Blog do Júlio Gomes

Após 10 anos, Guardiola, afinal, perde o trono

Julio Gomes

Pep Guardiola surge como treinador de futebol, para os olhos de todos nós, há 10 anos. Um pouquinho mais que isso, para ser mais exato. No meio de 2008, ele assumia, para a surpresa de muitos, o time principal do Barcelona, sucedendo Rijkaard.

E, desde então, firmou-se como o grande gênio da classe.

Não adianta contarmos apenas os títulos para definirmos quem é melhor, isso é puro resultadismo, é tudo o que combato no futebol e na vida. Um golpe de sorte, uma genialidade, um erro, um centímetro – no futebol, qualquer coisa pode definir um título. É analisando desempenho e consistência e ouvindo o que dizem os próprios atletas e pares que fica mais justo apontar melhores e piores, profissionais de sucesso ou nem tanto.

Os times de Guardiola são os melhores do mundo desde que ele passou a brincar dessa coisa de ser técnico. Times com impressão digital, como se fossem um quadro assinado por um maestro, um roteiro de cinema com cada frase e cada take pensados de forma magistral.

Alguns ganharam tudo, outros não. Mas os times que ficam marcados são sempre os dele. As quatro Champions em cinco anos do Real Madrid importam, e muito. Mas, daqui a X anos, lembraremos do nome ''Real Madrid'', talvez secundado pelo nome ''Cristiano Ronaldo''. A década que se completa será para sempre a década de Guardiola.

Do Barcelona tão bom que nos fez compará-lo ao Santos de Pelé. De um Bayern de Munique destruidor de todos os recordes possíveis na ultracompetitiva Alemanha, que só não ganhou a Europa por obras do acaso. E de um Manchester City que fez a Premier League, a melhor liga doméstica do mundo, parecer coisa de amadores.

Em 2018, finalmente, Guardiola parece estar de volta ao mundo dos terráqueos. Pela primeira vez, acaba um ano e não digo que esse cara é o número 1.

Continua sendo um gênio. O City continua sendo um time espetacular, que daqui a seis meses pode ser campeão de absolutamente tudo. Mas, neste fim de 2018, o melhor técnico do mundo chama-se Jurgen Klopp, e o Liverpool é o time do ano.

Exatamente por combater o resultadismo, digo que isso nada tem a ver com as duas derrotas seguidas do City e a liderança absoluta do Liverpool na Premier. Isso é apenas consequência de algo que está sendo construído ao longo do ano. Os resultados deste mês de dezembro dão apenas uma forcinha a minha tese – que, aliás, já defendo neste espaço desde setembro. No dia 3 de janeiro tem aí um City x Liverpool, para eu quebrar a cara :-).

Se eu fosse um magnata, que comprasse a Portuguesa e tivesse todo o dinheiro do mundo à disposição, hoje meu alvo seria Klopp, e não Guardiola.

Aceito todas as disposições em contrário. Como sempre.