Blog do Júlio Gomes

Arquivo : Neymar

Uma falta que talvez explique o futuro de Neymar
Comentários Comente

juliogomes

Primeiro jogo de pré-temporada. Valendo pouco, quase nada. O Barcelona já vencia a Juventus por 2 a 0, em uma noite de Neymar. Dois belos gols, o segundo passando por meio time da Juve dentro da área – uma pintura.

E eis que surge uma falta para o Barcelona, cometida sobre Neymar, aos 37min de jogo. Falta na cabeça da área, de frente para o gol. Nem um pouquinho para a esquerda nem para a direita. De frente. Boa para canhotos. Boa para destros. Boa para quem mete gol de falta.

Messi se posiciona. Neymar se posiciona. Messi bate.

Mesmo em um amistoso de pré-temporada. Mesmo em uma noite inspirada de Neymar, claramente a fim de jogo. Mesmo tendo Neymar provado inúmeras vezes que é capaz de guardar aquela falta. Quem bate é Messi. Hierarquia.

A saída de Neymar do Barcelona para o PSG tem pinta de que vá mesmo ocorrer. O PSG quer pagar a multa e só precisa fazê-lo sem ferir o fair play financeiro. Neymar já avisou a galera brasileira do clube francês que está a fim de ir. O pai já negociou o salário astronômico. E até mesmo os catalães já se cansaram da ganância exagerada e, pelo que mostram algumas enquetes (sem valor científico), o torcedor quer mais é que ele se mande. Com o dinheiro, daria para trazer Dybala, por exemplo.

Por que Neymar vai trocar uma camisa como a do Barcelona por outra?

Só há três razões plausíveis.

1- Dinheiro. 2- Sair da sombra de Messi para ter um time “para ele” na busca do trono de melhor do mundo. 3- Fazer história em um clube que ainda tem muitos troféus a serem conquistados.

Esportivamente, não faz sentido. Jogar em uma liga pior, que apresenta menos desafios profissionais e deixar de jogar lado a lado com um dos maiores da história.

Cidade? Bom, quem ousar colocar “morar em Paris” como uma vantagem sobre “morar em Barcelona” logicamente nunca morou nem em uma nem em outra. No máximo, visitou.

Mau relacionamento no vestiário? Nunca houve qualquer sinal disso.

As três razões acima precisam ser respeitadas. Cada um é dono do seu destino, das suas vontades. Não é falta alguma de respeito, no entanto, discordar delas. Se for por dinheiro ou se for para ser o melhor do mundo, acho uma tristeza.

Se for pelo desafio de desbravar o mundo e levar o PSG a feitos inéditos, já acho uma razão muito bacana e elogiável. E certamente será a versão oficial da possível transferência, porque é mais honrosa. Daí a acreditar nela…

A carreira de Neymar sempre foi marcada pela busca do dinheiro. Não me refiro especificamente a ele, mas a quem toma as decisões nesse sentido (seu pai no topo do processo decisório). Nos tempos de Santos, era debate sobre renovação ou venda quase todos os meses. Aí vimos uma das transações mais picaretas que o futebol já teve notícia. E, já no Barcelona, todo verão é a mesma coisa. Notícias e mais notícias sobre interessados. O clube X quer Neymar, o clube Y oferece o mundo a Neymar, o clube Z vai pagar a multa.

Os que estamos nesse meio sabemos muito bem como essas coisas funcionam. Notícias plantadas para “valorizar o passe” e conseguir algum benefício financeiro na mesa de negociações.

Isso gera desgaste e, claro, cria uma imagem. E a tal imagem faz ficar difícil acreditar que “fazer história no PSG” seja mais relevante do que o dinheiro na tomada de decisão.

Sair da sombra de Messi?

Se for para sair da sombra para ser o melhor do mundo, podemos criticar à vontade. Este é um jogo coletivo, é um equívoco buscar obsessivamente premiação individual. É uma mentalidade distorcida. E tem mais. Se ele se considera o melhor do mundo, ou se é convencido disso pelo pai e outras pessoas do staff, vá a campo e seja o melhor do mundo.

Ele não joga fora de posição no Barcelona. Aliás, já vimos pela própria seleção que ele rende muito melhor pela esquerda com liberdade do que como um 10.

Mas se for para sair da sombra de Messi para bater aquela falta que ele não pôde bater ontem. Bem, nesse caso… vá com fé, Neymar.


O papo de Neymar melhor do mundo era precipitado e evaporou-se
Comentários Comente

juliogomes

O futebol é muito dinâmico, e as pessoas (aqui incluindo jornalistas, torcedores e apreciadores do esporte) costumam se precipitar bastante e “cravar” verdades absolutas após um ou dois jogos de futebol, no calor das emoções.

Depois de anos ouvindo que Neymar seria o melhor do mundo (talvez essa hora chegue, talvez não, não seria absurdo não chegar), muitos disseram que havia chegado o momento. Tal certeza devia-se aos extraordinários minutos finais de Neymar naquele 6 a 1 do Barcelona sobre o PSG e aos bons jogos com a seleção brasileira.

Neymar foi, de fato, o jogador de futebol de melhor desempenho no mês de março. Daí a SER o melhor do mundo…

O fato é que em poucos dias evaporou-se qualquer chance de Neymar passar perto da Bola de Ouro 2017. Observe a sequência de fatos:

No sábado retrasado, o Barcelona perdeu por 2 a 0 para o Málaga e ficou em situação difícil na Liga espanhola. Neymar foi expulso por uma entrada infantil, desnecessária, quando o time corria atrás do empate. Ainda aplaudiu o quarto árbitro ironicamente e pegou três jogos de gancho, ficando fora do clássico de domingo contra o Real Madrid.

Dias depois da derrota em Málaga, o Barça perdeu por 3 a 0 para a Juventus, em Turim. No jogo de volta, ontem, só empatou sem gols no Camp Nou, sendo eliminado da principal competição interclubes do ano. No final do primeiro tempo, após uma falta de Pjanic em Messi, Neymar resolve tomar as dores do companheiro e dá uma espécie de voadora no juventino. Levou amarelo, que o deixaria fora da semifinal, caso o Barça se classificasse – mas não seria absurdo se o árbitro mostrasse vermelho direto.

Bom lembrar que, na partida épica contra o PSG, minutos depois de o Barcelona sofrer o gol que parecia ser o da eliminação (vencia por 3 a 1), Neymar deu um chute por trás em Marquinhos, sem bola. Recebeu amarelo que também poderia ter sido vermelho.

A atitude de Neymar melhorou ultimamente, parece ser um jogador mais maduro dentro e fora de campo.

Nas vitórias.

Antes, Neymar era mau vencedor e mau perdedor. Hoje, parece ter se transformado em um bom vencedor, diminuindo os lances de humilhação a adversários em campo, adotando um discurso sóbrio, etc.

Mas, nas derrotas, nos momentos de frustração, a atitude continua precisando melhorar. Poderia ter sido expulso contra o PSG, poderia ter sido expulso contra a Juventus, foi expulso contra o Málaga e, de quebra, ainda pegou um gancho que o deixará fora do último jogo gigante do Barcelona na temporada.

O choro copioso após a eliminação de quarta-feira significa o quê?

A impressão é que Neymar considerava que esse era seu momento. O ano dele. A hora de colocar uma Champions nas costas, tomar o protagonismo para si, resolver. Contra o PSG, ele parecia ser o único que verdadeiramente acreditava na virada e, assim sendo, acabou se transformando no símbolo daquela vitória.

Contra a Juventus, ele também parecia ser o único que acreditava. Excesso de fé ou falta de doses de realidade?

Neymar chorou pelo Barça ou por ele mesmo?

O choro não combinou tanto com o clima no Camp Nou. A torcida apoiou o time, todos ali já esperavam a eliminação. O Barcelona não vive um momento trágico, vive um momento de interrogações.

O choro realmente parece a frustração de quem deve estar ouvindo há tempos que esse seria o “seu ano”.

A temporada de Neymar foi ruim no início, chegou a ficar três meses sem fazer um gol sequer. Em janeiro, começou a virar, em março teve um pico, em abril foi mal. Taticamente, a evolução dele é nítida. Tanto na seleção quanto no Barcelona, está assumindo mais funções, dando assistências, tomando decisões melhores.

Em 2017, ano natural iniciado em janeiro, Neymar está em qualquer lista dos cinco melhores jogadores do planeta. Mas, se pensarmos na temporada como um todo, a temporada 2016/2017, será que ele figuraria entre os dez melhores?

Messi fez 45 gols em 45 jogos na temporada. Verdade, não foi o protagonista dos 6 a 1. Desperdiçou as chances que teve contra a Juventus. Ainda assim, não dá para comparar a temporada de Neymar com a de Messi. Suárez, com 24 gols, foi mais importante que Neymar até agora para o Barça ainda se manter vivo no Espanhol.

Lewandowski tem 39 gols em 41 jogos e será campeão alemão – sua importância para o Bayern ficou nítida após não jogar a ida e atuar baleado na volta contra o Real Madrid pela Champions.  Cavani fez 43 gols em 43 jogos do PSG. Griezmann, com 24 gols, é o grande nome do Atlético de Madri, novamente na semifinal europeia. Falcao, com 27 gols em 36 jogos, e o jovem Mbappé, de 18 anos, com 22 gols em 36 jogos, muitos deles no mata-mata da Champions, estão nas semis com o Monaco.

Hazard faz uma temporada brilhante pelo Chelsea, com quem será campeão inglês. Philippe Coutinho, no Liverpool, faz uma temporada melhor que a de Neymar. Dybala está a ponto de explodir e foi o homem mais decisivo da eliminatória que classificou a Juventus. Higuaín, com 23 gols em uma liga dura como a Italiana, não cansa de marcar. Aubameyang fez 26 gols para o Borussia Dortmund em 27 jogos na Bundesliga.

Opa, não estou esquecendo não. Deixei Cristiano Ronaldo para o fim. São 31 gols em 39 jogos na temporada, cinco deles marcados para cima de Neuer. Justamente quando Neymar caiu, Cristiano Ronaldo apareceu para lembrar todo mundo que a Bola de Ouro está lá na estante da casa dele.

E olha que nem estou falando dos defensores. Neymar faz uma temporada melhor que a de Sergio Ramos? Que a de Buffon? Que a de Kanté? Que a de Marcelo?

Pois é. Se analisarmos com olho clínico, sem emoções, esquecendo as patriotadas, possivelmente não colocaremos Neymar entre os dez jogadores de melhor desempenho na temporada. Em 2017, sim, na temporada inteira, não.

O que realmente incomoda é essa forçação de barra para colocar Neymar como o terceiro melhor do mundo isolado, pertinho de Messi e Cristiano Ronaldo, quase no nível deles, a ponto de ultrapassá-los. É uma grande ilusão.

Neymar é o melhor “do resto” para alguns. Não é para outros. Está longe de ser unanimidade. Atrás dos dois gênios, ele está ali num bolo que tem gente como Griezmann, Suárez, Lewandowski, Hazard.

A grande desvantagem em relação a essa turma é que parece que ser o melhor se torna uma obsessão de brasileiros. Antes seu “staff” falasse menos disso e mais sobre as regras disciplinares na Espanha, que não permitem aplausos irônicos a árbitros.

Outra má notícia é que os anos vão passando, Cristiano e Messi não largam o osso, não parecem perto de passar o bastão. Seguem em altíssimo nível. Quando eles caírem de verdade, quantos anos terá Neymar? Será que não é mais fácil vermos Gabriel Jesus ou Mbappé estarem ali prontos para pegar o bastão?

A grande vantagem de Neymar, por outro lado, é jogar em uma seleção azeitada e com chances para lá de reais de ser campeã do mundo em 2018. É com o Brasil, na Rússia, que Neymar tem sua chance mais realista de ser coroado melhor do mundo.

Mas isso só acontecerá se não for o objetivo. Sempre é bom lembrar. O futebol é um esporte coletivo, cada vez mais coletivo, em que o individual se destaca. E não o contrário.

Blogueiros do UOL: Com choro de Neymar, Juventus se classifica na Liga


Neymar e Barcelona sobem a novo patamar após virada histórica
Comentários Comente

juliogomes

O Barcelona virou um clube multicampeão nos últimos 14 anos. Antes, era uma força local. Depois da chegada de Cruyff, no banco e no campo, e contratações de impacto, um antagonista de verdade surgiu ao Real Madrid.

Em 20 temporadas, o Real ganhou cinco Champions, o Barça, quatro. O Real ganhou cinco Ligas espanholas, o Barça ganhou o dobro. Em Copas do Rei, cinco a dois para o Barça. Em Mundiais/Intercontinentais, quatro a três para o Real.

Mas faltava uma coisa ao Barcelona nesses anos todos: uma “remontada”. Adoro a palavra. É como eles se referem, na Espanha, a uma grande virada.

Nos dias anteriores aos 6 a 1 do Barcelona sobre o PSG, vários ex-madridistas diziam que “remontar” era coisa do Real. Os gols no fim, viradas impossíveis, o “hasta el final” do cântico que ecoa no Bernabéu. Remontar é uma marca registrada do Madrid.

Mas, a partir de agora, não mais exclusiva. Faltava uma virada como essa nestes anos de sucesso do Barça. A maior havia ocorrido em 2013, na Champions – derrota por 2 a 0 para o Milan na Itália, vitória por 4 a 0 no Camp Nou. Convenhamos, não chegou nem perto da histórica contra o PSG. O torcedor culé já pode bater no peito, o Barça também tem a coragem necessária para concluir missões impossíveis.

Além do Barcelona, Neymar também mudou de patamar.

Finalmente, o papo tão falado há anos, de ser um candidato a melhor do mundo, ganhou corpo e a semente começou a se espalhar pelo planeta. Neymar oficializou seu posto de próximo jogador dominante, quando acabar a hegemonia de Messi e Cristiano Ronaldo. É o herdeiro.

Neymar foi o grande beneficiado pela mudança tática promovida por Luís Enrique após os 4 a 0 de Paris. Com Rafinha aberto pela direita neste 3-3-3-1, Messi flutua para o meio e atrai marcadores, além de estar mais próximo para se associar com Neymar. As dobras não ocorrem mais 100% das vezes quando Neymar recebe pela esquerda.

Por isso, e também por viver boa fase técnica (após, vamos lembrar, ele quebrar em janeiro um jejum de três meses sem gols pelo Barça), Neymar já havia sido destaque nas goleadas sobre Gijón e Celta, pelo Espanhol.

Ele passou a ter à disposição situações de um contra um e, assim, infernizou o lateral Meunier no jogo de volta com o PSG. Como o Barça espalhou o campo e acrescentou um homem no meio, os volantes parisienses não conseguiram ajudar muito a neutralizar Neymar.

Agora. Sejamos sinceros. Se o jogo tivesse acabado, digamos, 3 a 1. Estaríamos falando tanto de Neymar?

Não, não estaríamos. Não foi, até os 44min do segundo tempo, um jogo inesquecível dele. Não havia feito gols ou passes de gols, ameaçado Trapp, nada disso. Percebia-se que estava a fim de jogo. E havia tentado cavar dois pênaltis para cima de Meunier – um deles com sucesso. Dois minutos após o gol de Cavani, no momento de frustração e com a eliminatória com pinta de acabada, Neymar ainda deu um chute por trás, sem bola, em Marquinhos.

O árbitro mostrou amarelo, mas podia ter sido vermelho. O que estaríamos falando de Neymar se o juiz tivesse mostrado o vermelho pela agressão? Estava longe de ser o melhor jogo de sua carreira, como ele decretaria ao final da virada épica.

Aí, claro, a partir da falta sofrida e convertida de forma genial por Neymar mesmo, tudo mudou. Pegou a bola e chamou a responsabilidade ao bater o pênalti do quinto gol. E teve a frieza para picar a bola na área e dar o passe a Sergi Roberto para o sexto.

Neymar carregou o Barça não só à maior virada da história do futebol europeu, mas também à maior vitória do Barcelona em 10 anos sem participação fundamental de Messi. E esse simbolismo é muito relevante. Quando o bastão for definitivamente passado – e será -, lembraremos deste jogo como o marco zero.

Foram exatos 9 minutos entre a falta do quarto gol e o toque para a glória do sexto.

Em 9 minutos, Neymar ganhou, no mundo inteiro, o status que tanta gente já dava a ele aqui no Brasil. É na bola, e não no grito, que essas coisas acontecem. Não adianta falar tanto em prêmios. Tem que mostrar. E Neymar mostrou.

Talvez ele esteja exagerando ao considerar o “melhor” jogo de sua vida. Mas, certamente, foi o “maior” jogo de sua vida. O jogo que eleva seu nome a outra dimensão. A uma prateleira em que muita gente no Brasil achava que ele já estava. Mas não, não estava.

Em três anos e meio de Europa, o futebol de Neymar está evoluindo muito e ajuda o fato de, na seleção brasileira, deixar de ter a responsabilidade de resolver tudo sozinho – que lhe era injustamente imputada ou erroneamente assumida por ele ou as duas coisas juntas.

O futebol brasileiro é calcado no individualismo, e basta ouvir Neymar pai falar por 5 minutos para perceber como esta foi a educação futebolística dada ao filho. No futebol europeu e com Tite, Neymar vai se transformando em um jogador mais solidário. Não à toa, o número de assistências foi aumentando ano após ano. A tomada de decisões correta e que leva em conta o melhor para o time.

Neymar é nitidamente um profissional dedicado e de QI futebolístico elevado. É inteligente e obediente taticamente. Não é desagregador no vestiário, parece tratar seus colegas de profissão com afeto, sem esnobar. No campo, acredito que a tendência seja jogar cada vez mais com liberdade e perto do gol. Seu grande forte, eu sempre disse, não é driblar. É finalizar. Faz gols de todos os jeitos, como poucos no mundo.

Para mim, somente dois problemas de atitude persistem.

Dentro de campo, Neymar irrita seus adversários por se jogar muito e tentar ludibriar constantemente os árbitros e por sua atitude de deboche em muitos momentos. Neymar humilha, não só com dribles, mas com falas e gestos. Por isso, apanha muito mais do que outros craques. Ninguém gosta de se sentir humilhado. Isso só lhe fará mal. E árbitros marcam jogadores como ele e deixam de marcar faltas “verdadeiras”.

Neymar (e outros) falam que gostam de críticas construtivas, e não destrutivas. No meu ponto de vista, ele (e outros) se irritam com qualquer tipo de crítica. E isso gera o segundo problema que persiste. Querer o tempo todo responder a todo mundo. É o pedir silêncio nas redes sociais, é a greve com a imprensa que cobre a seleção brasileira, é a resposta a Rabiot.

Não sei se é dele ou se é a pilha de seu entorno. Mas é incrível como Neymar parece se importar demais. Mania de perseguição.

Ele é uma figura pública, um famoso. Jogadores de futebol são celebridades. As pessoas têm direito de criticar a transação picareta, fraudulenta e secreta do Santos ao Barcelona. Alguns vão gostar do apoio a Aécio Neves na campanha eleitoral, outros vão criticar. Alguns vão gostar da tatuagem X, outros não. Alguns vão achar a amizade com Hamilton e Thiaguinho o máximo, outros vão achar motivo para piada. Alguns vão amar o namoro com Marquezine, outros vão invejar.

Me parece um desgaste tremendo se importar com tanta gente, ainda mais na era das redes sociais.

E parece um despropósito colocar nessa mesma caixinha, que ele considera a “de invejosos que querem vê-lo fracassar”, jornalistas que criticam este ou aquele elemento de seu jogo.

Minha crítica, Neymar e fãs, não é nem construtiva nem destrutiva. Ela não tem a pretensão de querer fazer mudar algo na sua vida, “construir” um jeito novo de ser ou jogar bola. E muito menos, mas muuuuito menos, o objetivo de “destruir” algo. No caso, imagino, destruir sua imagem.

Minha crítica é apenas uma crítica de quem vive do e para o futebol. Mais do que crítica, são observações, análises, com o simples objetivo de compartilhar conhecimento e informar quem lê o tanto de linhas que eu escrevo.

Raros, raríssimos, foram os craques perfeitos. Eu, na vida, só vi Messi mesmo. Todos têm um defeitinho aqui ou ali, dentro ou fora de campo.

Considero Neymar um craque, um verdadeiro gênio. Depois de Pelé e companhia, Zico e companhia, Romário e companhia, Ronaldo e companhia, Ronaldinho, Kaká, hoje vivemos os tempos de Neymar e companhia. Já é um dos grandes jogadores brasileiros da história. Logo logo só estará atrás de Pelé na artilharia da seleção.

E, agora, depois de 9 minutos como estes da quarta-feira, começa a se transformar também em um dos craques mundiais. Conhecido e admirado não só por quem já acompanha futebol, mas também por aquelas pessoas que veem o esporte esporadicamente. Este é o efeito de Copas do Mundo e jogos grandiosos de Champions League, como este.

São os grandes acontecimentos de audiência global que criam uma imagem (para bem ou para mal) que depois é difícil de mudar.

Não são críticas ou elogios, e muito menos a resposta a eles, que construirão a imagem de Neymar no mundo. São os 9 minutos.

Neymar saltou para um seleto grupo em que muitos achavam que ele já estava. Mas que só adentrou agora.


Apito amigo leva Barcelona ao milagre na Champions
Comentários Comente

juliogomes

E o Barcelona conseguiu o milagre. De forma inédita, um time reverteu o 0-4 da ida e se classificou em uma competição europeia. Foi épico, foi fantástico, foi inesquecível. E foi um roubo.

O juiz alemão Deniz Aytekin roubou do Paris Saint-Germain a chance de se classificar para as quartas de final da Liga dos Campeões. Simples assim.

Com 1 a 0 para o Barça,  não deu pênalti de Mascherano, que saltou para bloquear um cruzamento de braços abertos. Correu o risco ao dar o carrinho, expandiu sua área de bloqueio. Pênalti não dado que já teria mudado completamente a cara da eliminatória.

É verdade que o PSG contribuiu com erros individuais. Os zagueiros praticamente deram os dois gols ao Barça no primeiro tempo. Thiago Silva perdidaço no lance do primeiro, Marquinhos passivo no segundo – permitiu a Iniesta brigar na jogada, cruzar de calcanhar e forçar o gol contra de Kurzawa.

Taticamente, o PSG fez o jogo que podia. Marcou bem, fechou espaços, obrigou o Barça a chutar de fora da área e deu algumas espetadas no contra ataque. O primeiro tempo acabou 2 a 0 para o Barça, mas não era um placar condizente com o volume de jogo em campo.

Depois, com 2 a 0, o árbitro Aytekin inventou um pênalti absurdo cavado por Neymar no início do segundo tempo. O jogador do PSG se desequilibra, cai no chão e Neymar é quem busca o contato e cai – sua enésima queda na área.

O script era o dos sonhos de Luís Enrique, dos torcedores e jogadores: 3 a 0 logo no início do segundo tempo. Mas o gol de Cavani, aos 17min do segundo tempo, “matou” a eliminatória para o PSG.

Depois dos 4 a 0 de Paris, o PSG sabia que para avançar no Camp nou bastaria isso: um gol. No início, no meio ou no fim, não importa. Com 0 a 0 ou 3 a 0 contra. Um gol mataria o Barcelona. E foi o que aconteceu (só que não).

Dos 17min aos 43min do segundo tempo, o Barcelona nada fez. A torcida se calou, Luís Enrique tirou Iniesta de campo (já pensando no futuro na Liga espanhola). O PSG teve dois contra ataques que seriam a pá de cal. Cavani perde um gol cara a cara com Ter Stegen, Di María perde o outro – fiquei em dúvida se houve pênalti de Mascherano no lance, mas infelizmente a geração de imagens da Uefa não mostrou o replay desta jogada uma vez sequer.

(atualização: rara honestidade no futebol, o próprio Mascherano admitiu que fez pênalti em Di María. O segundo, portanto, não dado para o PSG).

Aos 43min, Neymar faz um golaço de falta. Uma cobrança magistral. 4 a 1. Ainda faltavam dois gols para a classificação.

E aí o árbitro, aquele mesmo que não tinha dado um pênalti para o PSG no primeiro tempo e outro no segundo, inventou um segundo pênalti para o Barcelona. Marquinhos encosta em Luís Suárez, que desaba na área. Uma cavada de livro. Uma vergonha. Eram 46min do segundo tempo.

Neymar bateu o pênalti, 5 a 1. Aí virou aquele pega para capar, bola na área e, em uma delas, aos 50min, Sergi Roberto, vilão em Paris, virou o herói no Camp Nou. Fez o sexto gol.

Não acho que o PSG mereça ser tão criticado assim. Foi a Barcelona para conseguir a classificação. E estava conseguindo o objetivo até o derretimento dos minutos finais. É muito difícil jogar contra um Barça ligado na tomada e uma arbitragem tão nefasta.

O Barcelona mostrou raça, coragem e fé. Não desistiu até levar o gol. Com 3 a 1 no placar, todos já haviam desistido. Mas aí Neymar e o juiz resolveram dar outro destino à eliminatória.


Barcelona muda e atropela. Conseguirá operar o milagre europeu?
Comentários Comente

juliogomes

O Barcelona fez um de seus melhores jogos na temporada neste sábado, no Camp Nou. Goleou o bom time do Celta de Vigo por 5 a 0, sem tomar conhecimento do adversário, e chega embalado e empolgado para o duelo de oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa, quarta-feira, contra o Paris Saint-Germain.

Sempre é bom lembrar, no jogo de ida, em Paris, o Barça levou um sonoro 4 a 0. Nunca, na história das competições europeias, um 4 a 0 foi revertido na partida de volta.

Contra o Celta, o Barcelona mostrou sua melhor versão. Messi está voando, Neymar fez uma grande partida.

No auge da crise, o técnico Luís Enrique mudou a formação tática do time. Com a bola, Rafinha abre o campo pela direita, assim como Neymar faz pela esquerda. É uma tentativa de espalhar a defesa adversária e dar espaço a Messi, assim como era feito nos anos de sucesso com Daniel Alves no time.

Sergi Roberto afunila para formar um trio no meio com Busquets e Rakitic, e os dois zagueiros formam uma linha de três junto com o lateral Alba atrás. Sem a bola, Rafinha recompõe pelo meio e Sergi Roberto vira lateral direito, tendo menos terreno para recuperar. Assim, o time deixa de oferecer o corredor que ofereceu ao PSG na ida.

Depois da humilhação de Paris, o Barça quase tropeçou em casa contra o fraco Leganés – Messi salvou no último suspiro. Era o auge da crise, das críticas a Luís Enrique, à falta de criação do time, absolutamente dependente das genialidades do trio de frente.

No fim de semana passado, a nova forma de jogar foi colocada em prática. A vitória suada – e até mesmo pouco merecida – contra o Atlético de Madri foi um divisor de águas. Depois disso, o técnico anunciou que não renovará o contrato ao final de temporada, o que eliminou uma nuvem que pairava no noticiário do clube.

Luís Enrique não vai mais ficar. Então, não é necessário mais ficar falando dele, seja para massacrá-lo ou defendê-lo. O cara ganhou oito de dez títulos possíveis em duas temporadas. Na Catalunha, decidiu-se: vamos deixá-lo trabalhar nesses meses finais.

Em campo, o time fez 6 a 1 no Sporting Gijón e, hoje, 5 a 0 no Celta. Adversários fracos? Bem, o Celta havia vencido o Barça por 4 a 3 em Vigo, no jogo do turno, e eliminou o Real Madrid da Copa do Rei, com direito a vitória no Bernabéu, em janeiro.

Em nenhum momento da temporada atual o Barcelona havia feito 11 gols em dois jogos seguidos da Liga espanhola – no campeonato passado, só aconteceu uma vez. Fazer 11 gols em dois jogos é um feito raro até mesmo para o Barça de Messi, Suárez e Neymar.

Logicamente, os “vilões” de sempre seriam os únicos candidatos capazes de reverter um 4 a 0. Real Madrid, Bayern de Munique e Barcelona.

O PSG sabe disso. Desde os 4 a 0, baixou um pouco o ritmo, mas continuou ganhando jogos na França. É um time que segue embalado e que fará um plano de jogo para conseguir um gol no contra ataque e obrigar o Barcelona a fazer seis.

É muito diferente acontecer um 4 a 0 e “ter de” acontecer um 4 a 0. Um time que pode perder por até três gols não tem necessidade de buscar resultado, se abrir, ficar exposto. E o PSG tem um técnico, Unai Emery, que perdeu todas as vezes que foi ao Camp Nou. Mas que, de bobo, não tem nada.

A história do jogo sonhada pelo torcedor do Barcelona é aquele massacre inicial, um gol no começo, um segundo gol antes do intervalo, um terceiro em qualquer momento do segundo tempo e pandemônio final em busca do quarto. A história do jogo sonhada pelo PSG é acertar um contra ataque mortal com 0 a 0 ou mesmo 1 a 0 ou 2 a 0 contra. Seria uma ducha de água fria, fim de papo.

Em 2013, o Barcelona levou 2 a 0 do Milan nas oitavas de final. Na volta, ganhou por 4 a 0. Mesmo naquele jogo, contra um Milan que já não era grandes coisas, o time italiano perdeu um gol feito quando o jogo estava 1 a 0 para o Barça. Poderia ter sido mortal.

É difícil imaginar que o PSG, com jogadores como Di María, Draexler e Cavani, não encaixe um contra ataque bem encaixado. Ao Barcelona, mais do que fazer gols, será necessário ter muita sorte. Enquanto há vida, há esperança. E a esperança foi reforçada com as três vitórias dos últimos sete dias.

Na história europeia, houve três casos de times que reverteram em casa derrotas por quatro gols de diferença. O último foi o Real Madrid das grandes remontadas, em 1986. Levou 5 a 1 do Borussia Moenchengladbach na Alemanha, fez 4 a 0 no Bernabéu e avançou na extinta Copa da Uefa.

A virada sensacional mais recente foi a do La Coruña, nas quartas de final da Champions de 2004. Levou 4 a 1 do todo poderoso Milan, que era detentor do título europeu. Fez 4 a 0 na volta, em Coruña – para depois ser eliminado pelo Porto de Mourinho na semifinal.

 


Pênalti em Neymar salva Barcelona do tropeço, mas não do vexame
Comentários Comente

juliogomes


Com 3 minutos de jogo, já estava 1 a 0. Era Barcelona, o todo poderoso Barcelona, contra o Leganés, time minúsculo, pela primeira vez em sua história na primeira divisão espanhola, pela primeira vez jogando no Camp Nou.

4 a 0? 5 a 0? 6 a 0? Qual seria o resultado final da partida?

Pois é. Foi 2 a 1. Com um gol de pênalti de Messi aos 44min do segundo tempo.

Pênalti cavado por Neymar, que jogou bem o tempo inteiro.

No Camp Nou, o Barcelona já havia perdido para o Alavés e empatado com o Málaga na temporada. Não havia conseguido superar os rivais Real e Atlético de Madri. Já são 9 pontos perdidos em casa. O Barça escapou de serem mais, mas não escapou das justas (e raras) vaias.

Seria surreal um tropeço neste domingo, porque o jogo era contra um debutante em péssima fase. Apenas dois pontos acima da zona de rebaixamento, sem vencer uma partida sequer desde novembro, o pior ataque do campeonato, que havia passado cinco dos últimos seis jogos sem fazer um golzinho.

Se o Barça não ganhasse do Leganés, ia ganhar de quem?

Tudo isso apenas cinco dias depois da humilhação de Paris, a derrota por 4 a 0 para o PSG que deixou o Barcelona praticamente eliminado nas oitavas de final da Champions League – fato que não acontece desde 2007.

O Barça começou o jogo com raiva. Querendo dar uma resposta após a goleada de terça-feira. Fez 1 a 0, martelou, realmente parecia que chegaria à goleada. Mas foi perdendo velocidade, ímpeto, caindo de novo na dinâmica de jogo que não encanta ninguém.

Mais do que falta de vontade, o Barcelona sofre de falta de jogo.

Neste domingo, Messi, Suárez e Neymar fizeram uma partida para lá de digna. Todos tentaram, participaram, se movimentaram. Mas jogam sozinhos. Os adversários sabem disso, dobram ou triplicam a marcação nos atacantes e deixam os meias e laterais livres.

Sergi Roberto definitivamente não é a resposta à sentida ausência de Daniel Alves. Foi ele, aliás, que perdeu uma bola boba, que acabaria no empate do Leganés – antes disso, diga-se a verdade, o Leganés já havia criado três boas chances em contra ataques. E ainda teve uma bola raspando a trave nos acréscimos.

Digne, o francês que jogou pela esquerda, fez uma má partida. Não ajudou Neymar em nada. André Gomes é um meio campista fraco e está virando o símbolo desta fase de futebol medonho do clube. É o rosto da crise.

Iniesta e Busquets fazem muita falta. Como também fazem Mascherano e Piqué. Como faz Rakitic (jogou, mas por onde andará aquele Rakicitc?). O Barcelona não consegue sair com a bola. Não há fluxo de jogo, triangulação, diagonais. O meio de campo culé não cria nada, apenas entrega a bola aos atacantes com uma mensagem de papel: “se vire aí”.

Luís Enrique foi massacrado ao longo da semana, até porque deu uma resposta extremamente grosseira a um repórter catalão após a goleada em Paris. Será mais uma semana tensa e de especulações. O técnico só tem contrato até o final da temporada e vai parecendo cada vez mais claro que não continuará. Quando isso fica claro, sobra tentar adivinhar quem chegará para seu lugar.

Quem tem Messi, Suárez e Neymar no time, nenhum deles machucado, precisa fazer algo melhor do que Luís Enrique vem fazendo.

O Barcelona está virtualmente eliminado da Champions. Na Liga espanhola, está um ponto atrás do Real Madrid – mas podem ser sete, porque o Real tem dois jogos a menos, e o duelo entre eles no segundo turno será em Madri. Sobra a Copa do Rei, com final contra o também pequenino Alavés.

Se a final fosse domingo que vem, capaz que desse Alavés. Mas domingo que vem o Barcelona tem que ir a Madri enfrentar o Atlético. Só isso.

O pênalti sofrido por Neymar, em uma jogada individual e nada coletiva, salvou o Barcelona de um tropeço surreal. Mas não salvou do vexame.

 


Gabriel Jesus brilha de novo e supera início de outros badalados
Comentários Comente

juliogomes

A estrela de Gabriel Jesus não para de brilhar. Neste domingo, o brasileiro deu a vitória ao Manchester City sobre o Swansea com um gol aos 47 minutos do segundo tempo.

Gabriel já havia feito o primeiro gol e dado passe de calcanhar para David Silva quase marcar, mas o fraco Swansea empatou e parecia que o City tropeçaria de novo. Guardiola colocou Aguero em campo aos 38min da etapa final, logo após sofrer o gol. Foi a segunda vez com Gabriel e Aguero juntos em campo. O argentino, desbancado de sua posição no comando do ataque, iniciou o lance que culminou no gol da vitória.

Está com pinta de que Sterling vai rodar, e Guardiola usará mais vezes a formação com Gabriel Jesus no ataque e Aguero pela direita.

Depois dos ótimos 8 minutos na estreia contra o Tottenham, quando fez um gol anulado e levou perigo em dois lances, Gabriel Jesus foi titular em três jogos seguidos. Deu assistência nos 3 a 0 sobre o Crystal Palace, pela Copa da Inglaterra, fez um gol e deu outra assistência nos 4 a 0 sobre o West Ham. E, agora, mete dois no jogo apertado contra o Swansea.

Se no início ele fazia aquela cara de choro a cada feito, agora já mostra sorrisos e confiança. Nada como um craque começar sua vida no futebol de mais alto nível deste jeito. Fazendo gols e eliminando as interrogações que pairavam sobre ele. Gabriel é um grande jogador, e que não só ele, mas todos a sua volta, saibam disso, é fundamental.

gabriel_swansea

O impacto de Gabriel Jesus é imediato. Ele está se entrosando rapidamente com David Silva e De Bruyne, os jogadores que devem municiá-lo. Faz bem o pivô, se movimenta bem pelos lados, abre espaços, não se intimida com o jogo mais físico da Inglaterra e subiu o nível do City.

Já 10 pontos atrás do imparável Chelsea, as chances de o City retomar o título inglês são remotíssimas. Mas vem Champions League por aí, com o confronto complicado contra o Monaco nas oitavas de final. O time de Guardiola ganha novo status com os gols trazidos por Gabriel.

O grande PVC comparou a chegada dele ao impacto trazido por Kaká ao Milan em 2003. Para mim, lembra mais a chegada de Pato ao mesmo Milan, estreando no meio da temporada 2007/2008. Assim como Gabriel Jesus, entra no time no meio do campeonato, vira titular imediatamente e faz três gols nos quatro primeiros jogos.

Pato tinha 18 anos quando estreou pelo Milan. Gabriel Jesus tem 19. Kaká tinha 21 quando estreou na Europa, assim como Robinho e Neymar.

Os ex-santistas também viraram titulares rapidamente em Barcelona e Real Madrid, respectivamente. Trouxeram empolgação aos torcedores, mas não necessariamente os gols que Gabriel e Pato entregaram de cara. Talvez Neymar, por chegar a um time já com Messi, tenha sido, entre os atacantes, o que menos tenha chegado com a responsabilidade de “salvador da pátria”.

Em comum a Kaká, Robinho, Pato e Neymar: nenhum deles conseguiu levar seu clube às finais da Champions League em suas temporadas de estreia. Kaká foi o único a levantar um troféu – o título italiano de 2003/2004 para o Milan.

Tive a felicidade de cobrir as estreias de Robinho e Pato, na época era correspondente da Band. Foi um frenesi danado. Só se falava neles, eram capas e capas de jornal – e um trabalho danado do meu lado, para conseguir entrevistá-los, mesmo que rapidamente. Experiência inesquecível, de ir a porta de hotel, plantões sem ter a certeza de que o objetivo seria alcançado, dezenas de gravações com torcedores empolgadíssimos. Eu mesmo virei “objeto” de reportagens, como jornalista brasileiro que poderia falar mais sobre aqueles meninos. Mesmo à distância, consigo ver as semelhanças. A história se repete, só que em outra cidade, outro país.

O início de Gabriel Jesus no City é melhor e ainda mais promissor do que o dos outros brasileiros badalados dos últimos 15 anos. Qual será o fim? Kaká virou melhor do mundo, Neymar ganhou tudo no Barça, Robinho conquistou títulos, mas nunca teve o tamanho que se imaginava. E Pato, que fez tanto barulho quanto Gabriel de cara, não virou muita coisa.

A empolgação é lícita, sem dúvida! Mas é sempre bom ter cautela.

Relembre o início dos outros quatro jogadores badalados nos últimos anos.

Neymar: 

Realizou quatro jogos de pré-temporada, fazendo dois gols. Estreia oficialmente em 18/8/2013, após a campanha de sucesso da seleção brasileira de Scolari na Copa das Confederações. Entra aos 19min do segundo tempo em jogo que o Barça venceu por 7 a 0 sobre o Levante. Não fez gols, ganhou um amarelo no finalzinho. O ataque do time foi formado por Messi, Pedro e Alexis Sanchez.

No segundo jogo, disputa da Supercopa da Espanha contra o Atlético de Madri, entrou aos 14min do segundo tempo e, sete minutos depois, fez o primeiro gol oficial no Barça. O jogo acabou empatado em 1 a 1, e o gol seria definitivo para dar o título da Supercopa ao Barça.

Ainda seria reserva no terceiro jogo. A partir daí, ganharia a posição de titular, relegando Pedro ao banco. Mas só foi marcar o segundo gol um mês e seis partidas (sempre como titular) depois daquele marcado no Calderón.

A primeira temporada de Neymar acabou com 15 gols em 41 jogos. O Barcelona acabou sem títulos – na temporada seguinte, no entanto, ganharia tudo.

Alexandre Pato:

Pato chega ao Milan no meio de 2007 e marca logo na estreia, em amistoso do time campeão europeu contra o Dynamo de Kiev. Só que ele só poderia fazer sua estreia oficial na reabertura do mercado de negociações, com 18 anos completos. Isso aconteceu em janeiro de 2008, após seis meses treinando no clube.

Assim como Gabriel Jesus, Pato chegou trazendo impacto imediato. Logo na estreia oficial, marcou na vitória de 5 a 2 sobre o Napoli. Titular do ataque até o fim daquela temporada, fez três gols nos primeiros quatro jogos. Sua primeira temporada acabou com 9 gols em 21 jogos, sem títulos. O Milan nunca mais voltou a ser o que era nos 10 últimos anos. Pato tampouco.

Robinho:

Assim como Neymar, chega “tarde”, após a Copa das Confederações de 2005 com a seleção brasileira. O Real Madrid estreia na temporada em Cádiz, no dia 28/8/05, e Luxemburgo coloca Robinho em campo aos 20min do segundo tempo, no lugar do volante Gravesen. Robinho brilha, com direito a chapéu, põe fogo no jogo, e o Real faz o gol da vitória com Raúl no finalzinho.

Já no segundo jogo, Luxemburgo coloca Raúl no banco, e Robinho vira titular. No quarto jogo com a titularidade, o quinto no Real, Robinho faz seu primeiro gol, contra o Athletic Bilbao. A primeira temporada de Robinho foi tumultuada, no entanto, com vários treinadores, presidente renunciando e o Barcelona ganhando Liga e Champions.

Robinho acabou a primeira temporada com 12 gols em 51 jogos. Seria campeão espanhol nos dois anos seguintes, antes de ir para o Manchester City e perder holofotes na Europa.

Kaká:

Chega ao Milan para ser reserva, mas desbanca Rui Costa e vira titular absoluto do time que havia sido campeão da Europa em 2003, comandado por Carlo Ancelotti. Estreia em 1/9/2003 na vitória por 2 a 0 sobre o Ancona, dando passe para gol. No sexto jogo consecutivo como titular, faz seu primeiro gol: justamente no clássico contra a Inter de Milão, vencido pelo Milan por 3 a 1.

Kaká fez 14 gols em 45 jogos na primeira temporada pelo Milan. O clube foi campeão da Série A italiana, mas ficou fora das semis da Champions, sem conseguir defender o título, e perdeu o Mundial Interclubes para o Boca Juniors nos pênaltis. Kaká levaria o Milan à final europeia em 2005, perdendo nos pênaltis para o Liverpool, mas conquistaria, finalmente, a Champions em 2007 – foi seu auge, quando acabaria eleito melhor do mundo.


Neymar iguala gols de Ronaldinho no Barça. E isso não quer dizer nada
Comentários Comente

juliogomes

Neymar fez um gol contra o Eibar, no fim de semana, e chegou a três gols em três jogos consecutivos, depois de um grande jejum. O Barça vive, talvez, seu melhor momento na temporada. Ganhou da Real Sociedad na Copa do Rei, após dez anos sem vencer em San Sebastián, e está pertinho do Real Madrid no Espanhol.

Neymar, em sua quarta temporada no clube, chegou a 94 gols em 164 jogos. Uma marca impressionante, sem dúvida. Se ficar mais alguns anos no clube, tem tudo para se transformar no brasileiro com mais gols com a camisa do Barça – Rivaldo tem 130 em jogos oficiais.

Ele chega, assim, aos mesmos gols que Ronaldinho Gaúcho conseguiu com a camisa do Barça – em 207 jogos.

Algumas ponderações: Neymar é muito mais atacante, enquanto Ronaldinho era muito mais criador. Ainda que joguem ambos pela esquerda, fazendo as diagonais, o estilo de jogo deles se diferencia a partir do momento em que Neymar é um fantástico finalizador, enquanto Ronaldinho era aquele jogador que tirava passes mágicos da cartola.

É natural que Neymar faça mais gols que Ronaldinho, ainda mais em uma época em que a distancia do Barcelona para os médios e pequenos do país é maior do que era dez anos atrás. O clube faz mais gols, o time é melhor.

No entanto, Neymar terá de remar muito, mas muito mesmo, para ocupar um espaço similar ao de Ronaldinho na história do Barcelona. Não bastarão títulos. É mais fácil alcançar um status maior que o de Rivaldo, mas muito difícil alcançar o Gaúcho.

Ronaldinho é o catalisador da mudança que transforma o Barcelona de um grande europeu para um gigante mundial. Era um momento de depressão do clube, de muitas derrotas, ligas vexatórias e convulsão política, contrastando com um Real Madrid galáctico, campeão da Europa três vezes em cinco anos.

Com seu futebol brilhante, fazendo os companheiros melhores em campo, seu sorriso no rosto o tempo inteiro, sempre de bem com a vida, Ronaldinho deixou a Espanha sem criar inimigos. E fez as pessoas se apaixonarem pelo Barcelona. Mais do que eficiente ou qualquer outra coisa do tipo, seu futebol era mágico. Este é o melhor adjetivo para os anos de Ronaldinho no Barça.

E essa magia, pelo menos por enquanto, Neymar não mostrou.

Seus dribles mais incomodam do que alegram. De alguma maneira, já disse isso aqui outras vezes, Neymar deve fazer seus oponentes se sentirem humilhados em campo. Não à toa, apanha tanto. Ronaldinho não apanhava. Mais sorrisos sinceros em campo, menos irônicos e sarcásticos. Isso, talvez, lhe aproxime do que foi o Gaúcho.

Neymar é, de longe, quem mais dribla e perde bolas na liga espanhola. Ou seja, o drible faz parte de seu jogo, como fazia no de Ronaldinho. Mas ele não desperta paixões. E, em uma época de futebol cada vez mais veloz e jogado em poucos passes, parece pouco produtivo.

Martín Ainstein, jornalista baseado na Espanha e que acompanha o Barça de perto, acompanhou a chegada dos dois jogadores ao clube e opina para o blog:

“Ronaldinho era um bailarino em campo. Seu futebol era o do drible mágico, extrovertido, sorridente. Era alegria sem necessariamente praticidade. O futebol de hoje, dez anos depois, é mais efetivo. Não existem esses risos. Neymar, quando se permite fazer algo fora do roteiro, recebe broncas. O mundo premia mais resultados que alegria e arte. O fato é que Neymar tem menos alegria do que aquele Ronaldinho”, diz Ainstein.

Ronaldinho foi protagonista de uma revolução na história do Barcelona. Revolução que fez, por exemplo, jovens como Neymar sonharem em defender a camisa do Barça. Neymar pode até ser, um dia, protagonista na Catalunha. Leva a carreira de forma profissional e parece valer à pena investir nele para ficar lá por muitos anos. Hoje, ainda é coadjuvante.

94 são muitos gols. Muitos mesmo. Neymar está no caminho certo e nem acho que esteja preocupado com esse tipo de comparações – isso é mais coisa de seu entorno. Mas acredito que não haja caminho para colocá-lo à altura do que foi Ronaldinho para o clube.

neymar_gaucho


Gabriel Jesus na Europa estará mais para Neymar ou Gabigol?
Comentários Comente

juliogomes

Em uma análise do respeitado jornal inglês “The Guardian”, ainda em agosto, a contratação de Gabriel Jesus pelo Manchester City foi comparada à chegada de Mirandinha ao Newcastle, em 1987. Lembram dele?

Dez anos antes de Gabriel Jesus NASCER, chegava o primeiro jogador brasileiro ao futebol inglês. A comparação, claro, só se deu porque Mirandinha vinha do Palmeiras, assim como Gabriel.

Mais vale especular se o novo garoto prodígio do futebol brasileiro terá um impacto parecido com o de Neymar ou com o de Gabigol na Europa. Ambos talentosos, jovens, que despertaram muito interesse e verdadeiras batalhas extra-campo de grandes clubes europeus por eles.

Neymar não chegou para ser o salvador da pátria. Chegou ao Barcelona de Messi. Um clube que tentava se acertar após a era Guardiola e a infelicidade de Tito Vilanova, que vivia a transição para um futebol mais “comum”, como o que joga hoje. Ainda assim, um clube campioníssimo, forte.

Quando Messi faltou, Neymar não deixou a peteca cair – é verdade que ter Suárez ao lado ajuda um tanto. Se nunca ameaçou o reinado do argentino, Neymar ganhou protagonismo, foi importante em temporadas vitoriosas e é claramente o futuro do clube. Ninguém duvida de Neymar em Barcelona.

Gabigol, por outro lado, vive situação inversa. Foi para a Inter de Milão (péssima escolha), ganhou poucos minutos até agora e vai ter de ganhar a vida em uma liga, a italiana, difícil demais para atacantes. Ainda mais para jogadores com as características que ele tem.

Talvez alguém tenha comprado o discurso de “novo Neymar”, discurso que eu nunca engoli. Dá para perdoar. As fornadas costumam ser boas na Baixada Santista.

Os “Gabrieis” acabaram tendo a chance de, ao lado de Neymar, conquistar a sonhada medalha de ouro olímpica. Mas aí chegou Tite na seleção principal e os destinos foram traçados de forma distinta: enquanto um virou titular, o outro perdeu espaço.

neymar_gabriel

Gabigol tem uma carreira de respeito na base, tem dois títulos paulistas no curriculum, chegou ao time principal do Santos aos 16 anos. Mas parece, à distância, ter aquela mentalidade comum entre os jovens jogadores brasileiros com mídia em excesso. Achar que tem um futebol muito maior do que verdadeiramente tem. Há campo para evolução, sem dúvida. Batalhar para triunfar em um clube difícil, em território hostil, como a Itália, talvez fosse mais louvável do que voltar logo para o Brasil (infelizmente, já começam a surgir especulações plantadas por empresários).

Gabriel Jesus, por outro lado, mostra muita maturidade. Chega à Europa com um título brasileiro no bolso, destaque em um clube que não ganhava o campeonato havia 22 anos. Não teve uma trajetória tão longa aqui como a de Neymar, poderia ter passado mais alguns anos em um clube grande como o Palmeiras, sendo elogiado e criticado, louvado e xingado. Poderia ter criado mais casca. Perdido e ganhado. Ainda assim, não saiu “sem jogar”, como aconteceu com muitos jovens que fizeram a transição sem escalas por nossa combalida elite.

Chega a um Manchester City com muitas interrogações no ar. Guardiola reclama das arbitragens, é criticado nas mesas redondas, começa a ser tratado na Inglaterra com um “bebê chorão”. Seu time perdeu tanto terreno para o Chelsea que o título inglês parece missão impossível.

Como Conte também chegou ao Chelsea no meio do ano, fica meio difícil justificar pela “falta de tempo de trabalho” o início claudicante do técnico mais badalado do mundo.

O que fará Guardiola com Gabriel Jesus? Vai jogar logo o menino na fogueira da Premier League ou vai dar tempo ao tempo? Como justificar um hipotético “pouco uso” do atacante diante da crise de resultados? Como ele será usado? Competindo com Aguero para jogar no comando do ataque ou com os “pontas”, transformando-se em Douglas Costa-2, “A Missão”?

O grande problema do City de Guardiola não tem sido a falta de gols – nos últimos 14 jogos oficiais, só não marcou em um. Mas, sim, o excesso de cartões vermelhos, erros de saída de bola e gols sofridos – nos últimos 22 jogos, só passou três sem levar pelo menos um gol. O jovem atacante brasileiro não é a solução para o principal buraco de Guardiola no momento.

Gabriel desembarcou nesta terça em Manchester e já se especula que ele possa jogar sexta-feira, pela Copa da Inglaterra. É um jogo secundário para o City. Se ele jogar, já teremos uma ideia do que pretende Guardiola.

Nunca é fácil chegar no meio da temporada, sem dominar o idioma, na liga doméstica mais competitiva do mundo, onde árbitros não protegem talentos e jornalistas preferem gastar tinta criticando atacantes que se jogam do que elogiando os que driblam.

Talvez, para este restante de temporada, a resposta à pergunta proposta por este post seja “nem Neymar, nem Gabigol”. Possivelmente Gabriel Jesus tenha muitos minutos, mas sem um impacto imediato. Nem vai ficar encostado, como Gabigol, nem “chegar chegando”, como Neymar.

Para os próximos anos, eu apostaria algumas fichas em Jesus como o Gabriel mais importante pelas bandas de lá.

Após uma curta pausa de fim de ano, aqui estamos de volta para debater futebol e esporte em alto nível. Sem histeria, sem interesses escusos ocultos, sem bordões, sem preconceitos. Queremos cada vez mais tratar o futebol como ele merece. E queremos uma sociedade menos agressiva e violenta, física ou verbalmente.

Agradeço muito aos que deixaram comentários construtivos (a maioria!) ao longo do ano passado e sejam todos e todas bem vindos para participar também em 2017. Sempre com educação e respeito à opinião do próximo. Não deixem de opinar, concordar, discordar, compartilhar o que vocês leem por aqui. Não deixem de acompanhar o melhor noticiário aqui nas páginas do UOL Esporte.

Aproveitem para me seguir também no Twitter e no Facebook. É só clicar nos links. E um feliz ano novo para todos nós!


Iniesta e Modric, gênios do clássico e do futebol total
Comentários Comente

juliogomes

Quem esperava ver Messi e Cristiano Ronaldo no superclássico deste sábado, em Barcelona, viu mesmo Andrés Iniesta e Luka Modric. Dois jogadores exemplares, símbolos do futebol total que se joga hoje em dia nos quatro cantos do mundo.

Não, não quero aqui tirar os méritos de Messi, Suárez e Neymar, três gênios da bola. Apenas colocar um asterisco. Como funciona melhor o badalado trio de ataque do Barcelona quando Iniesta está em campo!

Iniesta não é um jogador subestimado, eu diria. Sim, ele é valorizado. Mas talvez mais por aquele gol de Johanesburgo, da final da Copa de 2010, do que pela bola que joga há mais de dez anos, semana sim, semana também.

Uma lesão no joelho deixou Iniesta fora dos gramados desde 22 de outubro. No período, coincidência ou não, o Barcelona viveu seu pior momento em dois anos e meio de Luís Enrique. Tropeços em casa na Liga, derrota na Champions, seis pontos abaixo do líder na tabela. Em 12 anos, desde o início da “era Ronaldinho” e a subsequente fase de títulos, a maior da história do Barça, nunca o clube catalão chegou para um clássico contra o Real Madrid tão contra a parede.

Se perdesse hoje, adeus Liga. Em dezembro?? Sim, em dezembro. Nove pontos abaixo… esqueçam. Até mesmo o empate é horroroso para o Barça, principalmente com um gol sofrido aos 44min do segundo tempo. Gol de Sergio Ramos que fez justiça ao que foi o jogo todo, o 1 a 1 ficou de bom tamanho no Camp Nou.

E o fato é que o primeiro tempo e o início do segundo refletiram exatamente o momento dos clubes.

O Real Madrid foi bastante melhor que o Barcelona, tinha as ideias claras em campo, sabia melhor o que fazer para seu plano de jogo triunfar. O Real marcou atrás, com linhas bem juntas e sem deixar o trio de ataque do Barça receber bolas com espaço ou sem ajudas de marcação.

Aos 2min de jogo, a arbitragem prejudicou o Real ao não marcar pênalti tão claro como bobo de Mascherano em Lucas Vázquez. O erro não abalou o líder. Modric só não fez chover no meio de campo. Futebol total, essa talvez seja a melhor definição. Box to box. Cortando as linhas de passes de Messi, infernizando o argentino sem dar um carrinho sequer, se associando com todos os setores, participando de tudo. Modric é o Iniesta do Real, o motorzinho. Não tão absurdamente genial com a bola nos pés, mas incrivelmente eficiente de área a área, com ou sem a posse.

O domínio não foi traduzido em chances claríssimas de gol, mas o Real teve finalizações perigosas com Cristiano Ronaldo e Varane, de cabeça. O Barça nada fazia. Aos 40min, um cruzamento de Alba foi cortado com o braço por Carvajal. Outro pênalti não marcado. Claro que a história do jogo teria sido totalmente outra se o Real abrisse o placar aos 2min de jogo, mas ficou uma sensação de “elas por elas”, com um pênalti não marcado para cada lado.

No segundo tempo, a história era a mesma. Até que saiu o gol. Como sempre, o gol muda tudo. Não foi uma grande partida de Neymar, mas ele sofre a falta e cruza para Suárez marcar de cabeça. Na construção de jogo, nada funcionava para o Barça. Na bola parada, tudo se resolveu.

Logo depois, entrou Iniesta. E aí virou um desfile em campo de um jogador que tem tudo. Classe, inteligência, velocidade, visão, noção de espaço.

Tivemos então um gol perdido por Neymar e outro por Messi (após passe genial de Iniesta, tipo tacada de bilhar, quebrando todas as linhas de marcação possíveis). Messi, maior artilheiro da história dos clássicos, está há seis jogos sem marcar contra o Real. Devia ter feito o 2 a 0, o empate vai para a conta dele.

Ficou aquela sensação de que o Barça havia perdido a chance de matar o jogo. E foi exatamente isso. Zidane colocou Casemiro em campo, ausente da Liga por dois meses. Entrou um volante por um meia. Em um time que estava perdendo. A substituição foi perfeita. Casemiro conseguiu dar mais equilíbrio ao meio de campo, e Modric se aproximou mais do ataque.

Nos dez minutos finais, o Real foi para cima do Barcelona e chegou ao empate também na bola parada. Cruzamento perfeito de Modric, quem mais seria? Com Sergio Ramos em campo, amigos, é melhor nunca fazer uma falta perto da área nos minutos finais. Ele está sempre lá para ser herói. O Atlético de Madri sabe bem disso.

Para o Barcelona, fica o gosto da derrota. Em vez de colocar fogo na Liga, segue seis pontos atrás com quatro empates em seus últimos cinco jogos. Por outro lado, a melhor notícia é a volta deste gênio chamado Iniesta. Um sopro de esperança.

Paremos de falar do trio MSN. É justo começar a citar sempre o quarteto MSNI.

Para o Real Madrid, é um empate com gosto de vitória e título. Placar justo, dada a atuação do primeiro tempo e o pênalti não marcado no início. Recuperando machucados e com esta vantagem, o Real de Zidane, invicto há 33 partidas, está cada vez mais forte. A maior invencibilidade da história do Real? 34 jogos. Tem algo grande acontecendo no Bernabéu.