Blog do Júlio Gomes

Flamengo procurou Fernando Diniz ano passado. Terá coragem?

juliogomes

O Flamengo demitiu Zé Ricardo na noite deste domingo. Como escrevi após o a derrota para o Vitória, neste domingo pela manhã, o técnico cavou a própria cova ao abandonar suas convicções, jogar para a galera e escalar um time que ele não teve tempo para treinar e naturalmente não escalaria. Quando o treinador trai seus próprios conceitos, perde o respeito, perde tudo.

Desde que Muricy Ramalho precisou deixar o Flamengo, em maio do ano passado, o clube procurou duas vezes Fernando Diniz.

Diniz havia levado o Audax à final do Campeonato Paulista no ano passado. Tem uma ideia clara de futebol. Jogar bonito. Para Fernando Diniz, quanto mais um time gostar de ter a bola, jogar com ela, se aproximar, envolver o adversário, controlar o jogo, mais chances ele terá de vencer. Para Diniz, o mais importante é olhar para a vida de seus jogadores. Ajudá-los. Pessoas felizes desempenham melhor.

Se ele foi capaz de implementar a ideia em um time pequeno de São Paulo, possivelmente terá menos dificuldades ainda em um time grande, com jogadores de qualidade e experiência.

Quando o Flamengo procurou Fernando Diniz, o empresário Mário Teixeira, dono do Audax, queria também comprar o Oeste de Itápolis. Diniz deu a palavra que seguiria no projeto. E seguiu. Uma lealdade raríssima no futebol brasileiro.

Que foi paga com… demissão. Já que as coisas não deram certo em 2017 e o Audax foi de vice-campeão a rebaixado no Paulistão.

Será que o Flamengo voltará à carga por Fernando Diniz?

O momento é perfeito. É verdade que o time está na semifinal da Copa do Brasil. E tem a Sul-Americana. Seriam prêmios de consolação para tanto investimento e expectativa, já não tem mais Libertadores e não tem mais Campeonato Brasileiro para conquistar.

Fernando Diniz teria tempo para implementar seu modo de ver futebol, e o Flamengo teria o futebol mais interessante do Brasil em 2018.

Mas será que os dirigentes terão coragem? Seria uma aposta arriscada. Como vimos com Zé Ricardo e outros tantos, no futebol o que manda são resultados, não desempenho, ideia de jogo, etc.

Há outros nomes no mercado. Roger, que acabou de ser mandado embora do Atlético Mineiro, Jorginho, demitido do Bahia e com tanta história no Flamengo, e até mesmo Reinaldo Rueda, o colombiano campeão da última Libertadores com o Atlético Nacional.

Umas semanas atrás, após a contratação de Diego Alves, disse que o Flamengo estava adquirindo mais um grande jogador e que tinha tudo para construir uma dinastia no futebol brasileiro. É arriscado fazer esse tipo de previsão em um país em que as coisas são tão volúveis e, o futebol, tão nivelado.

Mas a saúde financeira conquistada pelo clube mais popular do país – em oposição ao Corinthians – é algo digno de nota. Não adianta tirar sarro da minha ''previsão'' agora, como centenas fazem no Twitter. Vamos conversar de novo sobre isso daqui a cinco anos. Dinastias não são construídas nem destruídas em um mês.

O que o Flamengo quer? Vitórias imediatas? Ou realmente marcar uma época no futebol brasileiro? Vamos aguardar os próximos capítulos.