haverá a volta, em Paris. Mas, convenhamos, o primeiro jogo é muito mais do que meio caminho.

O PSG chega a essa partida tendo passado por poucos desafios reais na temporada. Passeia na França, com 21 vitórias em 25 jogos, média de 3 gols por partida. Já está na final da Copa da Liga e vivo na Copa da França – fatalmente, fará o triplete doméstico. Quando enfrentou o Bayern na fase de grupos da Champions, ganhou com autoridade em Paris, mas sofreu uma derrota dura em Munique.

Quer queira quer não, há uma grande interrogação sobre o PSG antes deste que é O jogo. O time é fantástico, as peças estão lá e Neymar voa na temporada. Mas esta é a hora H, e na hora H alguns crescem, outros somem.

Importante dizer que as interrogações também rondam o Real Madrid. Já sem chances de título na Espanha e eliminado vexatoriamente da Copa do Rei – por um time minúsculo e em casa. O Real não convence ninguém e já deu vários papelões na temporada. Mas quem duvida desses caras?

Assim como no momento do sorteio, o PSG vive melhor momento. É ligeiro favorito, segundo as casas de apostas. Mas quem quiser arriscar, que arrisque. Há muito tempo não temos um confronto tão 50-50 como este da Champions. Chega logo, quarta-feira!

 


Real Madrid? Quando se trata de Neymar, sempre que teve fumaça, teve fogo
Comentários Comente

Julio Gomes

Muitos gols, dribles, títulos, polêmicas, conflitos, selfies e… especulações. É inegável que a carreira de Neymar tem sido marcada por tudo isso até agora. Não é possível ficar à margem. Alguns amam tudo, do jogo ao estilo. Alguns odeiam tudo, do jogo ao estilo. Alguns amam Neymar em campo, odeiam fora. Tem de tudo.

E se os gols, dribles, títulos, polêmicas e conflitos acontecem em mais ou menos quantidade em função do momento da temporada, tem uma coisa que não muda. As especulações sobre o futuro de Neymar rondam sua carreira inteira, desde o início. E, quando houve fumaça, houve fogo.

Agora, a fumaça é Neymar no Real Madrid.

Isso mesmo. O cara mal chegou ao PSG, na maior transação de todos os tempos, e esquenta cada vez mais o papo de Neymar no Real Madrid.

Quando ele estava no Santos, havia fumaceira o tempo todo. Mas nunca houve tanta fumaça quanto em 2011. E ano e meio depois confirmou-se a ida dele para o Barcelona, em um acordo fechado com o pai em… 2011.

Já no Barcelona o fumacê foi constante desde o início, mas se intensificou no meio de 2016. Só não foi ao PSG naquele momento porque, na hora H, o jogador não quis. A fumaça foi aumentando até que, no meio do ano passado, veio o incêndio.

E agora, em meio a algumas vaias de torcida, algumas especulações sobre insatisfação em Paris, alguma desavença de vestiário, etc, etc, aparece a fumaça branca. Fumata madridista.

Vamos lembrar que o namoro Neymar-Real Madrid é antigaço. Eu entrevistei o garotinho Neymar nas arquibancadas do Bernabéu ainda em 2006 (vídeo está aqui). Seu empresário e muita gente do staff sempre preferiram o Real ao Barça – foi o jogador que quis vestir a mesma camisa de Messi.

Após a goleada de sábado sobre o Montpellier, pela Ligue 1, Neymar finalmente se pronunciou – após dois meses em silêncio. O vídeo está aqui. Tire suas conclusões.

“Especulação sempre vai existir. No Santos sempre existiu. No Barcelona, toda janela de transferência tinha algo com o meu nome. É impossível ficar fora disso, né?”, disse Neymar.

O amigo João Castelo Branco insistiu, pedindo uma palavra para pôr fim na possibilidade de sair para o Real. “Já falei, especulação sempre existe, não vou estar repetindo toda hora”.

Eu não acho que seja “impossível ficar fora disso”. Basta se pronunciar mais claramente. Ou então que seu staff pare de vazar a outros clubes a possibilidade de saída. Ainda no Barcelona, Neymar foi literalmente oferecido a PSG, City e United, os únicos três que teriam bala para pagar a multa. Se o cara é oferecido, aí realmente fica “impossível ficar fora disso”.

Se teve uma coisa que Neymar NÃO fez no sábado foi ajudar a dissipar a especulação. A minha leitura é que deixou a porta escancarada para sair.

Eu não vejo o PSG liberando Neymar facilmente. E não vejo Neymar ao lado de Cristiano Ronaldo no Real Madrid.

Há algumas estrelas que precisam ficar alinhadas para que essa transferência ocorra. Uma saída de CR7 do Real e, talvez, um título de Champions para o PSG (o site Goal.com noticiou que o presidente do PSG teria feito essa promessa ao jogador, basta clicar).

Não acredito que Neymar vá para o Real Madrid sem que essas duas coisas ocorram. E tampouco acredito que Cristiano Ronaldo toparia ser negociado com o PSG se for um modelo CR7 mais dinheiro por Neymar. Aí o orgulho falará mais alto.

Vamos ver.

Em questão de semanas, a fumacinha virou fumaçona. E, quando se trata de Neymar, fumaça é fogo. Se não for agora no fim desta temporada, será na próxima, no meio de 2019. Mas que tem toda a pinta de que Neymar se vestirá de branco, isso tem.


Lesão de Mbappé deixa Neymar ainda mais em evidência
Comentários Comente

Julio Gomes

Neymar e Mbappé chegaram juntos ao PSG, as maiores transferências da história. Presente e futuro, para elevar o nome do time e para levar Paris ao topo da Europa.

É claro que são jogadores com peso diferente. Neymar, seis anos mais velho, é um postulante a melhor do mundo agora. Mbappé, daqui a alguns anos.

Mas o fato é que o garoto vinha tendo impacto imediato nesta temporada. Foi titular em todos os jogos importantes do PSG (não podemos nos enganar com algumas esquentadas de banco em partidas menores) e mostrou grande conexão com Neymar e Cavani. É um jogador, além de talentoso e com faro de gol, com grande leitura de jogo. Posicionamento e tomadas de decisões quase sempre perfeitos.

A lesão que tira Mbappé dos gramados por dois meses fará com que o PSG jogue sem ele contra o Real Madrid, pelas oitavas da Champions League.

Mais um peso nas costas de Neymar, já não bastasse toda a responsabilidade que o melhor jogador brasileiro da década leva em suas costas.

É evidente que uma eventual eliminação para o Real fará todas as câmeras apontarem para Neymar. Mas não era tão evidente que passar desta eliminatória dependesse 110% de grande atuações coletivas e individuais de Neymar. Agora, é.

Mbappé tinha tudo para ser um nome próprio desta eliminatória. Quase contratado pelo Real no verão, com sede de mostrar serviço. E podendo aproveitar uma situação de mais liberdade de jogo, dada a atenção especial que Zidane dará a Neymar.

O PSG tem vários jogadores de alto nível para substituir Mbappé, como Di María ou Draexler. Mas ninguém mete medo como o garotão francês. Casemiro ficará muito mais tranquilo para caçar Neymar pelo campo. Muitas vezes esses jogadores coadjuvantes salvam a pele do protagonista ou mesmo fazem um trabalho que permita à estrela maior brilhar ainda mais.

Neymar perde um grande parceiro para os confrontos contra o Real. Talvez seu melhor parceiro, certamente o mais brilhante. A batata em seu colo esquenta ainda mais.

 


Neymar precisa ser mais como Ronaldinho em campo e menos fora
Comentários Comente

Julio Gomes

Este post é sobre os dois brasileiros da semana. Dois dos nossos maiores jogadores, que dominaram o noticiário por motivos diferentes. Mas, antes de chegar em Neymar e Ronaldinho, vou contar uma historinha. Vocês vão entender.

Março de 97. Eu tinha 17 anos, estava no primeiro ano de faculdade e meu time era um timaço. A Lusa era vigente vice-campeã brasileira, candidata a tudo. Em uma tarde qualquer, enfrentou o Kaburé, de Tocantins, pela Copa do Brasil. Pouca gente foi ao Canindé, horário comercial, dia de semana, já sabem. Eu estava lá. A Portuguesa ganhava por 7 a 0 quando, nos minutos finais, o juiz marcou um pênalti.

Os torcedores presentes começaram a gritar o nome de Capitão. Para quem não sabe ou não lembra, Capitão, um volante de alguma classe e muito esforço, jogou por quase 10 anos no clube. Com mais de 500 jogos, foi quem mais vezes vestiu a camisa da Portuguesa (a história dele está bem contada aqui). Mas fez pouquíssimos gols. Portanto, com 7 a 0 no placar e pênalti, era a hora e a vez de Capitão.

Mas apareceu um estraga-prazeres. O goleiro Clemer. Que era ídolo e tal, mas nada nem perto de Capitão. Com cara amarrada, ele pegou a bola das mãos de Capitão, cobrou sob vaias, não comemorou e voltou para o gol. Foi xingado até o fim do jogo. Já deviam ter combinado algo assim, de que se o jogo estivesse resolvido Clemer iria bater o pênalti. Só não contavam com uma torcida espirituosa e grata.

Eu não sei se a torcida do Paris Saint-Germain tem a mesma espirituosidade. E nem se é tão grata assim a Cavani.

Vamos lembrar. O PSG vencia o Dijon por 7 a 0 na Ligue 1, quarta-feira. Neymar só não fez chover no jogo. Já havia marcado três gols, um que foi uma pintura, lembrando os tempos de Brasil, driblando todo mundo. Sai um pênalti para o PSG. Se convertesse, Cavani se tornaria o maior artilheiro da história do clube. A torcida grita o nome do uruguaio. Neymar pega a bola, bate e faz o quarto dele, o 8 a 0. É vaiado. Fica bravo. Não vai celebrar o resultado com a torcida, como os outros jogadores.

Eu não sei se Neymar sabia do recorde de Cavani ou percebeu o ruído da arquibancada. Talvez até não. Não acho que ele seja o pior ser humano do mundo por ter batido o pênalti.

Mas me parece claro que falta a Neymar uma conexão com a arquibancada. E falta o sorriso no rosto que tinha Ronaldinho – chegamos a este monstro sagrado, a quem não posso deixar de prestar homenagem na semana em que se aposentou de vez (na prática, se aposentou faz tempo).

As homenagens a Ronaldinho no mundo inteiro deveriam servir de exemplo para muitos jogadores marrentos por aí. Ronaldinho foi, em 2004 e 2005, disparado o maior do mundo. Mas não só isso. Ele foi pura mágica em campo. Aquele sorriso aberto em todos os momentos, na vitória ou na derrota, no golaço ou na pancada, contagiou milhões de pessoas. E contagiou porque era genuíno, todos conseguiam ver isso. Era impossível não gostar de Ronaldinho. Impossível.

Ronaldinho foi muito mais do que um grande jogador. Ronaldinho é desses caras que fazem o brasileiro ser bem recebido em qualquer lugar do mundo. Que fazem com que a gente tenha o melhor cartão de visitas global, em qualquer país, em qualquer circunstância. Ele é o símbolo da alegria do nosso povo (ou suposta alegria, não precisamos dividir nossos podres).

De quantas roubadas eu já não saí mundo afora fazendo o hang-loose e dizendo “Roooooonalldinho”!

Mas, fora de campo, ele teve uma carreira muito curta e prejudicada. Eu nunca convivi com a família Assis. Mas era nítido que Ronaldinho bancava muita gente para morar com ele (primos, parças, festas…). E Assis, o irmão mais velho, uma espécie de pai substituto após a tragédia familiar, era quem tocava os negócios.

Ex-jogador, que não passou nem perto de ser o que foi o irmão, parecia querer fazer valer o talento em forma de grandes contratos. Sempre muito duro com os clubes, sempre forçando renovações, querendo mais, mais e mais. O auge foi o patético leilão instigado entre Flamengo, Palmeiras e Grêmio em 2011. Mas tiveram também as próprias saídas de Grêmio, PSG e Barça.

Se há algum arranhão na imagem de Ronaldinho é este. Festeiro demais, com a carreira influenciada por um irmão que pensa em dinheiro demais.

Fora do campo, o paralelo com Neymar é nítido. Carreira levada pelo pai, ex-jogador, que parece querer ganhar com o filho todo o dinheiro possível para esta e mais umas 30 vidas. Banca um mundo de amigos, que leva para lá e para cá. Muitas distrações. E o tempo todo no noticiário as especulações sobre novos contratos, possíveis saídas, etc. Coisas que não são inventadas pela imprensa. Essas informações chegam, são vazadas, até como forma de pressionar os clubes e agentes envolvidos.

Seria ótimo se a carreira de Neymar, já marcada pela negociação picareta que o tirou do Santos e por outra saída traumática (do Barcelona), passasse a ser menos atrelada a tantas especulações envolvendo contratos, transferências, impostos. Dinheiro, em resumo.

As pessoas detestam gente gananciosa. E Ronaldinho só superou essa imagem porque, em campo, o cara era a simpatia ambulante.

Uma simpatia que Neymar não tem. Seus sorrisos no terreno de jogo são invariavelmente irônicos ou pedantes. A atitude diante dos adversários é de humilhação.

Existe uma certa sabedoria popular que vem das arquibancadas. Uma sabedoria que muitas vezes escapa do radar dos jogadores, do staff deles e mesmo de jornalistas. Um senso comum ali, um feeling.

A sabedoria que fez torcedores do Real Madrid aplaudirem Ronaldinho Gaúcho no Bernabéu. A sabedoria que fez o Brasil inteiro (menos os cruzeirenses) ficar feliz quando o cara levantou uma Libertadores, já no fim da carreira. A sabedoria de quem percebe que há algo especial naquele dentuço de Porto Alegre. A sabedoria de quem, como eu já disse, sabe que aquela felicidade em campo é genuína. E que o jogo tem que ser aquilo, nada mais, nada menos. O jogo tem de trazer alegria a quem joga e a quem vê, não sofrimento ou irritação.

É óbvio que alguns torcedores do PSG devem estar ficando de saco cheio das notícias de uma possível insatisfação de Neymar no clube, de uma possível saída para o Real Madrid, de uma possível briga por holofotes no vestiário. Começam a ficar bodeados do craque. Começam a ver quatro gols com desdém, não com entusiasmo e paixão.

Clemer, 20 anos atrás, não teve a perspicácia de entender que aquele era o momento de deixar Capitão bater o pênalti. A perspicácia que Neymar não mostra nunca, porque parece acreditar que o mundo gira mesmo em torno dele. Como devem ter falado e ainda falam em seus ouvidos.

O garoto é uma pilha de nervos ambulante. Vive agindo com uma chata e pequena mentalidade de “o mundo está contra mim”.

Imaginem Ronaldinho neste 7 a 0? Iria pegar a bola, sair rindo com seus dentões e oferecer até para o gandula bater o pênalti.

Neymar precisa ser mais como Ronaldinho em campo. Mais genuíno, mais alegre. Resgatar a felicidade leve que ele deve ter sentido um dia, quando jogava bola na praia de Santos.

Menos cala-bocas. Mais abraços grátis. Na história, você já está. Agora trate de entrar nos corações também. Relaxa, Neymar!

LEIA MAIS:
Organizada do PSG é quem vaia Neymar, e clima pesado atinge até amigos


Neymar será Bola de Ouro! Dezoito previsões bombásticas para 2018
Comentários Comente

Julio Gomes

No meu post de fim de ano em 2016, previ o título europeu do Real Madrid, o brasileiro do Corinthians, o Grêmio voando com Renato Gaúcho, a saída de Neymar para o PSG, o Oscar para Moonlight, o fim do jejum da Portela no Carnaval… pena que esqueci de clicar no botão “publicar”!

Alguém caiu nessa? Não, né. Assim como ninguém cai nas desculpas de Marco Polo del Nero para não sair do Brasil…

Apesar da CBF, apesar da bandidagem, apesar da cartolagem, apesar da empáfia característica do futebol brasileiro, a seleção será hexacampeã do mundo na Rússia.

É com essa previsão que abrimos o post “bola de cristal” que encerra o ano. 18 palpites para 18.

Foram 253 postagens ao longo de 2017. E de antemão agradeço muito a quem leu, comentou, compartilhou. A ideia aqui não é polemizar de graça, criticar ou elogiar em função de preferências pessoais. A ideia é tratar o esporte de maneira séria e com responsabilidade.

Esquentando a bola de cristal… e vamos lá!

A seleção será hexa porque está pronta para isso, porque está mordida, porque tem um grande técnico, porque é forte em todos os setores, porque na semi romperá a maldição de sempre perder da França em Copas, porque na final manterá a Espanha na lista de fregueses e porque Neymar colocará seu nome na história…

…Neymar irá quebrar a dicotomia Messi-Cristiano e, com a taça na Rússia, ganhará todos os prêmios de melhor do mundo. Mas por causa da Copa, não do clube, já que o PSG, apesar das grandes atuações dele, justificando o investimento, não conquistará a Champions League…

…o PSG irá eliminar o Real Madrid nas oitavas de final, mas cairá na competição nas quartas, quando enfrentar um dos times de Manchester…

…Guardiola e Mourinho se enfrentarão na semifinal da Champions. Pep vai levar a melhor, Mou irá reclamar da arbitragem, pois seu time acabará o jogo decisivo com dez homens, e o City jogará e triunfará contra o Bayern de Munique na decisão de Kiev…

…Guardiola derrotará Tite na eleição de melhor técnico do ano e será aclamado como o melhor de todos os tempos…

…De Bruyne será o grande nome da Champions e chegará na Copa com status de “rival de Neymar” pelos prêmios individuais nos próximos anos, mas sucumbirá com a Bélgica nas quartas de final, no jogo mais difícil para o Brasil na Rússia…

…Messi será campeão espanhol com o Barcelona pela nona vez em 14 temporadas, mas será eliminado com a Argentina na primeira fase da Copa e anunciará a aposentadoria da seleção…

…a Islândia avançará no grupo da Argentina e será a Cinderela da Copa…

…Cristiano Ronaldo deixará o Real Madrid rumo à Inglaterra no meio do ano, na transferência que deixará em segundo plano a multimilionária venda de Philippe Coutinho ao Barcelona…

…Richarlison e Malcom serão os outros dois jogadores brasileiros vendidos por um valor bizarro, mas só passarão a defender a seleção depois da Copa…

…Maradona subirá no caminhão e desfilará com o time do Napoli, campeão italiano pela primeira vez em 28 anos, e participará de todos os eventos festivos, que irão parar a cidade por sete dias…

…no Brasil, o grande time do ano será o Cruzeiro, que irá ganhar algum título grande. Thiago Neves será o nome do ano por aqui…

…o Palmeiras será o grande rival do Cruzeiro ao longo do ano na disputa pelos títulos mais importantes…

…o Grêmio irá perder Luan e Arthur, deixar o Brasileiro em segundo plano e priorizar as Copas novamente, mas desta vez sem sucesso…

…antes do final do ano, Renato Gaúcho será anunciado técnico do Flamengo, que será eliminado na fase de grupos da Libertadores e terá mais um ano abaixo do esperado…

…o Corinthians? Vai despencar. Mas Andrés Sanchez não demitirá Carille…

…o Fluminense finalmente cairá para a Série B, após perder disputa ferrenha com o Botafogo…

…e a CBF seguirá sendo presidida por picaretas, e as instituições públicas nada farão para incomodar nossos bandidos.

Por falar em bandidos, eles continuarão sendo maioria absoluta no Congresso mais conservador já eleito na história e que fará do próximo presidente, quem quer que ele seja, mais um refém da política do toma-lá-dá-cá. Seguiremos na lama. Mas com seis estrelas no peito.

Bom ano a todos!


Explosão do mercado foi a grande notícia do futebol em 2017
Comentários Comente

Julio Gomes

Quando o Paris Saint-Germain depositou os 222 milhões de euros por Neymar, pagando ao Barcelona a multa rescisória, muitos viram aquele movimento como uma aberração do mercado. Uma distorção que só poderia ocorrer porque o PSG é um clube que na prática, pertence a um país – o Catar.

Mas é importante notar que o último mercado do verão europeu teve muitas outras transferências que implodiram recordes e mostraram que o que existe mesmo é uma tendência. O próprio Barcelona usou o dinheiro para pagar 105 milhões por Dembélé, do Borussia Dortmund, de apenas 20 anos, e 40 a um clube da China para trazer Paulinho.

Tiveram os 85 milhões pagos pelo Manchester United por Lukaku. E tantos outros negócios com volumes enormes de dinheiro. Morata do Real para o Chelsea, o Manchester City gastando centenas de milhões para trazer goleiro e laterais, a injeção de dinheiro no Milan, etc. O próprio PSG já se comprometeu a pagar outros 180 milhões de euros no meio do ano que vem ao Monaco para ter Mbappé, que por enquanto chegou por empréstimo.

De acidente, não tem nada.

A explosão do mercado foi a grande notícia do futebol em 2017. Com todo respeito ao bi europeu do Real Madrid, ao Chelsea de Conte, ao Grêmio de Renato Gaúcho, ao Corinthians de Carille e até à eliminação da gigante Itália da próxima Copa do Mundo.

Nada, no planeta bola, foi mais relevante do que a onda de transferências gigantescas.

A economia reaquece em alguns lugares da Europa, os clubes ganham mais e mais dinheiro globalmente, não apenas localmente, e existe uma corrida insana sendo disputada. O tal Fair Play financeiro foi o grande derrotado do ano e não parece passar de mais do que conversinha para boi dormir.

É uma corrida que vai ampliando o abismo dentro da própria Europa entre alguns gigantes nacionais e outros clubes menores. O que dizer então do abismo entre os gigantes da Europa e os clubes da América do Sul? Esse extremo fortalecimento e as quantias exorbitantes deixam a Champions League cada vez mais espetacular. Mas geram degradação esportiva das ligas domésticas europeias.

Precisamos ver no que vai dar.

Mas o movimento de final de ano já nos mostra que a tendência é irreversível. Nesta semana mesmo, o Liverpool anunciou a contratação do zagueiro mais caro da história. Não, não é o Baresi nem o Gamarra nem o Maldini nem o Sergio Ramos. O Liverpool pagou 75 milhões de libras (330 milhões de reais) pelo holandês Virgil Van Dijk, de 26 anos, do Southampton.

Estaria o Liverpool já contanto com um dinheiro que receberá por Philippe Coutinho? Tudo bem que a defesa do Liverpool é uma peneira e tanto. Mas 75 milhões de libras?? Uau.

É possível que o Barça finalmente consiga contratar Coutinho em janeiro ou no meio do ano e é plausível imaginar que o valor supere o pago pelo PSG por Neymar, virando a maior venda da história.

Ainda tem o climão de Cristiano Ronaldo no Real Madrid. Quanto algum clube do mundo poderia pagar por ele?

Em 2018, teremos Copa do Mundo. Teremos a Libertadores com maior número de campeões na história. Teremos PSG x Real Madrid logo de cara, nas oitavas de final da Champions. Veremos e falaremos de muito futebol.

Mas, se preparem. Grandes manchetes voltarão a ser abocanhadas pelo tresloucado mercado da bola.

 


Quem precisa de Neymar? Paulinho virou o substituto perfeito
Comentários Comente

Julio Gomes

Paulinho melhor do que Neymar? Calma, calma. Com a bola nos pés, seria uma comparação do tipo Cristiano Ronaldo x Renato Gaúcho. Bizarra. Mas, para o Barcelona, está dando muito certo.

Quando perdeu Neymar para o PSG, no último mercado de verão europeu, o Barcelona saiu correndo atrás de um substituto. Apostou tudo em Philippe Coutinho. Não deu certo. E aí pagou um caminhão de dinheiro pelo jovem francês Dembélé, do Borussia Dortmund. Que logo se machucou e está há meses sem jogar.

Paulinho chegou sob muita desconfiança na Catalunha. Afinal, tinha fracassado no Tottenham e vinha de uma liga fraca, a chinesa. E por muito dinheiro. Além disso, não tem o “estilo Barça”. Não é um “inho” como os outros brasileiros que passaram por lá.

Mas Ernesto Valverde, o técnico do Barcelona, que no teste de fogo de sua carreira vem calando muitas bocas, incluindo a deste escriba, sabia exatamente como usar Paulinho.

Do jeito que ele gosta e é mais perigoso. Chegando de trás, indo à área, finalizando, se infiltrando. Paulinho se consagrou assim, seja no Corinthians, seja nos melhores momentos vestindo a camisa da seleção brasileira. Não é um meio-campista defensivo, tipo Casemiro ou Busquets. Tampouco é um passador do estilo Modric ou Kroos.

Sim, ele sabe fazer o que precisa ser feito no meio de campo. Mas o forte mesmo é a chegada, até porque sua condição física, a capacidade de percorrer muitos metros de uma área a outra, é invejável.

Ele teria feito o segundo gol no clássico de sábado, não fosse a “defesa” de Carvajal. Foi em uma infiltração dessas que quase fez um gol no primeiro tempo, em um momento do jogo dominado pelo Real Madrid. Foi o melhor em campo nos 3 a 0 do Bernabéu, e isso não é pouca coisa.

Um colunista do jornal madrilenho “AS” resumiu assim: “Paulinho é um animal. Presença, posição, entendimento do jogo. Nunca uma contratação tão discutível deu tanto resultado”.

Paulinho não é fera no que se convencionou chamar de “jogo posicional”. Talvez por isso não participe de algumas partidas da Liga Espanhola, quando o Barcelona enfrenta adversários menores, aqueles duelos de ataques contra defesas. Mas podem estar certos de que ele vai aparecer em todos os jogos grandes da temporada, quando Valverde utilizará um time mais compacto.

Foi assim contra o Real Madrid. Será assim contra o Chelsea, nas oitavas de final da Champions League.

O Barça do trio MSN, principalmente nas últimas duas temporadas, era um time espaçado demais. Quase sem conexão entre defesa, meio e ataque. Não à toa, falamos e analisamos diversas vezes como o Barcelona era um time de jogo coletivo abaixo de outros gigantes da Europa, mas que salvava a vida em diversos momentos pela genialidade de Messi, Neymar e Suárez.

Sem Neymar, Valverde, que nunca foi um treinador superousado, encontrou em Paulinho o substituto perfeito.

O time passa a jogar em um 4-4-2, com liberdade total para Messi e Suárez – que ficava preso demais no centro da área. Paulinho ajuda o time na fase defensiva, dando mais números e consistência ao meio de campo. E aparece na frente, em alguns momentos até como centroavante, dando opções de passe e criando chances de gol.

É um time menos brilhante do que nos dias de Neymar, mas também menos vulnerável e mais equilibrado. Na minha opinião, dada a situação de três meses atrás, o clube catalão é a grande surpresa da temporada. O Barcelona é virtual campeão espanhol na virada do turno. E, com Paulinho, parece mais forte na Champions do que nos últimos anos.