Blog do Júlio Gomes

Arquivo : Cristiano Ronaldo

Asensio deixa o projeto PSG contra a parede
Comentários Comente

Julio Gomes

O PSG fez quase tudo certo durante quase todo o tempo. Mas o Real Madrid é o Real Madrid. E, se de um lado alguns gols foram perdidos, do outro eles foram feitos.

Os 3 a 1 do Real Madrid no Bernabéu não acabam com a eliminatória. É claro que o PSG pode ganhar por 2 a 0 ou mais em Paris. Mas, convenhamos, é o atual bicampeão europeu quem tem o comando da disputa pela vaga nas quartas de final.

O projeto bilionário do PSG está contra a parede. Não é exatamente o plano gastar toda essa grana para conquistar torneios domésticos e ser eliminado nas oitavas de Champions.

Quando o Paris Saint-Germain melhor jogava, quando parecia que o time de Neymar faria o segundo gol, entrou Asensio. 22 anos de idade. Já conhecido por quem acompanha mais de perto o futebol europeu, mas não de tanta gente que fica restrita ao futebol local. O menino simplesmente acabou com o jogo – olho nele, que pode explodir de vez na Copa.

Em pouco mais de 10 minutos em campo, Asensio fez as jogadas dos dois gols que decretaram a virada e a vitória do Real Madrid.

Neymar jogou bem, ainda que tenha tomado um cartão amarelo bobo e perdido algumas chances de gol. Daniel Alves, restrito à defesa no primeiro tempo, foi importantíssimo para o domínio do PSG no segundo. Marquinhos fez uma partida impecável – que Thiago Silva tenha sido deixado no banco é uma notícia e tanto. Quem confia no homem?

O técnico Unai Emery foi bem também – falarei disso mais para frente. Colocando-se no lugar do torcedor do PSG, é difícil entender por onde veio o trem branco que passou por cima e gerou esse resultado.

Mas ele veio na forma de Asensio e os dois gols de Cristiano Ronaldo, apesar de alguns outros perdidos.

A escalação do PSG, sem um volante de origem, foi ousada. Incrível que um elenco milionário como este tenha para jogar de 5 apenas Thiago Motta, um jogador com a carreira marcada por lesões. Foram desenterrar Lass Diarra no mercado de inverno, mas seria bizarro colocá-lo em um jogo como este.

Sobrou para o jovem argentino Giovani Lo Celso, 21 anos apenas. Não foi uma escalação inédita, mas uma coisa é ter Lo Celso por ali em partidas do Francês, em que o PSG domina completamente e o adversário mal passa do meio de campo. Outra coisa é jogar assim no Santiago Bernabéu. Lo Celso acabaria cometendo um erro grave, no gol de empate, típico de quem tinha que fazer o que não sabe.

Zidane optou por Isco no meio de campo. E, como se esperava, o Real Madrid dominou o setor e o jogo nos primeiros 10 minutos.

Mas o PSG conseguiu, pouco a pouco, controlar as ações. Rabiot, que foi o melhor em campo, Verratti e Lo Celso passaram a ditar o ritmo do jogo, sem chutões. E, consistentemente, encontraram Neymar pela esquerda. Ele chegou a ter algumas bolas em 1 contra 1 para cima de Nacho, um lateral que na verdade é um zagueiro.

Se de um lado Neymar teve duas bolas em que recebeu em velocidade, trouxe para o meio e tomou as decisões erradas, do outro lado Cristiano Ronaldo perdeu dois gols que não costuma perder e ainda bateu mal uma falta que seria “meio gol” em outros pés – inclusive os dele.

Até que, quando finalmente trocou de lado e avançou pela direita, o PSG viu uma boa jogada de Mbappé acabar em gol. O cruzamento sobrou para Rabiot, que finalizou livre enquanto Modric só assistia.

O PSG era superior em campo, jogando com personalidade e com muita obediência tática. Não víamos o Neymar anárquico de alguns jogos e, sim, o Neymar jogando como rende melhor. Pela esquerda, com liberdade para flutuar.

O Real Madrid achou o empate no final do primeiro tempo, em uma infantilidade de Lo Celso, que agarrou o pescoço de Kroos na área. Cristiano Ronaldo bateu bem e fez seu gol número 100 pelo Real Madrid em Champions League.

O segundo tempo começou melhor para o Real Madrid. Casemiro, Modric, Kroos e Isco passaram a fazer valer a maioria no meio de campo, e o time da casa tinha o jogo sob controle, ainda que sem grandes chances de gol.

Foi aí que Unai Emery mudou o jogo. Com uma substituição suspeita, no papel, e ótima taticamente, na prática. A entrada do lateral Meunier no lugar de Cavani. O futebol é maravilhoso também por isso. Uma substituição que parecia defensiva, com 1 a 1 no placar, deixou o PSG muito melhor em campo.

Daniel Alves, que estava em campo apenas para impedir os avanços de Marcelo, passou a jogar pela direita na linha ofensiva – como no Barcelona ou na Juventus. Mbappé foi para o comando do ataque, trocando de posição com Neymar constantemente. O time passou a atacar de forma dinâmica e criou várias chances de gol.

Mas… não fez.

A resposta de Zidane demorou alguns minutos. Ele colocou em campo Asensio e Lucas Vázquez – Bale já havia entrado. E tirou Casemiro e Isco, que caíram muito do primeiro para o segundo tempo. Deu certo. Quando o Real Madrid se encontrava pior em campo, duas jogadas de Asensio acabaram nos gols de Cristiano Ronaldo e Marcelo.

Meunier acabou entrando mal em campo. A substituição de Emery foi ótima taticamente, mas na parte individual o trem passou por cima de Meunier.

Eliminatória aberta. Pero no mucho.

 


Real Madrid, a vitória necessária e o ‘recadito’ para o PSG
Comentários Comente

Julio Gomes

O Real Madrid faz uma temporada ruim. Simples assim. Não há copo meio cheio. Ele está, na verdade, bem vazio. O Real está a 16 pontos do Barcelona, sem chances de repetir o título espanhol. Foi eliminado em casa da Copa do Rei pelo Leganés, um clube minúsculo. Levou uma sova do Tottenham na Liga dos Campeões, ficou em segundo na fase de grupos e terá de pegar o PSG nas oitavas.

Temporada ruim, decepcionante. Menos de um ano atrás, parecia que o Barcelona iria ladeira abaixo e o Real Madrid dominaria o futebol no país de forma contundente. Quem pensou isso, como eu, caiu do cavalo. No mercado de inverno, Zidane preferiu não se mexer. Confiava que conseguiria recuperar o time com o que tinha em mãos. “Fechar o grupo”.

As últimas três semanas tiveram, alternadas ao vexame na Copa do Rei e o empate contra o Levante, goleadas de 7 sobre o La Coruña, um 4 a 1 em Valência e os 5 a 2 deste sábado, contra a Real Sociedad. Dá para dizer que, no mínimo, no meio da instabilidade, o time reencontra momentos de brilho e reafirmação.

E o que aconteceu neste sábado é muito promissor. Naturalmente, o Real Madrid teria escalado reservas contra a Real Sociedad. Afinal, a Liga já era e não haveria por que arriscar uma lesão antes de pegar o PSG.

Mas as ideias de Zidane eram outras. O francês via a necessidade de uma boa vitória, uma boa apresentação, para dar confiança e tranquilidade antes de quarta-feira.

Só não começaram jogando Casemiro e Bale. É óbvio que o time precisava de um jogo e um resultado como esses. Cristiano Ronaldo, que fez uma primeira metade de temporada meia boca, chega com um hat trick de moral. Será que repete o filme da temporada passada?

A grande sacada de Zidane em 2017 foi ganhar a Liga espanhola com meias e atacantes reservas. Os caras ganharam vários jogos duros e deram descanso para os titulares voarem na Champions League. Quem sabe a grande sacada deste ano seja confiar o tempo todo nos titulares. Veremos se o plano dará certo.

Ao final da partida contra a Real Sociedad, em vez do tradicional “Hala, Madrid”, hino do clube, os alto falantes do Bernabéu entoaram o “hino” da Champions.

Um recadito. Uma mensagem clara para o PSG. Estamos aqui. Estamos prontos. Podem vir quente que estamos fervendo.

 


Real Madrid se afunda na falta de gols e na seca de Cristiano
Comentários Comente

Julio Gomes

Foi um ano e meio fazendo gols em todos os jogos. Todos. 73 partidas consecutivas guardando pelo menos um, recorde absoluto de um Real Madrid que viveu uma fase em que tudo dava certo com Zinedine Zidane.

Quando começou a temporada 17/18, após passar por cima do Barcelona na Supercopa espanhola, parecia que o Real Madrid iria atropelar todo mundo que viesse pela frente. A Liga dos Campeões da Europa, sempre marcada pelo equilíbrio de forças, começou com um favorito absoluto, o time a ser batido, como há muito não se via.

Pois é. Acelere a fita. E, neste sábado, o Real Madrid viveu mais uma tarde de depressão no Santiago Bernabéu. Quatro graus Celsius, muita chuva, arquibancada fria, molhada e impaciente. Trocentas chances criadas. Zero gols. E mais uma derrota. 0 a 1 contra uma Villarreal que nunca havia vencido neste estádio.

Depois da sequência histórica de 73 jogos oficiais marcando, agora o Real Madrid passa em branco pela quinta vez em 25 partidas. 20% dos jogos, portanto.

O Bernabéu não vê uma vitória do Real há mais de um mês. Em 16 jogos oficias na temporada em casa, o Real ganhou 8 e não ganhou 8. Isso mesmo. Este contra o Villarreal já é o quinto tropeço em casa na Liga espanhola, a terceira derrota em dez jogos.

Não à toa, as vaias foram intensas a partir do gol do Villarreal, que já saiu nos minutos finais – aliás, um golaço de Fornals. São vaias generalizadas e difusas, sem um vilão claro. Afinal, quem vai ficar xingando Zidane ou Cristiano Ronaldo?

O melhor jogador do mundo vive sua temporada mais seca em muitos anos. E passa por ele e por um ataque que não funciona a explicação para o que vem acontecendo.

Afinal, foram quase 30 chegadas ao gol, 12 escanteios, muitos lances criados. É verdade que o goleiro Asenjo, do Villarreal, pegou muito. Mas Cristiano Ronaldo, por exemplo, perdeu um gol feito no primeiro tempo, daqueles que talvez nunca tenhamos visto perder. Nos últimos dez jogos pelo Espanhol, ele foi à rede em só dois deles – e jogando os 90 minutos sempre. Tem quatro gols no campeonato, que contrastam com os nove que marcou na Champions.

Para quem achava que o problema era Benzema, talvez seja melhor rever conceitos. Se antes estava dando tudo certo, hoje parece claro que as coisas estão dando errado para o Madrid.

O primeiro turno acaba na Espanha. É verdade que o Real Madrid ainda tem um jogo a menos, mas soma 32 pontos contra 48 do líder Barcelona – que encerra a rodada no domingo contra a Real Sociedad. Está bem atrás de Atlético de Madri e Valencia e tem na cola Sevilla e Villarreal.

A última vez que o Real Madrid acabou em quarto lugar no campeonato foi em 2004 – alguns meses depois, chegaria Vanderlei Luxemburgo. A última vez que ficou fora do G4 foi no ano 2000 (quando conquistou a Champions). A última vez que ficou fora da Champions foi na temporada 96/97. É este o tamanho do risco que o time atual está correndo.

Rafael Benítez foi demitido dois anos atrás após 18 jogos na Liga espanhola – 11 vitórias, 4 empates e 3 derrotas (37 pontos) – 47 gols marcados. Na atual temporada, Zidane disputou os mesmos 18 jogos no Espanhol – 9 vitórias, 5 empates e 4 derrotas (32 pontos) – apenas 32 gols marcados.

Sim, o jogo do Real Madrid é pobre. Mas chances estão sendo criadas. Está na hora de Cristiano Ronaldo aparecer, senão o confronto contra o PSG não vai ter nem graça.


Neymar será Bola de Ouro! Dezoito previsões bombásticas para 2018
Comentários Comente

Julio Gomes

No meu post de fim de ano em 2016, previ o título europeu do Real Madrid, o brasileiro do Corinthians, o Grêmio voando com Renato Gaúcho, a saída de Neymar para o PSG, o Oscar para Moonlight, o fim do jejum da Portela no Carnaval… pena que esqueci de clicar no botão “publicar”!

Alguém caiu nessa? Não, né. Assim como ninguém cai nas desculpas de Marco Polo del Nero para não sair do Brasil…

Apesar da CBF, apesar da bandidagem, apesar da cartolagem, apesar da empáfia característica do futebol brasileiro, a seleção será hexacampeã do mundo na Rússia.

É com essa previsão que abrimos o post “bola de cristal” que encerra o ano. 18 palpites para 18.

Foram 253 postagens ao longo de 2017. E de antemão agradeço muito a quem leu, comentou, compartilhou. A ideia aqui não é polemizar de graça, criticar ou elogiar em função de preferências pessoais. A ideia é tratar o esporte de maneira séria e com responsabilidade.

Esquentando a bola de cristal… e vamos lá!

A seleção será hexa porque está pronta para isso, porque está mordida, porque tem um grande técnico, porque é forte em todos os setores, porque na semi romperá a maldição de sempre perder da França em Copas, porque na final manterá a Espanha na lista de fregueses e porque Neymar colocará seu nome na história…

…Neymar irá quebrar a dicotomia Messi-Cristiano e, com a taça na Rússia, ganhará todos os prêmios de melhor do mundo. Mas por causa da Copa, não do clube, já que o PSG, apesar das grandes atuações dele, justificando o investimento, não conquistará a Champions League…

…o PSG irá eliminar o Real Madrid nas oitavas de final, mas cairá na competição nas quartas, quando enfrentar um dos times de Manchester…

…Guardiola e Mourinho se enfrentarão na semifinal da Champions. Pep vai levar a melhor, Mou irá reclamar da arbitragem, pois seu time acabará o jogo decisivo com dez homens, e o City jogará e triunfará contra o Bayern de Munique na decisão de Kiev…

…Guardiola derrotará Tite na eleição de melhor técnico do ano e será aclamado como o melhor de todos os tempos…

…De Bruyne será o grande nome da Champions e chegará na Copa com status de “rival de Neymar” pelos prêmios individuais nos próximos anos, mas sucumbirá com a Bélgica nas quartas de final, no jogo mais difícil para o Brasil na Rússia…

…Messi será campeão espanhol com o Barcelona pela nona vez em 14 temporadas, mas será eliminado com a Argentina na primeira fase da Copa e anunciará a aposentadoria da seleção…

…a Islândia avançará no grupo da Argentina e será a Cinderela da Copa…

…Cristiano Ronaldo deixará o Real Madrid rumo à Inglaterra no meio do ano, na transferência que deixará em segundo plano a multimilionária venda de Philippe Coutinho ao Barcelona…

…Richarlison e Malcom serão os outros dois jogadores brasileiros vendidos por um valor bizarro, mas só passarão a defender a seleção depois da Copa…

…Maradona subirá no caminhão e desfilará com o time do Napoli, campeão italiano pela primeira vez em 28 anos, e participará de todos os eventos festivos, que irão parar a cidade por sete dias…

…no Brasil, o grande time do ano será o Cruzeiro, que irá ganhar algum título grande. Thiago Neves será o nome do ano por aqui…

…o Palmeiras será o grande rival do Cruzeiro ao longo do ano na disputa pelos títulos mais importantes…

…o Grêmio irá perder Luan e Arthur, deixar o Brasileiro em segundo plano e priorizar as Copas novamente, mas desta vez sem sucesso…

…antes do final do ano, Renato Gaúcho será anunciado técnico do Flamengo, que será eliminado na fase de grupos da Libertadores e terá mais um ano abaixo do esperado…

…o Corinthians? Vai despencar. Mas Andrés Sanchez não demitirá Carille…

…o Fluminense finalmente cairá para a Série B, após perder disputa ferrenha com o Botafogo…

…e a CBF seguirá sendo presidida por picaretas, e as instituições públicas nada farão para incomodar nossos bandidos.

Por falar em bandidos, eles continuarão sendo maioria absoluta no Congresso mais conservador já eleito na história e que fará do próximo presidente, quem quer que ele seja, mais um refém da política do toma-lá-dá-cá. Seguiremos na lama. Mas com seis estrelas no peito.

Bom ano a todos!


Zidane inventa, erra feio, e Barça “mata” o Real Madrid na Liga
Comentários Comente

Julio Gomes

Zinedine Zidane vai completar em janeiro dois anos à frente do Real Madrid. Neste período, ganhou uma Liga Espanhola e duas Champions League seguidas, o que nunca havia acontecido na era moderna da competição. O francês se notabilizou por não inventar. É um ex-craque, que conhece o clube, a linguagem necessária para estimular e fazer com que os seus jogadores funcionem em campo. Nunca pareceu ser um gênio tático ou um mestre das substituições durante os jogos.

Hoje, Zidane inventou. O Real levou 3 a 0 na testa. E a Liga acabou.

Zidane tirou Isco do time, colocou Kovacic. No primeiro tempo, a estratégia de ganhar o meio de campo até que deu certo em alguma medida. O Real Madrid teve a posse de bola e, jogando pela esquerda, Cristiano Ronaldo criou muitos problemas para o Barça. Mas faltava criatividade, o último passe. O passe de morte. Faltava Isco.

É verdade que Messi mal pegou na bola. Quando conseguiu, encontrou um lançamento para Paulinho, na única chance do Barça no primeiro tempo. Aliás, Paulinho já justificou com sobras o investimento. Sem Neymar, o Barça passou a jogar em um 4-4-2 que só dá certo porque Paulinho tem muita chegada no ataque.

O primeiro tempo foi do Real Madrid, mas as chances criadas foram poucas – basicamente uma rara furada de Cristiano Ronaldo e uma grande defesa de Ter Stegen. No segundo tempo, o Barcelona voltou muito melhor. Com Rakitic mais próximo de Busquets e o time mais compacto no meio, aliado a um Real Madrid “mole”, começaram a surgir os primeiros contra ataques para o Barcelona.

Num deles, criado por Busquets e puxado por Rakitic, Kovacic fingiu que não era com ele, Casemiro estava muito recuado e saiu o gol de Suárez. Mesmo assim, Zidane demorou para reagir. Nada fez. Até que saiu o segundo gol, em pênalti anotado por Messi e com expulsão de Carvajal. Ali, a vitória do Barcelona ficou decretada.

O Real ainda tentou depois de Zidane tirar os dois volantes, Ter Stegen brilhou e sairia o terceiro gol nos acréscimos, de Vidal.

O preço pago pelo Real Madrid pelos erros de Zidane é altíssimo. A derrota por 3 a 0 para o Barcelona é a quinta nos últimos sete superclássicos disputados no Santiago Bernabéu. Em Madri, quem manda é o Barça. Não à toa, vimos algo raro neste sábado: um time vaiado pela própria torcida.

Antes de começar a temporada, o Real Madrid era destacado favorito para ganhar o Campeonato Espanhol. Nos duelos entre os dois gigantes na Supercopa, no início da temporada, o Real atropelava um Barça em depressão, que perderia Neymar para o PSG. Naquela ocasião, Piqué, um ícone da Catalunha e do clube, disse o seguinte:

“Pela primeira vez, em anos, me sinto realmente inferior ao Real Madrid”.

Piqué estava correto. Havia um abismo entre os clubes. Mas talvez essa noção e o fato de terem vencido tudo foram fatores que geraram desatenção no Real Madrid. O time começou mal a temporada, com tropeços pouco usuais.

Enquanto isso, o Barcelona ia vencendo, vencendo, vencendo. Mesmo sem Neymar. Mesmo com tantas lesões. Mesmo com a seca de Suárez. Mesmo sem encantar. Mesmo com toda a fervura política na Catalunha. O Barça fechou os ouvidos e foi vencendo, vencendo, vencendo.

Chegamos ao clássico deste sábado, e o Real Madrid precisava vencer para sobreviver. Perdeu. E o Campeonato Espanhol virou missão impossível. São 14 pontos de desvantagem (que podem ser 11, porque o Real tem um jogo a menos). Até hoje, na história da Liga, a maior “remontada” foi de 9 pontos.

Zidane será muito pressionado nas próximas semanas, até as oitavas de final da Champions, contra o PSG. Neste momento, o Real Madrid seria presa fácil para o time francês. Algo está acontecendo nos bastidores, e possivelmente alguns destes atritos virão a público nos próximos dias.

Vamos ver como Zidane vai se virar para reencontrar o time e a forma de vencer.


Real Madrid enfrenta ‘match point’ contra o Barcelona
Comentários Comente

Julio Gomes

Antes do início do Campeonato Espanhol, o Real Madrid tinha ares de favoritaço. O bicampeonato era uma barbada.

Afinal, o Real, além de campeão espanhol, é o bi europeu. Acabou o primeiro semestre voando, atropelando quem aparecesse na frente. Encontrou um Isco mágico com a titularidade no meio de campo. E mostrou reservas de muitas garantias, liderados por Asensio e Morata, que deram conta do recado quando necessário e mostraram que pediriam passagem logo logo.

Já o Barcelona… bem, o Barcelona, além de ter acabado bem mal a temporada, dando sinais de decadência, perdeu simplesmente Neymar, com requintes de humilhação, no mercado de verão. E ainda levou um “não” do Liverpool, apesar de tanto insistir por Philippe Coutinho.

Acelere a fita e estamos no fim do ano. O Barcelona tem 11 pontos de vantagem para o Real Madrid, ainda que este tenha um jogo a menos, devido à viagem para o Mundial.

O time de 2017 acaba o ano contra a parede.

O Real tropeçou no começo da temporada. Isso quase sempre acontece, os dois gigantes vira e mexe dão umas escorregadas no início do campeonato. Só que não foi o caso com o Barcelona de Ernesto Valverde, mesmo sem Neymar.

O Barça só não venceu Atlético de Madri e Valencia fora de casa, resultados normais, e tropeçou com o Celta em casa. Foram 13 vitórias até agora, com três empates e nenhuma derrota. Daí, a vantagem expressiva.

O Real Madrid chega ao clássico com o troféu do Mundial no bolso, mas sabedor de que essa é a principal “final” de dezembro para o clube. É uma espécie de match point. Que o Real só salva com vitória. Isso quer dizer que o Barcelona será campeão caso não perca? Ainda não. Até porque o Atlético de Madri está perto e vai se reforçar no mercado de janeiro. Mas é difícil o Real buscar o título se não conseguir diminuir a desvantagem no confronto direto.

O Real ganhou três dos últimos cinco clássicos contra o Barça. Mas, em casa, no Santiago Bernabéu, perdeu quatro dos últimos seis confrontos.

Só 1 dos últimos 14 clássicos acabou empatado. Em só 2 dos últimos 25 clássicos algum time ficou sem marcar. Só 1 dos últimos 30 clássicos teve menos de dois gols marcados. Ou seja, a tendência do jogão nos últimos anos tem sido de gols e alternância de placar.

Desta vez, é plausível acreditar que o Real Madrid tomará o comando das ações e terá mais posse de bola. Zidane tem todos os titulares à disposição e um time que já sabemos de cor. Casemiro, Kroos e Modric formam o melhor meio de campo do mundo. Isco flutua na armação para Cristiano Ronaldo e Benzema. É um time que já provou nos últimos anos que cresce quando importa.

O Barcelona, ao contrário dos últimos anos, é um time mais equilibrado e menos exposto defensivamente com Valverde. Paulinho não é titular sempre, mas fatalmente será no sábado, até porque tem muita explosão e chegada à frente. Sua presença faz com que Iniesta e Rakitic tenham mais liberdade em determinadas situações. E, claro, Messi e Suárez são a garantia na frente de que qualquer coisa pode acontecer.

Messi já fez 14 gols no Bernabéu. Cristiano Ronaldo também tem o Barça como uma das vítimas prediletas. Os dois maiores do século.

É o maior jogo de futebol do mundo. E com aquele componente político que conhecemos – nesta semana foram realizadas eleições na Catalunha, os ânimos estão à flor da pele e a arquibancada mostrará isso. Quem gosta de futebol, não pode perder.


Cristiano Ronaldo ou Renato Gaúcho? Apenas parem, por favor
Comentários Comente

Julio Gomes

De repente, Renato Gaúcho faz uma piada. Isso mesmo, uma piada. Ao seu estilo. Bonachão, cariocão, malandrão, todo cheio de si. Eu gosto do Renato. Não gosto do culto à malandragem nociva que assola nosso país, mas acho ele bem mais que isso. Acho esse estilo necessário, o futebol precisa de gente assim. E gente assim faz esse tipo de gozação, do tipo “joguei mais bola que o Cristiano Ronaldo”.

A fanfarronice é ótima para discussões de mesa de bar. E claro que não passou daquilo. De uma piada, uma brincadeira, um deboche. Mas o mundo gira que gira, dá voltas e mais voltas, e chegamos a um Grêmio x Real Madrid na final do Mundial de Clubes. Justo o Grêmio de Renato contra o Real de Cristiano.

E aí abriu-se uma “discussão”. Que, logicamente, é uma não-discussão.

Porque Cristiano Ronaldo é simplesmente o melhor atacante da era mais competitiva da história do futebol (não estou colocando Messi como atacante).

“Ah, mas Julio, nos tempos de Pelé tinham muitos mais grandes jogadores”. E aí começam a listar um monte de meias, atacantes, gente divina, que marcou o futebol. Mas não vejo a listagem com muitos zagueiros, volantes, goleiros.

O quanto era mais fácil fazer gol? Naquela época ou na atual? Basta ver os números. Em que tempos se jogava mais jogo de alta competitividade? Naquela época ou na atual?

Comparar épocas é muito delicado. Porque se 50 anos atrás os atacantes eram menos protegidos pelas arbitragens, as bolas eram de couro, o material esportivo era pior, os campos eram horríveis, a medicina não era evoluída, etc, etc, etc, etc, etc, hoje em dia temos tudo isso acima valendo para todo mundo, não só para quem mete gol. E mais. Temos vídeos, temos TV e Internet mostrando tudo o que todos fazem. E isso beneficia muito mais destruidores do que construtores. A competição é mais equilibrada.

Um zagueiro que enfrentou Pelé e Garrincha em uma Copa do Mundo tinha visto quantos jogos deles? E hoje, alguém que enfrenta Messi e Cristiano Ronaldo? Quem levava mais vantagem, portanto? Os defensores daquela época ou os de hoje, que sabem até a cor da cueca dos caras?

“Ganhar prêmios em outras épocas era mais difícil, porque havia mais craques”. Sim. Sem problema algum se você quiser considerar que Xavi, Kaká, Ibrahimovic, Iniesta, Neymar, Kroos, Suárez, Roberto Carlos, Buffon, Ronaldinho, entre tantos e tantos outros, não são ou foram craques.

Pelé e Di Stefano foram os reis do seu tempo. Depois vieram Cruyff e Beckenbauer. Maradona, Romário, Ronaldo, Zidane. E vieram Messi e Cristiano Ronaldo. São eras. Os gigantes de determinadas eras.

É neste grupo que está Cristiano Ronaldo. O maior do seu tempo ao gosto de alguns. Ou o segundo maior.

Quem fala que Cristiano Ronaldo é apenas físico ou que treina mais que os outros e, por isso, triunfa, comete uma injustiça do tamanho da boca de Renato Gaúcho. É uma mentira que anda sendo contada por aí e que está colando.

O que exatamente é a tal técnica que outros têm melhor que Cristiano Ronaldo? Chutar para o gol é técnica? Domínio de bola, passe, visão de jogo, drible em velocidade, cabeceio… essas coisas são o quê, então? Brasileiro se confunde muito, acha que “técnica” é ficar dando pirueta nas embaixadinhas de aquecimento antes do jogo.

Não usarei adjetivos, porque não estou aqui para ofender ninguém. Mas, na minha opinião, quem fala isso em público, que Cristiano é muita dedicação e pouco talento, passa vergonha.

“Ah, mas Cristiano Ronaldo só jogou em timaço”. Sim, é o que acontece com os gênios. Jogam em timaços. Talvez justamente porque eles joguem lá é que são timaços. Ou as seleções brasileiras e os Santos de Pelé não eram timaços?

Cristiano Ronaldo, assim como Romário, foi se transformando em um jogador mais de área justamente porque o tempo passa, a velocidade diminui, a mudança de ritmo na arrancada não é mais a mesma e tudo mais. Mas vamos lembrar que ele foi um ponta na maior parte da carreira. Driblador, velocista. E que chuta com as duas pernas, cobra faltas, faz gols de cabeça, etc, etc, etc.

Nem preciso aqui continuar a elencar as qualidades de Cristiano Ronaldo. Quem quiser vê-las, é só ligar a TV.

Uma das pessoas que me mostrou, em diversas entrevistas bate papos, o quão grande era Cristiano Ronaldo foi um tal Luiz Felipe Scolari. Falando coisas que nem cheguei a publicar. Quase caí da cadeira ao ver Felipão dizendo que “Renato jogou mais, mas Cristiano é mais goleador”. Colocando gasolina na fogueira do pachequismo. Espero, sinceramente, que seja fanfarronice dele também.

Até porque Cristiano Ronaldo deve estar pouco preocupado com as brincadeiras de Renato. Mas não vai gostar muito de ouvir o que falou Felipão, um dos técnicos mais importantes que ele já teve.

Uma semana atrás, ouvi uma entrevista de Tostão à rádio Bandeirantes, para José Luiz Datena. Datena disse que considerava Tostão “melhor do que esses caras de hoje em dia, tipo Cristiano Ronaldo”. A resposta de Tostão foi mais ou menos assim: “De jeito nenhum. Sei que fui um bom jogador, mas de forma alguma é possível me comparar ao Cristiano Ronaldo”. No que o apresentador finalizou com um “só fala isso porque é muito humilde”.

Não! Tostão fala isso porque entende MUITO, mas MUITO de futebol. Eu tenho a humildade de mudar várias opiniões minhas depois de ler e ouvir o que Tostão tem para falar.

Não é possível que a auto estima do brasileiro esteja tão em baixa, a ponto de querermos ficar rebaixando os gênios do futebol atual somente porque nenhum deles veste a camisa amarela.

Podemos ver isso diariamente, na tentativa forçada de colocar Neymar no mesmo patamar de Cristiano Ronaldo. Neymar é um monstro, um gênio, é o terceiro melhor jogador de futebol do mundo, como foi Garrincha na era de Pelé e Di Stefano. Não tem por que ficar fazendo isso.

Eu não vi o Renato do Grêmio, vi do Flamengo para frente. E vi recentemente reportagens sobre seu fracasso na Roma. Acho que nenhuma lista dos 10 melhores atacantes brasileiros da história terá Renato. Talvez, apenas talvez, ele entre em uma lista dos 10 melhores dos últimos 40 anos. Talvez.

Se Cristiano Ronaldo tivesse nascido no Brasil, eu não tenho dúvidas de que ele seria considerado o segundo maior jogador da história do futebol.

Pachequismo tem limites. Apenas parem, por favor.

 

 


Grêmio de hoje tem bola para vencer o Real Madrid (que não é mais o mesmo)
Comentários Comente

Julio Gomes

O Grêmio foi ao longo do ano, sob a batuta de um remodelado Renato Gaúcho, o único time que jogou futebol ofensivo no Brasil. É o melhor time do país, aquele que não tem problema algum com a bola e muito menos pavor de tê-la em seus pés. Um Grêmio que nada tem a ver com as raízes gremistas, mas que tudo tem a ver com as raízes do futebol brasileiro.

O título da Libertadores foi merecido e a festa perdurará por alguns dias. Logo depois, vem o Mundial. Será que esse Grêmio de Renato é tão bom que chega ao nível de um time de alto escalão europeu?

Não, claro que não. Mas é um time que pode, sim, ganhar o Real Madrid se esta for a final do Mundial de Clubes da Fifa, daqui a menos de duas semanas, nos Emirados Árabes.

Se já eram os mais dedicados, agora os clubes sul-americanos ganharam uma outra vantagem enorme para a disputa do Mundial: a proximidade das datas.

O fato de a Libertadores ser disputada ao longo do ano todo faz com que o campeão logo viaje para a disputa do Mundial. Não há desmanche e não há aquela obsessão sendo construída ao longo de todo o segundo semestre. Aquele excesso de foco que se transforma em uma pressão vil para cima dos envolvidos.

O Grêmio chegará ao Oriente Médio deste mesmo jeito que jogou contra o Lanús. Voando. É um time pronto, entrosado e, o principal, com ritmo de jogo. Mais do que isso: ritmo de decisão.

Leia também no blog: Grêmio de Renato foi o melhor time do Brasil em 2017

Imaginem um confronto contra um Real Madrid na ponta dos cascos, como aquele que atropelou a Juventus na final da Liga dos Campeões?

Pois é. Aquele Real Madrid venceria qualquer time sul-americano mesmo se jogasse com vendas nos olhos.

Mas aquele Real não é o Real Madrid de hoje. O Real Madrid de hoje é um time com problemas. Que ocupa a quarta posição no Campeonato Espanhol, a longínquos oito pontos do líder. Que sofreu uma dura derrota para o Tottenham e acabou em segundo em seu grupo na Champions. Um time que no último fim de semana sofreu para ganhar do Málaga, que ocupa a zona de rebaixamento. É um Real que parece sem fome.

Agora a imprensa espanhola trata o retorno de Bale, após mais uma lesão, como a salvação da lavoura. Sendo que o time se acertou mesmo na temporada passada justamente com a lesão do galês e a entrada de Isco no meio de campo.

Cristiano Ronaldo andou falando que o nível caiu, devido às saídas de jogadores como Morata ou Pepe. Sergio Ramos andou retrucando. Dizem que os dois líderes do vestiário já não se bicam.

Campeão espanhol, após alguns incômodos anos de seca, e bi da Champions (o primeiro a conseguir o feito), o Real Madrid começou a temporada 17/18 com toda a pinta de um time a fim de construir uma dinastia. Era favoritaço na Espanha, ainda mais depois da saída de Neymar do Barcelona e dos fracassos do rival na janela de transferências, e era também o time a ser batido na Europa.

Talvez quando chegue o mata-mata da Champions, a partir de fevereiro, Zidane tenha conseguido levar o time novamente a um alto nível. Mas, neste momento, o Real não é o melhor da Europa. Há pelo menos cinco times jogando futebol de forma mais consistente. Na Espanha, o Real tem sofrido para vencer times que são, sem sombra de dúvida, piores do que o Grêmio.

O Real Madrid jogará contra a parede neste sábado, em Bilbao, contra o Athletic. Um rival histórico, um campo duro, e a possibilidade de chegar ao duelo 11 pontos atrás do Barça, que joga antes. Na quarta, quando o Grêmio já estará nos Emirados Árabes, cumprirá tabela pela Champions contra o Borussia Dortmund. No outro sábado, tem um jogo duríssimo, em casa, contra o bom time do Sevilla.

Só depois disso, destes dois jogos fundamentais pelo Espanhol, é que o Real Madrid viajará e pensará no “Mundialito”.

E tem mais: sabem qual o jogo seguinte ao Mundial? Sim, o clássico contra o Barcelona, em 23 de dezembro. Não podemos descartar a hipótese de Zidane deixar de fora da eventual partida contra o Grêmio qualquer jogador que esteja mais cansado ou correndo risco de lesão.

A prioridade para o Real Madrid serão os jogos contra Athletic, Sevilla e, depois, Barcelona. A tabela é complicada, é uma benção para o Grêmio.

Um Grêmio, como já disse, que chegará inteiro e com ritmo.

É lógico que o favoritismo estará todo do lado do Real Madrid. É lógico que, em condições normais, o Real passará o carro sobre qualquer um. Mas o que quero dizer é que, neste momento específico da temporada, as condições não são normais.

A chave será não assumir a inferioridade, como os times sul-americanos naturalmente têm feito desde que o abismo foi criado e acentuado entre os melhores de lá e os melhores daqui, nas últimas duas décadas. Se o Grêmio mudar a sua postura e seu jeito de ser e quiser só se defender, fatalmente perderá. Não adianta querer se espelhar, por exemplo, no Inter de 2006 ou no Corinthians de 2012. É preciso evitar a armadilha que fez o Santos cair praticamente sem lutar contra o Barcelona, em 2011.

Não basta ficar atrás e estacionar o ônibus.

Mas se o Grêmio colocar em campo toda a bola e toda a coragem que tem mostrado pode, sim, surpreender um Real Madrid que vive seu pior momento desde o início do trabalho de Zidane. Pode competir pela bola no meio de campo e pode criar problemas para uma defesa que não está firme.

Se tudo der certo, Renato Gaúcho vai poder tirar onda de Cristiano Ronaldo ao vivo e a cores. Será?

 


Cristiano Ronaldo, melhor “9” do mundo, encaminha vaga do Real
Comentários Comente

Julio Gomes

Cristiano Ronaldo usa a 7. Já jogou pelos lados. Era usado eventualmente como centroavante, até nos tempos de Manchester United e seleção portuguesa de Felipão isso acontecia. Mas era esporádico. O tempo passa. Diminuem a velocidade e a capacidade de driblar, o gajo virou um ” camisa 9″ de vez no Real Madrid. E adivinhem só? É o melhor 9 do mundo.

Atacantes de área que sejam matadores, sejam altos, façam pivô e também saibam cair para os lados, abrir espaços e jogar para time estão virando coisa rara. Tem Suárez, Cavani, Lewandowski, Benzema, Kane… cada vez mais outro tipo de jogador é usado no comando de ataque. Gente com mais mobilidade, como Gabriel Jesus, por exemplo.

Muitos times jogam sem o tradicional 9 ou com um falso 9.

Com a lesão de Bale, na temporada passada, e a de Benzema, nessa, Zidane resolveu deixar Cristiano Ronaldo ali no comando do ataque mesmo. Oficializou. A posição dele agora é essa. Assim como Romário, um dia velocista (e já goleador), virou o rei da área a seu tempo.

Com os dois gols em Dortmund nesta terça-feira, Cristiano Ronaldo chegou a 411 gols em 400 partidas oficiais com a camisa do Real Madrid. Qua-tro-cen-tos-e-on-ze. Isso aí.

O jogo acabou 3 a 1, e foi a primeira vitória do Real em Dortmund, um campo historicamente difícil. Um jogo muito aberto desde o início, com os dois times trocando golpes e chances. E já sabe, quando se joga assim contra o Real Madrid, geralmente se paga um preço.

É verdade que teve o possível pênalti de Sergio Ramos, salvando o que seria o 1 a 0 do Borussia com o braço. Me parece que Navas toca na bola e ela espirra em Ramos, o que não significaria penalidade (bola na mão). Polêmica à parte, o Borussia desperdiçou várias chances ao longo do jogo. E o Real foi muito mais eficiente, em uma grande partida de Bale (fez um golaço, o primeiro, e deu o passe para o segundo).

O grupo H, chamado de “grupo da morte” desde o sorteio, vai pintando como grupo da morte… do Borussia.

Real e Tottenham têm seis pontos, Borussia e o saco de pancadas Apoel têm zero. O Borussia precisará ganhar os dois jogos contra o time cipriota e, de preferência, torcer para o Tottenham perder as duas do Real. Assim, decide tudo no confronto direto contra os ingleses.

Outros grupos

No grupo E, o Sevilla venceu o Maribor, como esperado, e o Liverpool só empatou em Moscou contra o Spartak. São dois empates do Liverpool, que agora precisa fazer o lógico e vencer as duas contra o Maribor para respirar. A boa notícia foi o ótimo gol marcado por Philippe Coutinho, que parece estar de volta.

No grupo F, o Manchester City, que está pegando fogo e talvez seja o melhor time da temporada até agora, fez 2 a 0 no Shakhtar Donetsk. O Napoli fez 3 a 1 no Feyenoord. O City têm 6, Shakhtar e Napoli têm 3. Os napolitanos precisam somar algum ponto nos jogos contra o City e torcer pelo Feyenoord contra o Shakhtar.

No equilibradíssimo grupo G, o Besiktas chegou à segunda vitória ao bater o Leipzig, com um belo gol de Talisca. E a surpresa ficou para os 3 a 0 que o Monaco levou em casa do Porto. O Besiktas está bem posicionado no grupo, com 6 pontos, e o Monaco, com apenas 1 ponto, terá de se virar para não ser eliminado. Os dois se enfrentam duas vezes, e o mesmo farão Porto e Leipzig.

 


Prévia do Espanhol: Real Madrid é favoritaço para o bi
Comentários Comente

Julio Gomes

O Campeonato Espanhol começa nesta sexta-feira e, enquanto muitos insistem com o discurso do “só tem dois times”, a perspectiva para a temporada é de uma competição de “um time só”. O Real Madrid já era bicampeão europeu, mais time, mais completo. Mas, depois dos dois bailes em cima do Barcelona na Supercopa espanhola, a distância entre eles ficou exposta. E o gigante da capital torna-se um favorito destacado para ser bicampeão espanhol.

Tão favorito quanto o PSG na França ou o Bayern da Alemanha ou a Juventus na Itália? É mais ou menos por aí…

O abismo para o maior rival está tão grande que o próprio Piqué, que virou uma espécie de porta-voz não oficial do Barcelona, disse após a derrota de quarta, no Santiago Bernabéu. “Pela primeira vez em 9 anos me sinto inferior ao Real Madrid”. E, para piorar tudo, o Barcelona ficará o primeiro mês da temporada sem Suárez, lesionado.

Leia também: Superioridade do Real deve aumentar desespero do Barça no mercado

Depois dos anos de um domínio exagerado de Barcelona e Real Madrid na Espanha, especialmente os de Guardiola e Mourinho, os dois gigantes tiveram alguma resistência nas duas temporadas passadas.

O Atlético de Madri tornou-se uma ameaça real. E alguns jogos que eram resolvidos no estilo “passeio” ficaram mais duros. Times médios se reforçaram. Goleadas deixaram de ser tão previsíveis, ainda que tenham acontecido, claro que sim.

Dito isso, o Real Madrid voltou a ser campeão após quatro anos e agora o clube da capital tem a faca e o queijo na mão para ser dominante por bastante tempo.

Zinedine Zidane, uma aposta arriscada do presidente Florentino Pérez, caiu como uma luva. Tem exatamente o tom, o discurso e os métodos que agradam à comunidade que gira em torno do clube e o grupo de jogadores.

E, de repente, o Real tem uma baita linha defensiva, um meio de campo extraordinário e um ataque letal. Pode jogar com a bola ou sem ela. É fortíssimo no jogo aéreo, tem velocidade para contra atacar, tem qualidade para furar retrancas. Cristiano Ronaldo não dá sinais de parar. E o futuro está garantido com Isco, Asensio, o lateral Théo Hernandez, tirado do Atlético por 30 milhões de euros e que será preparado para substituir Marcelo, o meia Ceballos, do Betis, muito bom de bola, etc.

As saídas de Pepe, Danilo, Morata e James Rodríguez debilitam, claro. Debilitam o time reserva. Nada mais. É um elenco jovem e completíssimo.

Apesar de as casas de apostas insistirem em pagar o mesmo retorno para título do Real Madrid e título do Barcelona, vejo o clube da capital com amplo favoritismo para ficar com a Liga. A superioridade na disputa da Supercopa não é circunstancial.

Além de estar voando, encaixado e com elenco, o Real vê um Barcelona vivendo um pesadelo extra-campo. O clube foi humilhado pela decisão de Neymar de abandoná-lo. Virou motivo de piada nas rodas de dirigentes e pessoas importantes do futebol europeu. E também nas conversas de bar.  Não se perde um jogador como Neymar impunemente.

Agora é um clube desesperado que acaba tomando medidas desesperadas. Pagou por Paulinho mais do que deveria. E o mesmo acontecerá com Philippe Coutinho e/ou Dembélé. Isso se conseguir trazê-los. Mesmo que venham, haverá um tempo para adaptação, encontrar o melhor formato de time para acomodá-los, etc. Suárez está machucado. Quando perceberem, o Real Madrid estará muito na frente.

A derrota contundente na Supercopa não se deve à ausência de Neymar. O que Neymar fez foi perceber que a barca estava afundando e foi ser feliz em outro lugar. A linha defensiva é de segunda linha, o meio de campo está envelhecido e sem opções e Messi já está há tempos andando em campo. Faz gols, dá assistências, é um gênio, mas não trabalha mais defensivamente, não joga com sangue nos olhos. E isso já faz uns bons dois anos.

No meu ponto de vista, o Barcelona está mais para disputar segundo lugar com o Atlético do que primeiro com o Real Madrid.

O ATLÉTICO, de Simeone, segue tão forte quanto nos outros anos. É verdade que não pôde contratar ninguém pela sanção da Fifa, mas manteve seu grande líder, o técnico, e seu grande jogador, Griezmann. Em janeiro, devem chegar Diego Costa, Vitolo (emprestado ao Las Palmas até dezembro) e talvez outros nomes, o que fará do Atlético um candidato na Champions League (de novo).

A grande chave para o Atlético é dar mais espaço a protagonismo a Saúl, um jogador jovem, de muito talento e que talvez trabalhe demasiado taticamente. O belga Carrasco também precisa ter mais importância.

O SEVILLA substituiu Sampaoli pelo bom (e também argentino) Eduardo Berizzo, ex-Celta. Perdeu alguns jogadores importantes, como Vitolo, o lateral Mariano (Galatasaray, difícil entender essa decisão) e veteranos como o zagueiro Ramy, o meia Nasry ou o volante Iborra.

Mas trouxe reforços interessantes e que podem dar certo nas mãos de um técnico que gosta de jogo, como Berizzo. O atacante colombiano Muriel, da Sampdoria, o zagueiro dinamarquês Kjaer, do Fenerbahce, o volante Banega, da Inter, e os extremos Nolito e Jesús Navas, ambos chegando do Manchester City.

O grande adversário do Sevilla na busca por uma vaga na Champions League será novamente o VILLARREAL, que se reforçou com o colombiano Bacca (Milan) e o turco Unal (Man City) para o ataque, o zagueiro Semedo (Sporting) e o promissor meia Fornals (Málaga). As principais perdas foram o zagueiro Musacchio, para o Milan, e o veterano Soldado, para o Fenerbahce.

OUTROS:

A Real Sociedad e o Athletic Bilbao mantêm bases interessantes, mas dificilmente conseguirão se manter no G4. O Valencia, em eterna tentativa de ser grande de novo, aposta em um bom técnico, Marcelino. Mas segue com um elenco fraquinho.

Olho para o filho de Zidane, Enzo, que jogará no Alavés. O Celta, que havia apostado em Luís Enrique antes de o treinador chegar ao Barcelona, agora aposta em seu braço direito, Juan Carlos Unzué. Douglas Luiz, ótimo volante revelado pelo Vasco e comprado pelo Manchester City, atuará por empréstimo no recém-ascendido Girona para ganhar experiência.

Outras prévias no blog:
Em busca do hexa na Alemanha, Bayern não tem rivais à altura

Liga inglesa: a melhor virou também a mais imprevisível

França: Neymar e PSG fazem bi parecer sonho distante para o Monaco

 

Supercopa da Espanha:

13/8/17 Barcelona 1 x 3 Real Madrid
16/8/17 Real Madrid 2 x 0 Barcelona

Maiores campeões espanhóis: Real Madrid (33), Barcelona (24), Atlético de Madri (10)

Previsões:

Título: Real Madrid
Vice: Atlético de Madri
Vagas na Champions: Barcelona e Sevilla
Artilheiro: Messi
Melhor jogador: Isco
Olho em: Asensio e Saúl, astros da Espanha sub-21, podem explodir
Na TV: FOX e ESPN
Duelos imperdíveis: Atlético-Barcelona em 14/10/17, Atlético-Real em 18/11/17, Real-Barcelona em 19/12/17, Barcelona-Atlético em 3/3/18, Real-Atlético em 7/4/18, Barcelona-Real em 5/5/18

Bom saber: a rodada sempre começa na sexta à tarde e tem jogos também às segundas-feiras. Real Madrid e Barcelona quase sempre jogam sábado ou domingo à tarde.

Primeira rodada:

Sexta
15h15 Leganés x Alavés
17h15 Valencia x Las Palmas

Sábado
13h15 Celta x Real Sociedad
15h15 Girona x Atlético de Madri
17h15 Sevilla x Espanyol

Domingo
13h15 Athletic Bilbao x Getafe
15h15 Barcelona x Betis
17h15 La Coruña x Real Madrid

Segunda
15h15 Levante x Villarreal
17h Málaga x Eibar