Blog do Júlio Gomes

Arquivo : Guardiola

Gabriel Jesus ajuda Guardiola a salvar a temporada
Comentários Comente

juliogomes

Ainda não é matemático. Mas, na prática, o Manchester City garantiu classificação para a próxima Liga dos Campeões da Europa nesta terça-feira, ao vencer o West Bromwich por 3 a 1. O primeiro gol do jogo foi anotado por Gabriel Jesus.
Nestes quatro meses com o City, Gabriel Jesus, com uma lesão no pé no meio do caminho, atuou em nove partidas e fez, com o desta quarta, seis gols. Foram seis vitórias e três empates do time de Guardiola nestes jogos. Dá para concluir que o brasileiro foi importante para salvar a temporada dos Citizens.
Afinal, o City não conseguiu disputar o título inglês, foi eliminado das oitavas da Champions pelo Monaco, na semifinal da Copa da Inglaterra perdeu para o Arsenal e, na Copa da Liga, perdeu para o United de Mourinho. É uma temporada sem título, mas com Champions. Seria trágico para Guardiola acabar seu primeiro ano fora do G4 – o clube esteve no clubinho nas últimas seis temporadas, desde que virou “novo rico”.
Na última rodada (todos os jogos serão às 11h de domingo), o City enfrenta o Watford, 16o colocado e amargando cinco derrotas seguidas. Se vencer, garante o terceiro lugar e a vaga direta na fase de grupos da Champions. Se empatar, será terceiro caso o Liverpool não vença o já rebaixado Middlesbrough por três gols ou mais. Caso contrário, será o quarto e terá de disputar a fase prévia.
A única combinação trágica que deixaria o City fora da Champions: derrota para o Watford, vitórias de Liverpool e Arsenal. E ainda o Arsenal teria de tirar a desvantagem de cinco gols que tem para o City no saldo de gols.
A situação da Premier League:
Já sabemos que Chelsea é campeão e, junto com o Tottenham, estará na fase de grupos da Champions League.
A terceira vaga direta e a quarta (para a fase prévia) estão entre:
 
Manchester City – 75 pontos (saldo +36aq)
Liverpool – 73 pontos (saldo +33)
Arsenal – 72 pontos (saldo +31)
 
Liverpool recebe o Middlesbrough. Penúltimo e já rebaixado. Se vencer, fica pelo menos em quarto. Se tropeçar…
 
Arsenal recebe o Everton, sétimo colocado. Se Liverpool tropeçar, basta ao Arsenal ganhar para ir à Champions. Ou, então ganhar, City perder e tirar esses cinco gols a menos de saldo.
 

E, no fim, o Bayern conseguiu menos com Ancelotti que com Guardiola
Comentários Comente

juliogomes

A Bundesliga cresce, cresce, cresce. É a segunda liga doméstica mais valiosa do mundo, já passou há um tempo a espanhola de Real Madrid e Barcelona. É a liga dos ingressos baratos, estádios lotados, clubes ricos, saudáveis financeiramente, com bases sólidas e que não podem ser vendidos para russos ou príncipes árabes.

Ainda assim, falta algo. O equilíbrio que marca praticamente todos os jogos e que faz com que as posições na tabela sejam tão brigadas (literalmente qualquer um pode ir para a Champions, qualquer um pode cair) não atinge o Bayern de Munique.

É tudo muito disputado. Menos o título.

Mas o mata-mata é algo muito especial. E se nos pontos corridos o poderio financeiro e a camisa do Bayern fazem toda a diferença, em jogos eliminatórios a história é outra. O Bayern completou nesta quarta-feira cinco jogos sem vencer e, depois da eliminação para o Real Madrid, caiu em casa para o Borussia Dortmund, na Copa da Alemanha.

Como a maioria das pessoas olha só para o resultado, não para desempenho e como ele é atingido, acostumou-se a achar que bastava ao Bayern de Munique entrar em campo para ganhar jogos. Mas não é moleza jogar na Alemanha.

Depois do bicampeonato do Borussia Dortmund, em 2011 e 2012, o Bayern tirou alguns dos melhores jogadores do próprio Dortmund. Ganhou as últimas quatro Bundesligas, as últimas três com Pep Guardiola e com direito a recordes.

Guardiola ganhou também duas Copas da Alemanha, mas parou três vezes seguidas nas semifinais da Liga dos Campeões. A última delas, no ano passado, de forma dramática diante do Atlético de Madri, com pênalti perdido por Muller na hora H.

Convencionou-se, então, dizer que Guardiola não fizera nada mais que a obrigação. O Bayern havia conseguido nove “dobletes” na história. Com o catalão, ganhou dois em três anos.

Chegou Carlo Ancelotti, o homem que entende muito de futebol e de gestão de egos. Um técnico que os jogadores adoram. Que nunca foi midiático como Mourinho, criativo como Guardiola, mas que ganhou Champions com o Milan e com o Real Madrid, foi campeão também no PSG e no Chelsea. Um treinador especialista em pegar bons times, não estressar jogadores e caminhar junto com eles para os títulos.

Eu era um dos que acreditavam que o Bayern de Munique seria campeão europeu neste ano. Pelo técnico e pelo elenco que tem.

Mas o Bayern caiu diante do Real Madrid e perdeu em casa o jogo único contra o Borussia Dortmund por 3 a 2, sendo eliminado nas semifinais da Copa da Alemanha. O Bayern vencia por 2 a 1, levou a virada no segundo tempo.

O Borussia Dortmund, também eliminado nas quartas de final da Champions, não conseguiu fazer frente ao Bayern na atual Bundesliga – ainda que tenha vencido o clássico do turno, em Dortmund. Mas chega à quarta final consecutiva na Copa da Alemanha e é favorito contra o Eintracht Frankfurt.

O primeiro ano de Ancelotti terá título alemão. Sem doblete, sem chegar entre os quatro da Europa, sem os recordes de Guardiola.

No fim das contas, fácil mesmo é achar que tudo é fácil no futebol.


Faltou equilíbrio, e não Jesus, para o City de Guardiola
Comentários Comente

juliogomes

É claro que Pep Guardiola eliminado nas oitavas de final da Champions pela primeira vez é um prato cheio para quem não gosta dele. Tem muito técnico brasileiro dando risada. “Está vendo? Sem estar no Barça ou no Bayern, o buraco é mais embaixo”.

Acho desnecessário defender Guardiola. O homem é um idealista, um revolucionário, alguém que faz bem para o esporte e que comandou o melhor time que já vi (o Barcelona de 2009 a 2011). Ele mesmo sabe, até porque sempre disse, que os desafios no City serão outros. A liga inglesa é mais competitiva, tem mais times do mesmo nível e o elenco do City tem, de fato, buracos a serem preenchidos.

Na atual temporada, o City está fora da Champions, praticamente sem chances na Premier, sobra a Copa da Inglaterra (semi contra o Arsenal, eventual final contra Chelsea ou Tottenham). Seria importante para Guardiola ganhar um título no primeiro ano? Sem dúvida. Mas tampouco essencial. Não será mandado embora. Está lá para comandar um projeto de anos.

Leonardo Jardim, o ótimo português que comanda o Monaco, está há três anos no clube mesclando juventude, veteranos, encontrando fórmulas. A chave para Guardiola será atacar bem o mercado no meio do ano, principalmente para ampliar opções de banco e resolver os buracos defensivos.

No gol, Bravo não deu certo. Kolarov ou Fernandinho jogando na zaga? Não parecem grandes opções. Stones e Otamendi? Hummmm. Suspeitos. O erro de Kolarov no terceiro gol, em uma bola parada, determinou a classificação do Monaco.

O grande desafio de Guardiola daqui para frente é ser um técnico que encontre soluções defensivas. Na parte criativa do jogo, ele já mostrou seu valor. Se defender com a posse de bola, como fazia no Barça e no Bayern, não parece ser viável no futebol inglês, mais dinâmico e com menos faltas marcadas pelos árbitros. Times de Guardiola se darão bem quando defenderem melhor. Quando forem mais equilibrados.

Aguero perdeu dois gols contra o Monaco que Gabriel Jesus não perderia? Não sei. Tem que ver também se Jesus faria os gols que Aguero fez na ida, certo? O City fez seis gols na eliminatória contra o Monaco. Não foi um problema de falta de gols que eliminou o time de Guardiola. E, sim, um problema de excesso de gols sofridos.

O City não perdeu para qualquer um. O Monaco é o melhor ataque da Europa. Mesmo sem seu grande artilheiro, Falcao García, foi capaz de virar a eliminatória contra um forte rival. Fez os três gols que são sua média. Porque não é um ataque de indivíduos e, sim, um time que joga inteiro voltado ao ataque.

Os laterais sobem, os volantes sobem (foram deles o segundo e terceiro gols na volta), os meias afunilam, triangulam, abrem o jogo. Há muita movimentação, muito volume.

Quem vai segurar o ataque do Monaco? Barcelona e Real Madrid, por exemplo, são candidatíssimos a tomar um caminhão de gols desse time. Porque defendem mal. Assim como o City de Guardiola.

Por camisa, tradição, nomes e pelo que fizeram nas últimas Champions, Bayern, Barça e Real são os óbvios favoritos. Mas Juventus e Atlético de Madri seguem fortes, como nos últimos anos, e podem tranquilamente chegar à final de novo. Para Juve e Atlético, é melhor enfrentar um dos três em ida e volta do que em um jogo só.

O Monaco me parece a zebra que pode ser a grande surpresa da temporada. Borussia Dortmund e Leicester só chegam à semifinal se forem sorteados para um confronto entre eles nas quartas.

 


Jogo épico expõe ataques maravilhosos e defesas pífias de City e Monaco
Comentários Comente

juliogomes

Sim, épico é um adjetivo justo. Manchester City e Monaco fizeram o melhor jogo da temporada europeia até agora, em um 5 a 3 inesquecível.

Um jogo em que ficaram claros os atributos ofensivos brilhantes dos dois times, mas também ficou clara a falta de consistência defensiva de ambos. Já sabem, para ser campeão de um torneio como a Champions League, equilíbrio é a palavra chave. Portanto, quem passar daí para as quartas de final terá de fazer ajustes.

Enquanto isso, podemos nos divertir falando do jogo de ida e aguardando o da volta.

O Monaco tem 76 gols em 26 jogos no Campeonato Francês. É o melhor ataque da Europa e mostrou toda essa vocação agredindo o City durante 90 minutos, mesmo fora de casa. Em nenhum momento recuou suas linhas. Mostrou coragem, alternativas de jogo e um atacante em momento especial. Radamel Falcao tem 15 gols nos últimos 15 jogos oficiais. Sua carreira em competições europeias aponta o estratosférico número de 44 gols em 48 partidas.

Durante todo o jogo, City e Monaco marcaram pressão e conseguiram sair facilmente da pressão rival. Isso fez com o que o jogo tivesse ritmo alucinante, com pouco meio de campo e muitas chegadas de perigo ao ataque. Defensivamente, ambos fizeram um péssimo trabalho.

O City saiu ganhando em um lindo lance de Sané, concluído por Sterling. Na primeira saída de bola errada de Caballero, o Monaco empatou em lindo cruzamento de Fabinho e cabeceio mais lindo ainda de Falcao.

Aí, houve o lance de pênalti sobre Aguero. Para muitos, não foi. Para mim, foi claríssimo. Ato seguido, o Monaco fez 2 a 1 em uma cobrança de falta para Mbappe, com falha clamorosa da estática dupla de zaga.

O Monaco começa o segundo tempo em cima, apertando, empurrando, com muita coragem. E aí ocorre o segundo pênalti decisivo do jogo. Desta vez marcado pelo árbitro e perdido por Falcao. Caballero começava a se redimir.

Do outro lado, Subasic tomou um frangaço no chute de Aguero – o melhor em campo, mostrando que ficou mordido com a reserva e fazendo a torcida esquecer Gabriel Jesus, pelo menos por enquanto.

Quando parecia que o City iria crescer, bola esticada, Falcao ganha de Stones como quer e dá uma cavadinha. Uma pintura. O Monaco, naquele momento, tinha a classificação nas mãos.

Aí começa o vendaval do City. Foi para o tudo ou nada. Foi tudo. Aguero, Stones e Sané (após assistência de Aguero) viram o jogo para 5 a 3 contra um Monaco atônito.

A eliminatória está para lá de aberta. O Monaco já fez 4 ou mais gols 11 vezes na temporada. Se tem um ataque hoje capaz de furar a defesa (fraca) do City, é a do Monaco. Por isso, acredito que Guardiola montará um meio de campo mais firme e consistente para a volta.

No outro jogo da terça, em Leverkusen, o Atlético de Madri fez 4 a 2 no Bayer. É um time que sofre mais gols na temporada, mas mostra muita criatividade, muito volume, muita capacidade ofensiva. O Atlético é candidatíssimo a chegar à sua terceira final em quatro anos.


Gabriel Jesus na Europa estará mais para Neymar ou Gabigol?
Comentários Comente

juliogomes

Em uma análise do respeitado jornal inglês “The Guardian”, ainda em agosto, a contratação de Gabriel Jesus pelo Manchester City foi comparada à chegada de Mirandinha ao Newcastle, em 1987. Lembram dele?

Dez anos antes de Gabriel Jesus NASCER, chegava o primeiro jogador brasileiro ao futebol inglês. A comparação, claro, só se deu porque Mirandinha vinha do Palmeiras, assim como Gabriel.

Mais vale especular se o novo garoto prodígio do futebol brasileiro terá um impacto parecido com o de Neymar ou com o de Gabigol na Europa. Ambos talentosos, jovens, que despertaram muito interesse e verdadeiras batalhas extra-campo de grandes clubes europeus por eles.

Neymar não chegou para ser o salvador da pátria. Chegou ao Barcelona de Messi. Um clube que tentava se acertar após a era Guardiola e a infelicidade de Tito Vilanova, que vivia a transição para um futebol mais “comum”, como o que joga hoje. Ainda assim, um clube campioníssimo, forte.

Quando Messi faltou, Neymar não deixou a peteca cair – é verdade que ter Suárez ao lado ajuda um tanto. Se nunca ameaçou o reinado do argentino, Neymar ganhou protagonismo, foi importante em temporadas vitoriosas e é claramente o futuro do clube. Ninguém duvida de Neymar em Barcelona.

Gabigol, por outro lado, vive situação inversa. Foi para a Inter de Milão (péssima escolha), ganhou poucos minutos até agora e vai ter de ganhar a vida em uma liga, a italiana, difícil demais para atacantes. Ainda mais para jogadores com as características que ele tem.

Talvez alguém tenha comprado o discurso de “novo Neymar”, discurso que eu nunca engoli. Dá para perdoar. As fornadas costumam ser boas na Baixada Santista.

Os “Gabrieis” acabaram tendo a chance de, ao lado de Neymar, conquistar a sonhada medalha de ouro olímpica. Mas aí chegou Tite na seleção principal e os destinos foram traçados de forma distinta: enquanto um virou titular, o outro perdeu espaço.

neymar_gabriel

Gabigol tem uma carreira de respeito na base, tem dois títulos paulistas no curriculum, chegou ao time principal do Santos aos 16 anos. Mas parece, à distância, ter aquela mentalidade comum entre os jovens jogadores brasileiros com mídia em excesso. Achar que tem um futebol muito maior do que verdadeiramente tem. Há campo para evolução, sem dúvida. Batalhar para triunfar em um clube difícil, em território hostil, como a Itália, talvez fosse mais louvável do que voltar logo para o Brasil (infelizmente, já começam a surgir especulações plantadas por empresários).

Gabriel Jesus, por outro lado, mostra muita maturidade. Chega à Europa com um título brasileiro no bolso, destaque em um clube que não ganhava o campeonato havia 22 anos. Não teve uma trajetória tão longa aqui como a de Neymar, poderia ter passado mais alguns anos em um clube grande como o Palmeiras, sendo elogiado e criticado, louvado e xingado. Poderia ter criado mais casca. Perdido e ganhado. Ainda assim, não saiu “sem jogar”, como aconteceu com muitos jovens que fizeram a transição sem escalas por nossa combalida elite.

Chega a um Manchester City com muitas interrogações no ar. Guardiola reclama das arbitragens, é criticado nas mesas redondas, começa a ser tratado na Inglaterra com um “bebê chorão”. Seu time perdeu tanto terreno para o Chelsea que o título inglês parece missão impossível.

Como Conte também chegou ao Chelsea no meio do ano, fica meio difícil justificar pela “falta de tempo de trabalho” o início claudicante do técnico mais badalado do mundo.

O que fará Guardiola com Gabriel Jesus? Vai jogar logo o menino na fogueira da Premier League ou vai dar tempo ao tempo? Como justificar um hipotético “pouco uso” do atacante diante da crise de resultados? Como ele será usado? Competindo com Aguero para jogar no comando do ataque ou com os “pontas”, transformando-se em Douglas Costa-2, “A Missão”?

O grande problema do City de Guardiola não tem sido a falta de gols – nos últimos 14 jogos oficiais, só não marcou em um. Mas, sim, o excesso de cartões vermelhos, erros de saída de bola e gols sofridos – nos últimos 22 jogos, só passou três sem levar pelo menos um gol. O jovem atacante brasileiro não é a solução para o principal buraco de Guardiola no momento.

Gabriel desembarcou nesta terça em Manchester e já se especula que ele possa jogar sexta-feira, pela Copa da Inglaterra. É um jogo secundário para o City. Se ele jogar, já teremos uma ideia do que pretende Guardiola.

Nunca é fácil chegar no meio da temporada, sem dominar o idioma, na liga doméstica mais competitiva do mundo, onde árbitros não protegem talentos e jornalistas preferem gastar tinta criticando atacantes que se jogam do que elogiando os que driblam.

Talvez, para este restante de temporada, a resposta à pergunta proposta por este post seja “nem Neymar, nem Gabigol”. Possivelmente Gabriel Jesus tenha muitos minutos, mas sem um impacto imediato. Nem vai ficar encostado, como Gabigol, nem “chegar chegando”, como Neymar.

Para os próximos anos, eu apostaria algumas fichas em Jesus como o Gabriel mais importante pelas bandas de lá.

Após uma curta pausa de fim de ano, aqui estamos de volta para debater futebol e esporte em alto nível. Sem histeria, sem interesses escusos ocultos, sem bordões, sem preconceitos. Queremos cada vez mais tratar o futebol como ele merece. E queremos uma sociedade menos agressiva e violenta, física ou verbalmente.

Agradeço muito aos que deixaram comentários construtivos (a maioria!) ao longo do ano passado e sejam todos e todas bem vindos para participar também em 2017. Sempre com educação e respeito à opinião do próximo. Não deixem de opinar, concordar, discordar, compartilhar o que vocês leem por aqui. Não deixem de acompanhar o melhor noticiário aqui nas páginas do UOL Esporte.

Aproveitem para me seguir também no Twitter e no Facebook. É só clicar nos links. E um feliz ano novo para todos nós!


Bayern pós-Guardiola sofre; Lucas brilha no PSG e bate na porta da seleção
Comentários Comente

juliogomes

Tem gente que cai nesse papinho que nos contam invejosos. “Guardiola é marketing”. “Guardiola só ganhou títulos porque tinha timaços nas mãos”. “Queria ver Guardiola na Série C, no Estadual”. Blá, blá, blá, blá.

Guardiola é um técnico que extrapola o simplismo dos resultados e isso incomoda o status quo. “Ganhou, é gênio. Perdeu, é uma besta”. O simplismo que dita análises e ações em nossa sociedade. O fins justificam os meios de toda nossa vida.

O que me faz (e a muita gente) admirar tanto o trabalho de Guardiola não é o simplismo do tamanho de sua sala de troféus. E, sim, a mensagem que ele manda e que pode ser extrapolada do futebol para a vida: os meios importam. É possível atingir objetivos, chegar lá, sem abrir mão de suas convicções. É importantíssimo fazer as coisas do modo como preferimos, como idealizamos.

É impossível não lembrar de Guardiola quando observamos a semana do Bayern de Munique.

No sábado, perde o clássico para o Borussia Dortmund por 1 a 0. Na quarta, perde do Rostov (!!!) na Rússia por 3 a 2, o que relega o clube à segunda posição no grupo D da Champions League.

Na Bundesliga, o Bayern soma 24 pontos em 11 jogos – ganhou sete, empatou três, perdeu uma. Está em segundo lugar. Na Champions, ganhou três e perdeu duas, está classificado, mas em segundo lugar, atrás do Atlético de Madri, e terá de jogar a partida de volta das oitavas de final fora de casa.

Na temporada 15/16, com Guardiola, o Bayern ganhou as dez primeiras na Bundesliga e só foi tropeçar (empatar) pela primeira vez na rodada 11. Era líder com 31 pontos.Em 14/15, nos 11 primeiros jogos foram oito vitórias e três empates, 27 pontos, 27 gols marcados. Em 13/14, nos 11 primeiros jogos foram nove vitórias e dois empates, 29 pontos. Guardiola foi campeão com 19 pontos de vantagem no primeiro ano, 10 no segundo e 10 no terceiro.

Na Champions League, nos três anos de Guardiola o Bayern ganhou seu grupo com facilidade, sempre com cinco vitórias e uma derrota.

O substituto de Guardiola no Bayern é um dos grandes técnicos da história do futebol europeu, Carlo Ancelotti. Um treinador com três Champions no currículo, incluindo a “Décima” do Real Madrid, quebrando jejum de 12 anos.

O início claudicante do Bayern na temporada, ainda assim com bons números, não fala mal de Ancelotti. Apenas serve para nos lembrar que os feitos de Guardiola no clube bávaro não seriam repetidos “por qualquer um que estivesse ali”, como gostam de falar seus detratores.

Com Pep, o Bayern passou a jogar outro futebol, o futebol que Guardiola considera o mais atraente e eficiente para se chegar à vitória. Uns gostam, outros não gostam. É direto de todos. O que não não para discutir é que o fim não é o único objetivo. O jeito importa. E, do jeito que Pep idealizou, amassou seus adversários na Alemanha, nunca sendo ameaçado. Foi fortíssimo na Champions League e acabou caindo em três semifinais seguidas para times espanhóis.

Contra o Real (14) e o Barça (15), o Bayern de Guardiola foi destruído nos contra ataques. Contra o Atlético (16), o problema foi resolvido. Mas aí Thomas Muller perdeu aquele pênalti…

Guardiola não é perfeito. Ancelotti não é um lixo. Mas o elenco estrelado do Bayern, que está ainda melhor nesta temporada, parece encontrar dificuldades para se des-Guardiolizar e voltar ao “normal”. Acabará se encontrando, sem dúvida. Deve ganhar a Bundesliga. E ainda acho um dos favoritíssimos na Champions League.

Mas o caminho será mais tortuoso. Como Guardiola, tudo foi mais fácil. E mais belo.

O que mais rola na Champions

O grupo do Bayern foi vencido pelo Atlético de Madri, com os 2 a 0 sobre o PSV. O Atlético já ficou para trás na Espanha, mas não se enganem. É um elenco forte, um timaço e com um técnico espetacular. O Atlético, vice em 14 e 16, é candidato novamente. Agora é torcer por um sorteio amigável nas oitavas

No grande jogo da rodada, Arsenal e PSG ficaram no 2 a 2. O gol de empate do PSG, no final, foi de Lucas Moura, que fez uma partida fantástica. Tite deve estar de olho, logo logo Lucas voltará à seleção. Está jogando demais.

Lucas, à priori, joga aberto no PSG. Mas, ao contrário dos tempos de Blanc, se movimenta, cai pelos dois lados, volta para armar, se associar com meio-campistas e municiar Cavani, bate faltas (acertou o travessão antes de fazer o gol de empate), ajuda na marcação. Tem muita concorrência para a seleção, com Philipe Coutinho também brilhando, por exemplo. Mas Lucas faz uma temporada consideravelmente superior às de William (Chelsea) e Douglas Costa (Bayern).

Foi um grande jogo de futebol, destes que só a Champions nos proporciona. Times que tratam bem a bola, buscam a vitória, não praticam antifutebol, não apelam. O PSG pós-Ibra e pós-Blanc parece um time mais solidário, que vai se acertando com Emery e será uma ameaça real a qualquer um no mata-mata. Será que supera a barreira das quartas?

Aos franceses, basta uma vitória por qualquer placar contra o fraco Ludogorets, em casa, para garantir o primeiro lugar do grupo. O Arsenal – novidade – será segundo.

Primeiro lugar que o Barcelona já garantiu com os 2 a 0 sobre o Celtic, na Escócia, com assinatura de Messi. O Manchester City, de Guardiola, empatou com o Borussia Moenchengladbach na Alemanha e está classificado, mas em segundo lugar.

Primeiros colocados já definidos matematicamente: Barcelona, Atlético de Madri, Monaco e Leicester. Serão primeiros também PSG e Juventus.

Segundos colocados já definidos: Manchester City, Bayern de Munique e Bayer Leverkusen. Será segundo também o Arsenal.

O que resta definir na última rodada:

– Real Madrid x Borussia Dortmund. Empate deixa os alemães na primeira posição, Real precisa vencer para não ser segundo.

– Porto precisa vencer em casa o classificado Leicester para entrar em segundo. Se tropeçar, pode perder a vaga para o Copenhagen.

– Lyon x Sevilla decidem em duelo direto a segunda vaga no grupo da Juventus. Franceses precisam vencer por dois ou mais gols de diferença, Sevilla pode empatar ou até perder por um.

– Napoli e Benfica deveriam ter vencido e se classificado nesta quarta, mas ambos bobearam feio. O duelo direto entre eles, na última rodada, em Lisboa, deve definir apenas um classificado. Quem vencer, ganhará o grupo. Empate classifica o Napoli. Ambos podem entrar juntos, caso o Besiktas não vença o eliminado Dynamo, em Kiev. Mas o time turco só depende de uma vitória para entrar.


Posse de bola? City vira sobre o Barça em festival de contra golpes
Comentários Comente

juliogomes

Guardiola x Barcelona. Jogo fundamentado em posse de bola, passe para o lado, à espera pelo pequeno espaço para chegar ao gol, certo? Errado. A vitória do Manchester City sobre o Barcelona, pela Champions League, foi uma mostra de como o futebol já se re-transformou nos últimos anos.

A posse de bola é objetivo de quase todos os times top de linha. O futebol já mudou, pós-Barça e Guardiola, na busca por jogadores técnicos, que saibam jogar, que busquem qualidade no passe e saída de bola em todas as linhas (não necessariamente fortes, altos e físicos). No entanto, a posse como tática de defesa (se eu tenho a bola, meu adversário não a tem) já está virando coisa do passado antes mesmo de ser a do futuro.

A grande herança da era Barça-Guardiola é, na verdade, a pressão exercida por todos os jogadores e em todas as partes do campo.

Tal pressão tem gerado roubos de bola e tem sido seguida não de “reconstrução de jogo”, mas, sim, de transição rapidíssima para chegar ao gol. É o tal contra ataque, com nomes novos e menos metros a serem percorridos, porque a recuperação de bola é feita mais à frente.

No jogo de duas semanas atrás, os erros de passe do City no campo defensivo geraram um festival de Messi e goleada do Barça no Camp Nou. Guardiola passou seis jogos sem vencer pela primeira vez na carreira. Mas parece ter percebido (lógico que percebeu) que os erros de passe estavam sendo o grande buraco de sua gestão. É difícil mudar culturas futebolísticas, isso não acontece em semanas e, sim, em anos.

Nesta terça, em Manchester, a TV chegou a flagrar Guardiola pedindo para sua defesa se livrar da bola quando pressionada. Oras. Óbvio, não? Melhor um bico para frente do que perder a bola para Messi, Suárez ou Neymar.

Ainda assim, foi em um contra ataque de livro que o Barça chegou ao primeiro gol. Não saiu de um erro de passe do City e, sim, de um escanteio. Messi, Neymar, Messi, gol. O new Barça, de Luis Enrique, dos contra ataques absurdamente mortais, mostrou novamente que ninguém faz isso melhor no mundo.

Quando parecia que o City afundaria, chegou o presente. Sergi Roberto, meia-lateral, errou passe no campo de defesa. E aí o City fez o que o Barça fizera no Camp Nou. Roubou, acelerou, passou rápido e chegou ao empate com Gundogan.

O volante-meia alemão é um desses jogadores totais de hoje em dia, que marcam, ocupam espaços, atacam, finalizam. O City jogou com uma formação diferente da do Camp Nou, com uma linha de quatro, Fernandinho atrás, Aguero à frente. Aguero é quem se aproveita do passe errado de Sergi Roberto, o lance que mudou o duelo. Roubou, abriu para Sterling, cruzamento, Gundogan e gol.

Aguero, barrado no Camp Nou e em outras partidas, foi um dos nomes do jogo. Assim como De Bruyne, outro que andava devendo. No segundo tempo, o City voltou muito mais ligado, sem qualquer ideia de diminuir o ritmo do jogo. Pelo contrário. A ideia era deixar a bola para um Barcelona sem Iniesta e sem alguns de seus iniciadores de jogadas lá da defesa (Piqué e Alba). E o plano deu certo.

Com seguidos roubos de bola e transições rápidas, o City virou um festival para cima do Barcelona. Sabe de marketing, o tal do Guardiola. Virou o jogo e teve chances para mais. O Barça teve chance de empate com 2-1 abaixo em um contra ataque (como não?) puxado por Suárez, mas André Gomes, livre na área, bateu no travessão (Iniesta não tem a mídia dos outros, mas faz falta).

Em algum momento da rodada, o City perdia, ficava com 4 pontos e via o Borussia Moenchengladbach ir a 6. Iria ficar contra a parede no grupo. No fim, o time alemão bobeou e cedeu empate em casa ao Celtic. Então o grupo se normaliza.

Barça com 9, City com 7, Gladbach com 4, Celtic com 2. O Barça, pela vitória maior no confronto direto com o City, pode acabar empatado com o time de Guardiola para ser primeiro do grupo. Então basta um empate e uma vitória, jogando contra o Celtic fora e o Gladbach em casa. Vai ser o primeiro. Para o City, no entanto, se classificar em segundo e tendo vencido o Barcelona nesta terça, é lucro.

Mesmo que perca na Alemanha na próxima rodada (desde que por menos de 4 a 0, que foi o placar entre eles em Manchester), ao City bastará vitória em casa sobre o Celtic para se classificar.

Outro grupos e golaços

Favoritos não tiveram vida fácil. Arsenal, PSG, Bayern de Munique e Atlético de Madri ganharam ou de virada ou com gols nos minutos derradeiros.

A rodada foi marcada por gols espetaculares.

O Atlético achou um gol nos acréscimo de Griezmann para sair com uma vitória suada contra o Rostov. O francês havia feito um golaço acrobático para abrir o placar, mas os russos empataram e venderam caro a derrota. Com o resultado, o Atlético mantém três pontos de vantagem para o Bayern. A primeira colocação do grupo será disputada em Munique na última rodada, e o Atlético jogará por um empate independente do que aconteça na próxima rodada.

O Bayern também suou para vencer o PSV em Eindhoven, de virada, por 2 a 1. É verdade que o gol do PSV saiu em impedimento. A partir daí, foi um show de Lewandovski, que fez dois e ainda quase marcou um golaço, que acertou no travessão. Douglas Costa, que perdeu espaço com Ancelotti, entrou no lugar de Robben e foi importante para o Bayern. Foi dele o ótimo passe que quebrou a defesa e permitiu a Alaba fazer o cruzamento do gol da virada.

Outro brasileiro que jogou bem foi Lucas, em um sistema 4-3-3 do PSG em que Emery volta a atuar como Blanc fazia no time francês. O PSG jogou bem na Suíça, criou chances, mas só venceu o Basel por 2 a 1 com uma pintura do lateral Meunier aos 45 do segundo tempo. Após um cruzamento da esquerda, ele pegou de rosca, sem pulo, de fora da área. Um golaço que permite ao PSG seguir perseguindo o Arsenal no grupo.

Por falar em pintura, Ozil fez o gol da temporada até agora para o Arsenal vencer o Ludogorets, na Bulgária, por 3 a 2. Os ingleses perdiam por 2 a 0 e empataram ainda no primeiro tempo. Aos 43 do segundo, Ozil mostrou toda a calma do mundo em contra ataque para chapelar o goleiro, deixar dois zagueiros no chão e marcar. Um gol antológico do alemão, que certamente será finalista do prêmio Puskas.

Arsenal e PSG já estão classificados com 10 pontos. Na próxima rodada, se enfrentam em Londres. Quem vencer o jogo garantirá a primeira posição do grupo. Empate sem gols deixa o Arsenal dependendo apenas de uma vitória na última rodada (na Basileia). Empate por 1 a 1 (repetindo o de Paris) fará o grupo ser decidido no saldo. O Arsenal tem três gols a mais de saldo, mas o PSG pega o Ludogorets em casa na última rodada. Empate por dois gols ou mais deixa o PSG virtualmente como primeiro colocado. É o grande jogo da próxima rodada.

Finalmente, no grupo B o Benfica ganhou do Dynamo Kiev por 1 a 0, e Besiktas e Napoli ficaram no 1 a 1. Napoli e Benfica têm 7 pontos, o Besiktas tem 6 e o Dynamo, com 1, está fora. O Napoli tem a obrigação de vencer os ucranianos em casa na próxima rodada para ficar perto da vaga.

 


Messi mostra que Guardiola ainda tem muito marketing pela frente
Comentários Comente

juliogomes

O Barcelona nem precisou jogar muita bola. Ainda perdeu dois jogadores do sistema defensivo no primeiro tempo – lesões de Alba e Piqué. Mesmo assim, construiu um placar elástico contra o Manchester City no Camp Nou, venceu por 4 a 0 e praticamente garantiu a primeira posição no grupo da Liga dos Campeões – o que representa um sorteio mais amigável nas oitavas de final.

Ao City, de Guardiola, resta garantir essa segunda posição e torcer para não pegar um gigantão na próxima fase.

Messi fez três gols e ainda levou um pênalti desperdiçado por Neymar. E o engraçado é que passou longe, mas muito longe, de ser um jogo daqueles inesquecíveis do camisa 10. Bastou a Messi aproveitar, estar no lugar certo, como sempre, e finalizar – bem como poucos fizeram na história.

Os gols do Barça saíram de erros do Manchester City em seu campo de defesa. O time de Pep Guardiola conseguiu impor seu estilo de jogo no Camp Nou em muitos momentos. Disputou a posse de bola, não deu chutão, ocupou o campo de defesa do adversário, criou chances. No primeiro tempo, quando perdia por 1 a 0, teve um pênalti claríssimo não marcado a seu favor. No segundo tempo, quando parecia perto do empate, teve o goleiro expulso.

O primeiro gol sai de um carrinho vencido por Mascherano, depois escorregão de Fernandinho. Ficou fácil para Messi. Aí Bravo, ironicamente contratado por “jogar bem com os pés”, fez uma lambança daquelas. Deu um presente e depois evitou o gol de Suárez pondo a mão na bola fora da área. Com um a menos, o City errou duas saídas de bola que resultaram em gols de Messi. No final, Neymar selou a goleada.

Muito importante ressaltar que o goleiro alemão Ter Stegen fez algumas defesas enormes em momentos críticos do jogo.

Ainda que analisar por apenas uma atuação seja simplista, o futebol funciona assim. E o Barça enterra, pelo menos por enquanto, as críticas por ter escolhido Ter Stegen (e vendido Bravo ao City). Uma das noites mais felizes do alemão no gol do Barça coincidiu com a mais triste de Bravo no time de Manchester.

E aí vêm as críticas a Guardiola, o algoz de Hart, que bancou Bravo e que toma a segunda sacolada em sua segunda visita ao Camp Nou como rival.

Teve gente que teve coragem de dizer que Guardiola era “marketing”. Perdoai-vos, senhor.

Guardiola é um gênio. Nem tanto pelos títulos, que são muitos, mas por conseguir fazer seus times jogarem o futebol que ele entenda que seja o melhor jeito de jogar. Poucos técnicos conseguem isso. Buscam o resultado, não o resultado através de um modo de ver e ser.

Nem todos os gênios são perfeitos. Guardiola, certamente, não é.

Talvez não seja bom negociador, como o próprio caso “Bravo-Hart” mostra. Talvez tenha dificuldades demais para sair de enrascadas, de se adaptar – como no próprio jogo desta quarta, depois de ficar com um a menos. Por que não mudar o estilo, se segurar com 1 a 0 contra e buscar o empate em algum lance fortuito?

Talvez pensar fora da caixa deixe Guardiola trancafiado dentro de um outro tipo de caixa. E pensar fora desta outra caixa é preciso.

O fato é que os gols de Messi e a goleada do Barcelona não mostram o que foi o jogo no Camp Nou. Mas mostram que o Manchester City precisa melhorar muito, amadurecer este novo jeito de jogar terá momentos que merecerão críticas.

São quatro partidas sem vitórias, quase um mês. E Guardiola precisará adaptar alguns de seus conceitos. Os erros de saída de bola do City são muitos, de vários jogadores e estão tendo consequências – que, talvez, não aparecessem nos tempos de Barça e Bayern contra rivais domésticos de nível bem menor.

Cabe agora a Guardiola encontrar as soluções. Fazer um pouco de marketing, enfim.

 


Quatro clubes que podem desafiar Real, Barça e Bayern na Champions
Comentários Comente

juliogomes

Foi em um distante ano de 2008 que a Liga dos Campeões teve, pela última vez, uma final sem a presença ou do Real Madrid ou do Barcelona ou do Bayern de Munique. Cristiano Ronaldo, por sinal, era a estrela do time campeão, o Manchester United – que derrotou o Chelsea naquela decisão de Moscou.

Já são oito finais seguidas com um dos três clubes mais potentes da Europa – curiosamente, nenhuma entre eles. São sete Ligas consecutivas em que dois ou três deles estiveram na semifinal. Ninguém consegue acompanhar o ritmo do trio.

A fase de grupos da Champions começa nesta terça com Bayern, Barça e Real como os claros favoritos ao título. Assim como aconteceu de forma cristalina nas últimas quatro edições do campeonato de clubes mais importante do mundo. É difícil apontar um favorito entre os três. Mas mais difícil ainda, quase impossível, é apontar um favorito que não seja um dos três.

Para este blog, após as três frustrantes eliminações em semifinais com Guardiola, é a vez do Bayern de Munique. Carlo Ancelotti tem uma estrela que brilha muito na Champions. É um treinador que, além de entender demais de futebol e potencializar o que tem em mãos, sabe muito bem aproveitar ótimos trabalhos deixados por antecessores (sem querer “mudar tudo” para impor um estilo) e que gerencia egos e estrelas como poucos.

Mas este post trata de buscar o tal “impossível”. Como não estamos falando de pontos corridos e, sim, de mata-mata, a competição cria condições para que outros cheguem à final. Quais são os clubes capazes de desbancar um dos três super favoritos?

Aqui vai minha curtíssima lista.

1- Juventus

Depois de chegar à final em 2015, a Juve perdeu Tevez, Pirlo e Vidal. Três peças fundamentais. Levantou-se rapidamente para ganhar o Scudetto de novo, mas já perdeu Pogba e Morata, que havia encaixado tão bem no ataque. Para a atual temporada, no entanto, chegaram Daniel Alves, Benatia, Pjanic e Higuaín, e a Juve já começou voando na Itália. Não deverá ter problemas para conquistar um inédito hexacampeonato nacional e ter o foco todo na Champions no primeiro semestre de 2017.

Tem camisa, história, uma defesa melhor que a dos três poderosos, competitividade, elenco e maturidade. A Juventus é a candidata mais forte a beliscar uma final e, por que não, sair da fila de 20 anos.

higuain_juve

2- Atlético de Madri

Com todo respeito aos outros, não é possível empurrar o Atlético para baixo nessa lista. É um clube que chegou a duas das últimas três finais, que perdeu uma por um gol sofrido nos acréscimos do segundo tempo e outra nos pênaltis. Sabe o que é chegar, como chegar e tem a cicatriz da derrota, o que sempre pode ser um fator para vitórias.

O Atlético melhorou demais seu jogo na temporada passada. Se enganam os que simplificam tudo e consideram apenas um time defensivo e retranqueiro. Além de possuir o melhor sistema defensivo da Europa, com linhas que se ajudam e têm uma capacidade impressionante de sincronização de movimentos, a equipe melhorou demais com a bola e na qualidade ofensiva. Mantém seu grande mentor, Simeone, mantém os titulares todos da temporada passada e ainda acrescenta dois atacantes importantes em Gameiro e Gaitán. Deixou de ser surpresa, não pode ser subestimado.

3- Manchester City

É o time do técnico mais genial do planeta, e isso não é pouca coisa. Mesmo em uma temporada apática, o City conseguiu, afinal, chegar a uma semifinal e quebrar essa importante barreira. Além do impulso natural da chegada de Guardiola, o elenco ficou bastante reforçado em todas as linhas. E ainda chega Gabriel Jesus em janeiro, um garoto desconhecido na Europa e que, se encaixar e se soltar de cara, pode fazer a diferença.

Guardiola tem tempo de sobra para misturar os elementos táticos nos quais acredita com o estilo intenso dos times da Premier League. Tem também a chance de medir forças contra o Barça na fase de grupos e tempo de sobra para pensar no que deu errado para eles nas semifinais das últimas três Champions – e ajustar.

4- Paris Saint-Germain

Ao contrário do City, ainda não conseguiu romper a barreira das quartas de final desde que virou “novo rico”. No ano passado, pareciam ter uma chance real, mas algo simplesmente não aconteceu. E este blog já disse isso repetidas vezes: talvez esse “algo” estivesse no banco. Laurent Blanc deixou a desejar nos momentos cruciais dos jogos cruciais. A chegada de Unai Emery, um técnico que fez trabalhos enormes no Valencia e no Sevilla, é um ganho tremendo para o PSG.

É verdade que Ibrahimovic não está mais, mas isso pode abrir espaço para novas dinâmicas no ataque, que ficava pendente demais do sueco – até hoje, todos que ficaram pendentes de Ibra nas fases agudas da Champions League se deram mal. Todos. O trabalho de Emery eventualmente vai encaixar, e o PSG, assim como Juventus e Bayern de Munique, deve chegar ao mata-mata com a liga doméstica praticamente decidida.


Guardiola supera Mourinho em dérbi eletrizante
Comentários Comente

juliogomes

Manchester United e Manchester City, ou José Mourinho e Pep Guardiola, entregaram o que todos esperavam do primeiro dérbi da cidade na temporada. O City venceu por 2 a 1 fora de casa, em um golpe de autoridade na disputa que certamente os dois clubes de Manchester vão travar em busca do título da Premier League.

O City segue com 100% no campeonato, quatro vitórias em quatro jogos. Mourinho perde a primeira no comando do United.

Foi um jogaço, eletrizante, de tirar o fôlego do primeiro ao último minuto. O City foi melhor e mereceu vencer.

No primeiro tempo, foi um banho do time azul de Guardiola. Além de dominar a posse de bola, o City machucou o United com uma postura ofensiva. Pep escalou o time com Fernandinho com único volante (jogou demais) e muita madeira na frente: David Silva e De Bruyne se incorporando, Sterling e Nolito abertos pelas pontas e o jovem Iheanacho substituindo Aguero.

Curiosamente, foi em um chutão para frente que saiu o primeiro gol, um gol típico da Premier League, típico dos times de qualquer técnico, menos Guardiola. Iheanacho escorou o balão de cabeça, Blind falhou, e De Bruyne ficou no mano a mano com De Gea para concluir com perfeição. O belga foi o melhor jogador em campo, não só pelo gol, mas pelas diversas ocasiões em que deixou o United em apuros.

Aos 36min, foi de uma jogada individual de De Bruyne que saiu a finalização na trave e, no rebote, Iheanacho fez o segundo.

O jogo era dominado completamente pelo City, até que a história mudou em um erro bisonho de Claudio Bravo na saída do gol após uma bola parada alçada na área. Ibrahimovic, genial, aproveitou o erro com uma chicotada para diminuir. Eram 42min do primeiro tempo.

A etapa inicial foi um retrato desta disputa histórica que Pep e Mou representam.

Os times de Pep são sempre mais legais de ver. Ofensivos, buscam a bola, o jogo, a vitória de forma mais agressiva. O City valoriza a bola (teve 60% de posse), mas vai muito além disso. Mescla a forma de Guardiola ver o jogo com as características de extrema velocidade do futebol jogado no país. Assim como Guardiola incorporou elementos nos três anos de Bayern, o mesmo vai acontecendo agora.

Os times de Mou especulam mais, buscam a vitória através da destruição primeiro, a construção depois – ambas as facetas de jogo de forma incontestavelmente eficientes. Em um jogo em que seu time foi inferior, ficou a um triz de sair com o empate.

No entanto, Pep ainda vai ter remar muito para alcançar Mourinho no modo como o português ataca o mercado e participa das finanças dos clubes.

A saída do goleiro Hart do City, além de traumática, ocorrida no último dia da janela de transferências, representou perda de dinheiro para o clube. Chegou Bravo, que é bom goleiro. Mas custou bem caro (18 milhões de euros) e falhou feio na estreia. E não só falhou no lance do gol. A grande suposta qualidade aos olhos de Pep, a saída de bola com os pés, quase colocou o City em apuros algumas vezes. Quem aproveitou o erro de Bravo foi Ibra, que chegou de graça ao United para jogar com Mourinho.

No segundo tempo, o jogo mudou completamente. As entradas de Herrera e Rashford no United melhoraram o time, que adiantou as posições de Rooney e Pogba e passou a pressionar demais a saída de bola do City, roubar algumas e rondar a área adversária. O empate parecia próximo, quando foi a vez de Guardiola atuar. Colocou Fernando na contenção para ajudar Fernandinho, estabilizando o sistema defensivo.

Em contra ataques, o City quase chegou ao terceiro gol. Mas, nos acréscimos, foi aquele sufoco em que quase o United empatou. No fim, pelo amplo domínio do City no primeiro tempo e nenhum erro capital do árbitro, foi um resultado justo.

Ao todo, são agora 17 confrontos diretos entre Mourinho e Guardiola. Mou fica com três vitórias, Guardiola chega à oitava – são seis empates.

Em mata-matas, 1 a 1 em Champions League, 1 a 1 em Copas do Rei, 2 a 0 para Pep nas Supercopas que pouco valem. Desequilíbrio no geral, ampliado com a vitória do City neste sábado, mas equilíbrio nos confrontos eliminatórios – e certamente veremos mais deles nesta e nas próximas temporadas.