PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Em 24 horas, Fla vive melhor do mata-mata e pior dos pontos corridos

Julio Gomes

25/11/2019 05h00

Foram menos de 24 horas separando os dois títulos gigantescos do Flamengo neste fim de semana: Libertadores no sábado, Brasileiro no domingo.

As circunstâncias? Completamente diferentes.

A Libertadores veio com drama, uma final inesquecível, dois gols no apagar das luzes. O Brasileiro? No sofá. Ou no trio elétrico. Sem jogar, enfim.

O Flamengo viveu o melhor do mata-mata, o pior dos pontos corridos.

O melhor do mata-mata, sem dúvida, é o gol no fim, épico, a formação de lendas e mitos. Os jogos históricos, que nunca serão esquecidos. Quem acompanha futebol de perto, desde criança, é capaz de recitar escalações e gols de grandes finais, semifinais, jogos eliminatórios de Copas, Champions, Libertadores, Brasileiros, Estaduais.

Finais são finais. Finais ganhas do jeito que o Flamengo ganhou? Maiores ainda. É a explosão total, o êxtase.

O de pontos corridos é outro tipo de campeonato. O debate pontos corridos versus mata-mata é válido, ainda que os defensores dos pontos corridos (já fui um deles, não sou mais) sejam xiitas quando o tema é colocado na mesa. Muitos são radicais, não aceitam nem debater o tema.

Mas, repito, o debate é válido.

Onde não há debate? Que ganhar sem jogar é ruim. Esta característica dos pontos corridos é ruim, ponto. Não há debate sobre isso, nem os defensores da fórmula são capazes de gostar.

Imaginem se o Flamengo estivesse chegando de Lima sem o título e ganhasse o Brasileiro sem jogar? Ia ter sido uma água no chope tremenda. É claro que, passada a decepção, haveria a festa. Mas não seria a mesma coisa.

Como resolver? Demandaria um ajuste de tabelas em tempo real por parte de dirigentes e televisões. Não vai acontecer. Veremos ainda muitos campeões no sofá, no Brasil e na Europa.

Os pontos corridos têm méritos e deméritos. Qualidades e defeitos. Entre seus problemas, não há nenhum tão incômodo quanto ser campeão longe do campo.

 

Sobre o Autor

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

Sobre o Blog

Este blog fala (muito) de futebol, mas também se aventura em outros esportes e gosta de divagar sobre a vida em nossa e outras sociedades.

Julio Gomes