Topo
Blog do Julio Gomes

Blog do Julio Gomes

Categorias

Histórico

Sampaoli, Argentina, a padaria e o sonho

Julio Gomes

2022-06-20T19:21:47

22/06/2019 21h47

Foto: Ivan Storti/Santos FC

"Ô Sampaoli… tem o telefone do Messi?".

A pergunta é de João, que trabalha em uma padaria/mercadinho na Pompeia, em Santos.

Estou lá apenas escolhendo um chocolate e, claro, giro a cabeça quando ouço o "sobe som". Telefone do Messi?

Penso em Messi, não em Sampaoli. Meu cérebro demora uns cinco segundos para processar. Lá está ele, o técnico do Santos, comprando seu pãozinho e sei lá mais o quê. Algumas horas depois de o Brasil fazer 5 a 0 no Peru, ele deve ter visto pela TV. Um dia antes de a Argentina jogar a vida na Copa América contra o Catar.

Quando penso em Sampaoli, sempre me lembro que exatamente um ano atrás ele estava na Rússia, assim como eu. Mas, digamos, um pouquinho mais pressionado e encrencado que eu.

Hoje, estou cá aproveitando uns dias de folga em Santos. E ele? Bem, nada de folga. Durante a pausa do Brasileiro, está aqui trabalhando, não flanando por aí.

Jorge responde que "sí" para João, sorriso no rosto. Ele tem o telefone de Messi. E João emenda. "Liga para ele, traz ele pro Santos!". Sampaoli ri, pega o troco e diz "hasta luego, hasta luego", para João e para as meninas do caixa.

A cena, claro, é muito rápida.

Eu pergunto. "Ele vem sempre aqui, é?". "Sim, todos os dias! E sempre trata todo mundo super bem, é muito humilde. Muito simples mesmo, uma grande pessoa esse Sam…poli… paoli", diz uma das caixas.

"Chama ele de Jorge! É mais fácil", recomenda João. "Bem que o Messi podia vir para o Santão", fala, enquanto volta aos afazeres da vida real, sonhando alto.

Neste mundo em que cada vez mais os atores do esporte nacional se encerram em condomínios fechados e mandam auxiliares irem buscar o que precisam – de pão a mulheres -, é reconfortante observar este lado humano do argentino (que, aliás, já havia sido retratado nesta ótima reportagem do UOL Esporte).

Um ano atrás, a Argentina precisou de um gol milagroso contra a Nigéria para passar de fase na Rússia. Mas, depois, teve o jogo nas mãos contra a França. Foi quem passou mais perto de eliminar a seleção campeã do mundo. O trabalho dele foi ruim na Argentina, mas havia sido ótimo no Chile, no Sevilla e é ótimo agora no Santos.

Será que a culpa era dele mesmo?

A Argentina segue sem técnico. O Santos, tem um. E dos bons.

 

Sobre o Autor

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

Sobre o Blog

Este blog fala (muito) de futebol, mas também se aventura em outros esportes e gosta de divagar sobre a vida em nossa e outras sociedades.

Mais Blog do Julio Gomes