Blog do Júlio Gomes

Real Madrid fica a um suspiro do maior vexame de sua história

Julio Gomes

O Real Madrid ficou a um triz do maior vexame de sua história. Precisou de um gol de Gareth Bale, que sozinho vale algumas vezes mais do que o time todo do Al Jazira, para vencer a brava equipe dos Emirados Árabes por 2 a 1 e se classificar para enfrentar o Grêmio na final do Mundial de Clubes da Fifa.

O gol saiu aos 35min do segundo tempo. Nos minutos finais, o Real Madrid ficou passando a bola de lado e esperando o tempo passar.

Nem as goleadas recentes sofridas para o Barcelona, a eliminação na Copa do Rei protagonizada pelo minúsculo Alcorcón, em 2009, nada chegaria perto de uma eliminação como essa. Seria uma mancha na história do clube mais vitorioso do planeta.

Uma hora ou outra, se for mantido esse formato de Mundial por mais tempo, um time europeu acabará perdendo na semifinal para um africano, um asiático ou coisa assim. A chance disso acontecer é maior se o representante europeu da vez for um time ''medião'', tipo aquele Liverpool de 2005, a Inter de Milão de 2010 ou o Chelsea de 2012.

Nunca imaginei que a zebra passaria tão perto de um time como esse Real Madrid, tão forte, cheio de estrelas e com o melhor jogador do mundo no ataque. Mesmo com Carvajal, Sergio Ramos e Kroos poupados, nada justifica um jogo como esse.

O fato é que o Real atuou de forma relapsa, principalmente na defesa. No primeiro tempo, deu três bobeadas que geraram contra ataques perigosíssimos para o Al Jazira. No terceiro, Romarinho guardou mais um no Mundial. Era o 1 a 0 que deixava o mundo boquiaberto.

Antes disso, o veterano goleiro Ali Khaseif havia feito pelo menos seis defesas no estilo ''milagre'', parando tudo que ia para o gol.

No segundo tempo, aconteceram os dois momentos que mudaram o destino da partida. O Al Jazira chegou a fazer o 2 a 0, em um contra ataque armado por Romarinho e que tinha dois jogadores sozinhos contra apenas o goleiro Navas. O autor do gol estava impedido por milímetros, lance anulado por Sandro Meira Ricci com a ajuda do vídeo. Uma chance inacreditável desperdiçada.

E logo depois Ali Khaseif, que havia se machucado no primeiro tempo, precisou ser substituído. A primeira bola que foi ao gol, chutada por Cristiano Ronaldo, vazou o goleiro substituto. Que ainda fez boas defesas e contou com a benevolência da trave, até que finalmente saiu a virada protagonizada por Bale.

Isso mostra que o Grêmio pode ganhar do Real Madrid?

É muito difícil fazer o paralelo. As semifinais não servem muito como parâmetro.

Esse quase vexame do Real é má notícia para o Grêmio, porque talvez faça o time entrar com mais atenção e seriedade na decisão. Por outro lado, mostrou buracos interessantes para Renato Gaúcho explorar em contra ataques. Vai ter jogo no sábado.