Topo
Blog do Julio Gomes

Blog do Julio Gomes

Categorias

Histórico

Inter mostra sua melhor versão. Grêmio, a pior

Julio Gomes

04/09/2019 23h23

A partida de ida, que parecia ser o marco da classificação gremista, na real foi o marco da eliminação. Porque, na ida, o Grêmio amassou o Athletico-PR. E teve várias chances, na reta final da partida, para fazer o terceiro e o quarto gols. Também na ida, Everton levou um fatal cartão amarelo que lhe tirou da volta.

Os gols perdidos e o cartão de Everton foram cruciais.

Na volta, foi a vez de o Grêmio ser amassado. E aí a vantagem não parecia ser tão grande assim. Perder seu melhor jogador não parecia ser tão trivial assim.

Com muita intensidade, o Athletico fez valer o fator casa, encontrou os gols na hora certa e nunca deu chances ao Grêmio. Onde está o melhor futebol do Brasil, tão falado por Renato? Está em 2017. Desde aquele semestre francamente bom, o Grêmio nunca mais foi tão consistente.

Sim, joga bem algumas vezes. Sim, tem um conceito de jogo claro, de pressão e controle. Mas a execução tem deixado muito a desejar. O grande jogo do Grêmio foi o da ida. Nem contra o Palmeiras, na Libertadores, se viu tudo isso que Renato vê – mas teve Cebolinha.

O elenco do Grêmio não está à altura de outros do futebol brasileiro, e, hoje, isso se notou.

Muita gente esperava dois Gre-Nais gigantescos nos mata-matas. Veremos um total de zero.

Se na Libertadores o Grêmio foi grande contra a falta de ideias palmeirense e o Inter foi covarde contra o Flamengo, na Copa do Brasil o Grêmio nos mostrou sua melhor (ida) e pior (volta) versões. Os pênaltis castigaram a pior. E o Inter mostrou, contra o Cruzeiro, sua melhor versão.

Oportunista fora de casa, intenso dentro. Hoje, o Inter deu uma resposta a seu torcedor, que não havia engolido a postura na eliminação da Libertadores.

Mesmo com o placar positivo conseguido em BH, o Inter não recuou, não se fechou, não esperou o Cruzeiro. Pelo contrário, foi para cima, atacou, tentou desde o início matar logo a semifinal. Os gols saíram naturalmente, com Guerrero, artilheiro da Copa do Brasil, e Edenílson.

 

 

Sobre o Autor

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

Sobre o Blog

Este blog fala (muito) de futebol, mas também se aventura em outros esportes e gosta de divagar sobre a vida em nossa e outras sociedades.

Mais Blog do Julio Gomes