Topo
Blog do Julio Gomes

Blog do Julio Gomes

Categorias

Histórico

Fla x Grêmio. Porque nem sempre resultadismo supera desempenho

Julio Gomes

29/08/2019 06h00

Flamengo x Inter, Grêmio x Palmeiras. Os duelos brasileiros na Libertadores mostraram o já esperado choque de estilos.

De um lado, times que gostam da bola, da imposição técnica, buscam a vitória atacando. Do outro lado, times que não querem muita coisa com a bola, buscam a imposição física, buscam a vitória se defendendo, contando com o erro do adversário, procurando alguma transição rápida para machucar.

Os jogos não tiveram a mesma história. Os confrontos, no entanto, tiveram o mesmo final. Passaram os melhores times, os que podem se orgulhar de jogar um futebol bacana de ser visto.

Passamos a vida sob a dicotomia 82 versus 94. Desempenho versus resultado. Jogar bonito e perder, jogar feio e ganhar. Como se só fosse possível ganhar jogando feio, como se só fosse possível jogar bonito com derrota e frustração no final.

Até hoje, aproveita-se qualquer oportunidade para defender o resultadismo. E o resultadismo, diga-se, está enraizado na sociedade brasileira. Não importa muito o "meio", apenas o "fim". Não importa muito como chegar lá. No futebol, isso é explícito e falado abertamente, em um misto de amadorismo, orgulho, ignorância.

O que valem são os três pontos. O segundo é o primeiro dos últimos. Futebol é bola na rede. Uma série de frases prontas, que, enfim, criam uma cultura.

É claro que, em competições esportivas – futebol é esporte, não entretenimento, sempre bom lembrar -, é lícito ter a vitória como um fim absoluto. Mas ignorar o caminho é desprezar trabalho, esforço, métodos, estudos, ideias e ideais, parceiros e cúmplices.

Quando times que jogam um futebol simplório ganham, nos apressamos em lembrar as frases acima e louvar "as várias maneiras de se vencer um jogo".

Mas onde estão os resultadistas quando os resultados não vêm? Porque tem esse lado da moeda também, melhor não esquecer. O futebol de resultados não desperta paixões, não fica na memória. Quando o resultado vem, o torcedor aplaude, o dirigente paga bicho e dá tapinha nas costas. Quando o resultado não vem, não haverá ninguém ao lado.

O resultadismo é inimigo da coragem. Porque coragem é sinônimo de risco. E risco não combina com resultados, principalmente os magrinhos.

Coragem é o que sobra em caras como Renato Gaúcho, Jorge Jesus, Jorge Sampaoli, Rogério Ceni, Fernando Diniz.

Coragem sem competência não vai servir para muita coisa. Mas coragem é o elemento desaparecido do futebol brasileiro deste século. E que agora vai sendo resgatado. A coragem incomoda, mexe com o status quo, incomoda o conservadorismo que reina.

Onde estão os resultadistas quando o Flamengo elimina o Inter? Quando o Grêmio ganha do Palmeiras? Quando Flamengo e Santos ocupam as duas primeiras posições do Brasileirão??

Eu sou da turma que prefere ver desempenho. Que prefere ver times buscando seu destino com método, coragem, ofensividade, times que jogam o jogo, não que negam o jogo. Desempenho é, também, o caminho mais curto para o resultado, ainda que mais sofisticado e trabalhoso.

O Flamengo deste segundo semestre e o Grêmio, em vários momentos de 2016 para cá, jogam o jogo. O jogo jogado. Gostam da bola. E, com todo respeito a todo mundo, não dá para gostar de futebol sem gostar da bola.

 

Sobre o Autor

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

Sobre o Blog

Este blog fala (muito) de futebol, mas também se aventura em outros esportes e gosta de divagar sobre a vida em nossa e outras sociedades.

Mais Blog do Julio Gomes